Notícias da Rússia revelam degradação moral sem precedentes

    Algumas notícias da Rússia indicam como está o “império” de Putin

    Na Rússia, os recursos para combater as doenças foram cortados drasticamente.
    Na Rússia, os recursos para combater as doenças foram cortados drasticamente.

    Corte na saúde para investir no exército russo

    Vladimir Putin anuncia que gastará dezenas de bilhões de dólares em novas iniciativas armamentistas e militares em função da OTAN.

    Mas cortou subsídios fundamentais para combater as doenças na Rússia, denunciou Paul Goble, especialista em questões étnicas e religiosas da Eurásia.

    Uma das consequências é o crescimento galopante dos índices de infecção com HIV/AIDS na Rússia e nos territórios ocupados por homens armados a serviço do Kremlin, como a Ucrânia, noticiou a agência Euromaidan Press (*).

    Putin defende a moralidade somente para os outros países

    O alcoolismo reduziu, na Rússia, a expectativa de vida masculina à faixa de 50 anos.
    O alcoolismo reduziu, na Rússia, a expectativa de vida masculina à faixa de 50 anos.

    Para consumo ocidental, o presidente russo se pavoneia como grande líder da moralidade e até da religião dita “ortodoxa” do antigo império dos czares. Mas, na prática, nada faz contra a expansão das perversões sexuais e outros vícios morais.

    HIV/AIDS cresce na Rússia

    O resultado dessa política dupla, diz Goble, é que, de acordo com dados de Vadim Pokrovsky, chefe do Centro Federal para a Prevenção e o Combate a AIDS, o número de pessoas infectadas com o vírus HIV/AIDS cresce 10% por ano na Federação Russa.

    Em entrevista publicada na “Novaya gazeta”, Pokrovsky reconheceu mais de 90.000 novos casos no ano passado.

    Ele calcula que, no fim de 2015, a Rússia terá por volta de um milhão de pessoas infectadas pelo HIV.

    O caso é especialmente aterrorizador, pois o regime de Putin convive alegremente com a generalização da imoralidade e de deploráveis vícios herdados da baixa moralidade do clero cismático e do ateísmo comunista.

    Aborto, divórcio e alcoolismo na Rússia

    Miseráveis enchem as ruas, enquanto Putin promete gastar dezenas de bilhões em sonhos de grandeza militar.
    Miseráveis enchem as ruas, enquanto Putin promete gastar dezenas de bilhões em sonhos de grandeza militar.

    O aborto é livre e gratuito, o divórcio é uma simples declaração diante de um funcionário do Estado, o abuso do álcool abaixa a expectativa de vida masculina à faixa dos 50 anos.

    Após a queda da URSS, a população diminuía por volta de um milhão por ano, até que a bonança trazida pela alta do petróleo atraiu pessoas das ex-repúblicas soviéticas. Agora essa tendência está se revertendo.

    Segundo os especialistas, os números reais da AIDS seriam sete vezes maiores que os apontados por Pokrovsky, que é funcionário do governo.

    Alto consumo de drogas, homossexualismo e prostituição

    Uma das maiores causas da pandemia é o consumo ilegal de drogas, largamente espalhado na Rússia de Putin, personagem considerado falsamente por alguns como o Carlos Magno vindo do Oriente para salvar a família e a civilização cristã.

    Segundo Pokrovsky, “cerca de 20% dos drogados estão infectados” com HIV/AIDS. Os homossexuais adultos têm em média mais de 20 parceiros, e as mulheres, por via de prostituição, até “centenas”.

    Para Pokrovsky, a situação da Rússia é comparável à da África subsaariana. 3% dos homens entre 30 e 35 anos estão oficialmente infectados.

    Em 2013, perto de 20.000 pessoas morreram da doença; em 2015 estas foram 25.000; e para os anos subsequentes aguarda-se um incremento anual de 20%.

    ***

    O suicídio atinge patamares altíssimos na Rússia, em decorrência da decadência moral.
    O suicídio atinge patamares altíssimos na Rússia, em decorrência da decadência moral.

    Pokrovsky está sendo acusado por membros do governo de “agente estrangeiro” pelo mero fato de ter divulgado os números oficiais.

    Ele denuncia que o regime não cuida da endemia e afirma que só uma pregação moral poderia mudar as coisas.

    Há quem diga que a solução viria da promoção dos valores tradicionais da igreja dita “ortodoxa” russa.

    Mas isso não resiste às evidências. Só a graça de Deus, que a Igreja Católica pode distribuir torrencialmente, seria capaz de mudar a situação.

    Mas o apostolado da Igreja Católica, acusada de ser uma ONG a serviço dos inimigos externos da Rússia, está sob ameaça por parte do governo de Putin e do Patriarcado cismático de Moscou.

    O resultado trágico está ali, sob o regime de Putin, proclamado pela propaganda do regime como defensor da moral, da religião, da família e dos valores tradicionais!!!

    (*) Cfr. “Putin government stopped fighting HIV/AIDS, Russia ‘at the edge of generalized epidemic,’ Pokrovsky says“, 3/7/2015.