Caro leitor, tenho duas notícias a lhe transmitir, uma boa e outra má. Como é do temperamento brasileiro de deixar sempre as coisas melhores para o final, começo pela má.

Eugenia no Uruguai?

Como todos os leitores do nosso site já sabem largamente, o Brasil está na iminência de se aprovar uma perseguição religiosa. O PNDH-3 visa implantar uma série de absurdos dentre os quais está o aborto. E a primeira notícia que comentaremos é que, segundo informa a Agência de notícias ACI, o Uruguai conta agora com um novo adendo ao projeto de lei do aborto.

Álvaro Fernandez, líder pró-vida no Uruguai, disse que o projeto para despenalizar o aborto até 12 semanas de gestação “agora se acrescentou o tema das deformações e a síndrome de Down que seriam motivos para poder abortar segundo a senadora que promove esta lei, Mónica Xavier (do partido de governo Frente Amplo), que é médica”.

Esse projeto já conta com o apoio do atual presidente, José Mujica, que disse publicamente que não vetaria a norma se for aprovada pelos senadores.

Além da síndrome de Down que outras deformações seriam? Qual seria a definição de “deformação” para os abortistas? Não parece isso com a eugenia nazista? Vejam até que ponto nós chegamos…

Agora passo para a boa notícia.

Assim como no Brasil, em toda a parte do mundo essas medidas para aprovar o aborto estão encontrando reações. A mesma agência de notícias ACI publica três notícias confortadoras, uma do dia 18 de março e as outras do dia 26 de março de 2011.

Médicos contra o aborto na Argentina

A primeira delas é que na Argentina um grupo de 78 ginecologistas e obstetras fizeram um “Manifesto pela Vida” afirmando que não há justificativas para matar um ser humano dentro do ventre materno.

Dentre os vários argumentos contidos no manifesto estão o da inviolabilidade da vida humana desde sua concepção e o direito à objeção de consciência. Os peritos ainda afirmam que “a eliminação de um ser humano inocente é sempre inaceitável, ética e medicamente falando” e “provocar abortos para evitar abortos é tão contraditório como combater a morte ocasionando a morte, ou eliminar a enfermidade matando o doente”.

E dão a solução: “a estratégia mais eficaz para prevenir e evitar o aborto é a educação moral e ética, sobre tudo na infância, na adolescência e na juventude.

Nos casos de aborto por estupro, pedem para “castigar o violador, não a criança inocente, fruto do ato delitivo” e destacam que “a adoção por terceiros é uma estratégia humanitária de indubitável valor”.

La Nación pressiona Cristina Kirchner para se manifestar contra o aborto.

Ainda na Argentina, no seu editorial, o jornal ‘La Nación’ solicitou à Presidente Cristina Kirchner uma clara defesa da Vida, contra o Aborto. Segundo o mesmo jornal, a Presidente fez um pronunciamento proclamando “sua defesa à vida, e o fez no marco de outorgar amparo à mulher grávida mediante apoio econômico a esta“. Continua o jornal: “Embora seja fundamental que, como mulher e como presidenta, Cristina Fernández de Kirchner se adira a este postulado universal, e reconheça o primeiro e essencial direito à vida, o apoio não é suficiente”.

O jornal também ressalta que a vida humana começa a partir da fecundação e que toda mãe “tem direito à sua maternidade, direito a que lhe seja facilitada a possibilidade de ser mãe e de não ver-se empurrada por razões sociais, psicológicas ou econômicas a procurar um aborto que terminará por fazer- lhe mais mal que bem”.

O papel do Estado “deveria ser o de proteger em todo sentido o direito à vida da criança, logicamente apoiando a mãe grávida, mas não a partir dos três meses de gravidez, mas precisamente a partir do momento em que ela tenha consciência deste, que é quando ela mais necessita o apoio para não se desprender da criança”. O editorial conclui dizendo que sempre se deve ajudar as mães argentinas para que não matem os seus filhos, mas para que saibam que dar a vida é uma glória, não importa a forma da gravidez”.

Marcha contra o aborto na Espanha

Marcha contra o aborto na Espanha

Concluo com esta última notícia. O dia 26 de março foi marcado por manifestações de milhões de espanhóis contra o aborto. Mais de 70 cidades tiveram suas marchas pela vida. Só em Madrid cerca de 130.000 pessoas estiveram presentes. “são famílias inteiras, desde avós até os recém-nascidos, para simbolizar esse clamor cívico que dirigem a seus representantes políticos, exigindo um firme compromisso com a defesa do primeiro direito humano, a vida, desde seu início na gestação até a morte natural, ao que se enfrenta abertamente o aborto e a eutanásia que tratam de impor-se a nossa sociedade” disse o porta-voz de “Hazte Oir”, organização pró-vida espanhola.

Temos a perseverança, a imaginação e a alegria necessárias para atrair cada vez mais concidadãos. Os políticos devem escolher. Ou estão com a sociedade ou estão contra ela. Ou com a vida ou contra ela” disse Gádor Joya, porta-voz de Direito a Viver (DAV), outra organização pró-vida.

Ao final foi lido o Manifesto pela Vida, o qual conclama a sociedade a que “se avive a consciência do valor de toda vida humana e se exija seu respeito e amparo legal, da concepção até a morte natural”, proclamando e festejando “o dom da vida, como um direito natural, primitivo e inegociável de todo ser humano”.

Enfim, essas são notícias que nos dão animo aqui no Brasil, pois, afinal não estamos sozinhos…

4 COMENTÁRIOS

  1. O que vemos são governos pró-Herodes, ou, pior, Herodes mandou matar crianças, enquanto esses governos matam ou tentam matar com leis abortivas e através da corrupção também os cidadãos, quando roubam-lhes a assistência à saúde, a educação, a segurança, a habitação, a ética e todos os bens morais, familiares e religiosos… Nossos governos são mais cruéis que os Herodes, mais mentirosos que o Sumo Sacerdote Caifaz, mais sádicos que o Marquês de Saade. Aprovar a lei do aborto representa a abrangência total da malignidade desses governantes, infelismente eleitos por este povo que hoje é vítima de sua própria escolha. Os eleitores venderam suas primogenituras (privilégios) por um prato de lentilha (bolsa família, cesta básica, etc), para, em seguida irem morrer nas filas do SUS, ou continuarem apenas como mortos ambulantes, sem saúde, sem educação, sem segurança, sem habituação, sem sonhos, e (quase) sem religião ou dignidade… É hora de rogarmos a intervenção de São Miguel Arcanjo para que desça com sua espada desembainhada sobre as cabeças desses governantes, retribuindo-lhes segundo suas obras… E que Deus ouça nossas súplicas !

  2. O que mais me surpreende nesse artigo é algo muito positivo!
    DEUS seja louvado pelo fato de um meio midiático de massa (o jornal argentino “La Nación”) ser favorável à VIDA DESDE A CONCEPÇÃO!
    SUGIRO A TODOS NÓS CATÓLICOS QUE DIVULGUEMOS ISSO PARA A MÍDIA MARROM (VERMELHA) BRASILEIRA, COMO POR EXEMPLO A FOLHA DE SÃO PAULO E A ISTOÉ!
    E que o Senhor tenha piedade dos bebezinhos e da vida em geral no Uruguai, no nosso Brasil e em todo o mundo.

  3. Há notícias que deveriam causar horror e indignação como essa do Uruguai e alegria em saber de que a causa pela vida dos inocentes não é uma causa perdida, máxime considerando as razões profundas de nossa oposição ao aborto: a lei de Deus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome