O vômito do cão e a porca lavada

CãoSeria o caso de chorar sobre o mundo atual como outrora Jesus Cristo chorou sobre Jerusalém? Motivos não faltam. É só atentarmos para a multidão de horrores que se cometem, quer individualmente, quer através dos governos, das legislações, de atos judiciais, e até mesmo internamente na Igreja por representantes altamente qualificados.

Presenciamos um processo acelerado, não apenas de descristianização da sociedade, mas de imposição de falsos valores pagãos. Com a consequente perseguição, ainda incipiente mas que vai se avolumando, de quem quiser permanecer fiel aos ensinamentos autenticamente católicos. Médicos e enfermeiras obrigados a colaborar na prática do aborto e de operações contra a natureza; juízes e cartórios coagidos pela lei a ratificar divórcios e pseudo-casamentos; professores constrangidos a impingir a seus alunos doutrinas e práticas que pervertem suas mentes infantis; e por aí afora.

Diante de tantas pressões e ameaças, muitos cristãos temem, tremem, e acabam por apostatar. Falta-lhes a coragem dos mártires e a intrepidez dos confessores da fé. Sobretudo falta-lhes pedir a Deus, por meio de Nossa Senhora, a graça da perseverança, pois, se o fizessem, esta não lhes seria negada. Talvez seja esta apostasia a face mais sombria e dilacerante da presente paganização. Tanto mais que não se trata apenas de indivíduos esparsos, mas de toda uma civilização que opta pelo abandono da Lei de Cristo.

PorcasO Apóstolo São Pedro, ciente das obrigações inerentes a seu elevado múnus de Papa, o primeiro da História, já naquela época advertia os fiéis sobre os terríveis males da apostasia. Suas palavras candentes, ele as quis deixar registradas em uma de suas epístolas:

“Se aqueles que renunciaram às corrupções do mundo pelo conhecimento de Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador, nelas se deixam de novo enredar e vencer, seu último estado torna-se pior do que o primeiro.

“Melhor fora não terem conhecido o caminho da justiça do que, depois de tê-lo conhecido, tornarem atrás, abandonando a lei santa que lhes foi ensinada.

“Aconteceu-lhes o que diz com razão o provérbio: ‘O cão voltou ao seu vômito; e: A porca lavada volta a revolver-se no lamaçal’” (II Pedro, 2, 20-22).