A reação brasileira contra a produção de Natal da Netflix: “A primeira tentação de Cristo” é uma prova à mais de que nossa população — liberta da ditadura petista — se manifesta a favor da Religião, dos direitos de Nosso Senhor, da Civilização Cristã.

Nosso site lançou, em 5 de dezembro, uma Petição que teve o mérito de unir a inconformidade dos brasileiros contra a injuriosa, blasfema e torpe produção da Netflix.

Proteste. Assine nossa Petição: https://campanhas.ipco.org.br//diga-nao-a-netflix-que-zomba-de-cristo-no-natal
                                                * * *

Expressão artística está acima de todas as regras? Pode-se ofender e zombar da Religião? O Ensinamento do Papa Leão XIII

A mídia de esquerda, os discípulos da Revolução da Sorbonne (maio de 68), os retardatários do anticlericalismo de Pombal, alegam a laicidade do Estado e a pseudo liberdade de expressão artística, cultural. Sorbonne, 68: “é proibido proibir”!

O Papa Leão XIII, face aos erros do século XIX, na Encíclica “Libertas”, publicada no ano de 1888, distinguiu com exímia clareza a verdadeira liberdade cristã, da falsa liberdade revolucionária.

“O ensinamento pontifício serviu para esclarecer e orientar inúmeras pessoas. Não obstante, não logrou evitar que, grosso modo, as multidões ainda tenham em nossos dias um conceito de liberdade que, ou é exclusivamente revolucionário, ou é uma mescla deplorável de elementos revolucionários e de alguns vislumbres do conceito cristão, num sincretismo com o qual só a Revolução tem a ganhar.

“Deu-se isto, por exemplo, nos séculos XVIII e XIX com o nobre vocábulo “liberdade”. Nosso Senhor é por excelência o Libertador. Foi Ele quem quebrou os grilhões do pecado e da morte, e deu ao homem recursos superabundantes para se libertar da tirania do demônio e das paixões desordenadas. “Veritas liberabit vos” ( Jo. 8, 32 ), disse Ele.

“E a Verdade, fonte da genuína liberdade, Ele a definiu claramente: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” ( Jo. 14, 6 ). Isso não obstante, o liberalismo que hipnotizava os espíritos daquela época, trombeteando aos quatro ventos a palavra “liberdade”, deturpou-lhe o sentido.

“Ela passou a não designar mais a soberana liberdade da Verdade e do Bem, triunfantes sobre o Erro e o Mal, mas o “direito” para o Erro e o Mal de fazer tudo quanto se permite à Verdade e ao Bem, e de agredir, perseguir, vilipendiar, caluniar à vontade os que são verazes e bons”.


“Daí um verdadeiro caudal de erros e até de crimes, provocado pelo liberalismo: “Liberdade, quantos crimes são cometidos em teu nome”, exclamou a liberal Madame Roland”. https://www.pliniocorreadeoliveira.info/ACC_1963_149_Quando_instavel_a_base.htm

A produção de Natal de Netflix — A primeira tentação de Cristo — é um abuso da liberdade. O Brasil se ergue em defesa da Fé, em defesa de Nosso Senhor contra essa tirania macrocapitalista destruidora da Civilização Cristã.

Proteste. Assine nossa Petição: https://campanhas.ipco.org.br//diga-nao-a-netflix-que-zomba-de-cristo-no-natal

 

Deixe uma resposta