“Maduro retirou todo o pessoal de seu primeiro anel de segurança, substituindo-o por guarda-costas do Oriente Médio”.
“A decisão de Maduro veio depois que o governo dos EUA anunciou recompensas de um milhão de dólares em troca da captura dos principais líderes do Chavismo (EFE).
Espanhol – Nicolás Maduro não confia mais em sua equipe de segurança formada por cidadãos cubanos. O tirano decidiu substituir seus guardas por oficiais de origem iraniana.

Nem venezuelanos, nem cubanos: agora é a vez do Irã

O jornalista venezuelano Casto Ocando relatou na Primer Informe que Maduro não confia mais no seu círculo de segurança mais próximo e, consequentemente, substituiu os guarda-costas e dobrou o número.

“O ditador venezuelano dobrou seus anéis de segurança para seis, antecipando possíveis incursões contra ele. Agora, ele removeu todo o pessoal do seu anel de segurança original, substituindo-o por guarda-costas do Oriente Médio ”, disse Ocando.

Ocando explica que “as estratégias de segurança do ditador são organizadas para impedir operações de captura dirigidas por membros de sua comitiva ou oficiais ativos que têm acesso ao Palácio de Miraflores ou podem conhecer sua agenda diária.

“Enquanto isso, Antonio Rivero, um general venezuelano no exílio, também disse que “o regime deu uma guinada para incorporar o Irã em sua estratégia de defesa e sobrevivência”. O novo círculo de segurança iraniano também será acompanhado pela implementação de drones de vigilância e ataque, bem como um sistema de orientação por radar.”

Em fevereiro de 2019, foi confirmado que o círculo mais próximo de Maduro era cubano.

“Uma reportagem do jornal espanhol da ABC também revelou que Mohsen Baharnavand, diretor do portfólio da América Latina do Ministério das Relações Exteriores do Irã, chegou à Venezuela, acompanhado por 243 pessoas e muito material em um dos voos da companhia aérea iraniana. A comitiva foi acompanhada por agentes do serviço civil de inteligência, do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (Sebin) e da Direção Geral de Contra-Inteligência Militar (Dgcim).

Segundo o jornal espanhol, “os iranianos estão se preparando para assumir o controle do setor de hidrocarbonetos da Venezuela, que entrou em colapso completamente sob as sanções dos EUA”.

O Irã e a Venezuela compartilham há muito tempo relações diplomáticas calorosas e um desprezo mútuo pelos Estados Unidos, que impuseram várias sanções a suas respectivas economias.

“Os vínculos entre Venezuela e Irã vão muito além dos acordos bilaterais conhecidos entre os dois; os interesses e a cooperação com o regime Maduro são realmente baseados em atividades ilícitas”.


Confiar sua guarda pessoal ao Irã, substituindo os cubanos (que por sua vez substituíram os venezuelanos) indica que Maduro está mesmo isolado. É o fruto do socialismo, do ditatorialismo, do bolivarianismo que o PT tanto patrocinou.

Também, no Brasil, os governadores de esquerda, com suas quarentenas ditatoriais vão seguindo a triste sina da rejeição popular.

Fonte: https://panampost.com/sabrina-martin/2020/05/08/maduro-cuba-iranian-guard/

 

Deixe uma resposta