O Sínodo da Amazônia, — em seu idílico sonho sobre a vida nas selvas, a harmonia que os índios teriam entre si e com a natureza – carece de fundamentação histórica.

Um recente trabalho de arqueólogos no Peru, nos fins de setembro, numa atividade de pesquisas tem particular relevância em vista da presença recente e tão difundida de imagens da Pachamama.

Pachamama significa “Mãe do Mundo”, uma divindade pagã

Segundo o site eponumousflower “Pachamama, que literalmente significa “Mãe do Mundo”, em vez de “Mãe Terra”, era uma divindade da América do Sul que governava um dos vários mundos (Pacha significa mundo, Pachakuna são os mundos), o que também significa cosmos e época”.

Os incas, a alta cultura da América do Sul encontrada pelos espanhóis enquanto exploravam o continente recém-descoberto, adoravam a Pachamama como uma deusa do dragão.

Sacrificavam animais e crianças aos deuses

     Eles sacrificaram animais para seus deuses e outras divindades, bem como humanos em ocasiões especiais. Os sacrifícios humanos que puderam ser provados até agora eram todos de crianças.

Os arqueólogos agora sabem muito: essas crianças, que foram sacrificadas aos deuses pagãos pelos incas e que foram encontradas por arqueólogos no topo de vulcões, podiam vir de diferentes partes do império. Os arqueólogos, especialmente os poloneses, conhecem pelo menos uma dúzia de lugares no Peru, onde os incas sacrificaram cerca de 500 anos atrás a seus deuses no topo de montanhas ou vulcões. Esses sacrifícios humanos faziam parte do ritual Capacocha.

Dagmara Socha, bioarqueóloga do Centro de Estudos Andinos (CEAC) da Universidade de Varsóvia, em Cuzco, estudou em conjunto com Rudi Chavez Perea, diretor do Museu Santuario Andinos da Universidade Católica de Santa Maria (Universidade Católica de Santa Maria) em Arequipa (Peru), realizou o projeto sobre os restos mortais dessas crianças por vários anos.

Sacrifícios de crianças em dois vulcões. As crianças seriam mediadoras junto aos deuses

Este ano, os pesquisadores se concentraram nos sacrifícios de crianças colocados em dois vulcões, o Ampato com 6.288 metros de altura e o Picchu Picchu com 5.665 metros de altura. Várias décadas atrás, o antropólogo americano Johan Reinhard encontrou as múmias dessas crianças sentadas em plataformas de pedra. Atualmente, essas múmias de gelo são mantidas refrigeradas no Museo Sancturios Andinos. (foto mostra o sacrificio de crianças na etnia Chimu, Peru)

Segundo o Dra. Socha os incas acreditavam que, no momento do sacrifício, as crianças se tornariam mediadoras entre os deuses e a humanidade. Os incas, disse o cientista, consideram as crianças puras e imaculadas. Portanto, os sacrifícios humanos tinham que ser impecáveis ​​e virgens. Consequentemente, eles foram cuidadosamente selecionados.

* * *

 A deturpação da noção do sacrifício inerente ao Culto ao Deus Verdadeiro

Aqui está a prova do abandono (noção do sacrifício), operado pelos Incas (e de algumas etnias no Brasil) da Lei Natural. E quão longe estavam dos preceitos do Decálogo.

A noção de sacrifício é inerente ao Culto ao Deus Verdadeiro. Mas, nunca de sacrifício humano. Abel oferecia suas primícias a Deus; Melquisedec ofereceu pão e vinho. Os Patriarcas ofereciam o sacrifício de animais. E Nosso Senhor Jesus Cristo ofereceu-se a Si mesmo no Alto da Cruz e operou a Redenção de nossos pecados. E a Santa Missa é a renovação incruenta do Sacrifício do Calvário.

Como pode o Sínodo da Amazônia tecer loas à “sabedoria ancestral” dos povos indígenas.

                   192 locais de cerimônias de sacrifícios de crianças

Ao todo, 192 locais cerimoniais de sacrifício foram localizados em 192 montanhas no antigo Império Inca.

Até agora, 27 sacrifícios humanos sobreviventes do ritual Capacocha foram descobertos em 14 montanhas. Todos foram encontrados a mais de 5400 metros acima do nível do mar, o que explica sua conservação.

O ritual Capacocha fazia parte do culto estatal de motivação religiosa no Império Inca. O menino de El Plomo foi sacrificado depois de 1483, quando o Chile central foi incorporado ao Império Inca, e antes de 1533, quando os espanhóis chegaram à área e puseram fim aos sacrifícios humanos.            

O exemplo mais conhecido de um sacrifício humano sobrevivente dos incas é o garoto de El Plomo, encontrado em 1954 próximo ao cume do Cerro El Plomo, com 5424 metros de altura, no Chile. No momento de seu sacrifício, ele tinha oito anos. Sua pele estava macia no momento da descoberta, como se ele tivesse acabado de falecer. O sacrifício foi quase 500 anos atrás. O garoto então foi mumificado por ser transportado para altitudes mais baixas e se torna quase duro como uma rocha.

Segundo os cientistas, as crianças ficaram atordoadas com folhas de coca e bebidas fermentadas antes de serem “enterradas” vivas.

Uma História, em mil páginas, de uma testemunha de 1550      

Don Felipe Waman Puma de Ayala, índio, nascido por volta de 1550 no vice-reinado espanhol do Peru, hoje no sul do Peru, escreveu uma história de mais de mil páginas de povos andinos, incluindo 398 desenhos (ver ilustração). Sua língua materna era o quíchua, a língua do Império Inca. Quando menino, ele aprendeu espanhol. Um de seus desenhos também mostra como uma criança sacrificada em uma montanha é adorada. Sua crônica termina com sua morte em 1615. A descrição descreve que no tempo pré-cristão (pré-colombiano), o sacrifício humano era comum. O desenho mencionado expressa isso, mas também que, no início do século XVII, as crianças sacrificadas ainda eram adoradas por alguns dos índios. Em detalhes, Don Felipe Waman retrata os costumes sacrificiais de Puma de Ayala para as várias divindades, incluindo Pachakamaq. Todos foram sacrificados, além de outras ofertas e crianças em maior ou menor número.

* * *

Que sentido faz a cerimônia pagã, nos jardins do Vaticano, culto à Pachamama?

Foi precisamente o contato com os missionários católicos que levou essas etnias a eliminarem o culto pagão, o sacrifício idolátrico de crianças. Mas isso o CIMI e o Sínodo da Amazônia não querem.

Fonte: https://eponymousflower.blogspot.com/2019/11/the-incas-sacrificed-beautiful-children.html

Deixe uma resposta