ONU: conceder “direitos humanos” à “Mãe Terra”

A Bolívia propôs à ONU atribuir “direitos humanos” à “Mãe Terra”. A Terra teria absurdamente “direito” à vida, à água, ao ar limpo, à ausência de poluição e seria reconhecida como ente vivo. Os homens não poderiam “dominá-la nem explorá-la”, para não ofender “as múltiplas fés e culturas indígenas para as quais a Mãe Terra é sagrada”. Seria criado um Ministério da Mãe Terra para ouvir ativistas e líderes religiosos portadores das queixas da natureza. Em 2008, a Bolívia distribuiu na ONU panfletos com os “10 Mandamentos” para “salvar o planeta”, cujo ponto de partida é “acabar com o capitalismo”. Aquilo que Marx sonhou e Lenine, Stalin, Mao, Fidel não conseguiram alcançar, o ecologismo tenta realizar com vestes pseudo-religiosas “verdes”.

Fonte: Revista Catolicismo, Junho de 2011