Nigéria aprova lei para defender matrimônio tradicional – Inglaterra ameaça – direitos humanos se calam

De acordo com UOL notícias (29/11), o senado da Nigéria aprovou lei que prevê até 14 anos de prisão para quem fizer ou participar de “cerimônia” de “casamento” homossexual.

Há um mês, o primeiro ministro da Inglaterra, David Cameron, havia ameaçado suspender a ajuda econômica a países que continuem proibindo e condenando a homossexualidade (Cfr. O Estado de S. Paulo, 30/10/11).

Esperemos para ver se David Cameron vai de fato suspender a ajuda econômica. E, sobretudo, esperemos para ver se os defensores dos “direitos humanos” vão se preocupar com as populações africanas, que deixarão de receber ajuda econômica por não aceitarem o homossexualismo…

Vã espera! Para os ativistas dos “direitos humanos”, o policial é o bandido, o pai que corrige o filho é o agressor, e o que defende a moral é o discriminador.

Assim, na lógica deles, se a população da Nigéria rejeita o homossexualismo, deve ser enquadrada na categoria “sub-humanos”, para os quais nenhum direito vale.