Parlamento da Polônia

O Parlamento da Polônia rejeitou em primeira leitura três projetos de lei que concederiam direitos legais a casais que não estão casados formalmente, inclusive aos homossexuais, informou a agência Reuters.

A polêmica teve um caráter muito amplo, pois confrontou os políticos liberais que querem quebrar o conservadorismo dominante nesse país de maioria católica.

Antes da votação, o primeiro-ministro Donald Tusk pediu aos legisladores “para tornarem mais digna a vida dos homossexuais”.

Foram recusados projetos de medidas para conceder a casais homossexuais direitos à herança, inclusão no sistema de saúde do “cônjuge” e pensão alimentícia.

A Câmara Baixa votou contra os três projetos, inclusive o mais artificiosamente moderado que visava introduzir reformas em matéria de herança com termos enganadores para a maioria católica.

Até mesmo 46 integrantes do partido do primeiro ministro liberal Tusk, incluindo o ministro da Justiça, Jaroslaw Gowin, votaram com a oposição conservadora.

O deputado Robert Biedron – homossexual assumido e defensor dos direitos LGBT – prometeu continuar lutando pela ampliação dos direitos legais de parceiros não casados, homossexuais ou não.

Para isto pode contar com o apoio da União Europeia, ONGs e eclesiásticos “progressistas”.

A legalização do aborto e de drogas leves também entrou no debate opondo conservadores católicos e liberais e comunistas laicistas.

Os partidários da Revolução Cultural também visam pôr em dúvida a influência do catolicismo e da Igreja na vida pública polonesa, cientes de que esse é o grande inimigo que se trata de remover do país.

1 COMENTÁRIO

  1. A providencia divina esta fortalecendo os católicos poloneses agraciando-os com a noticia da futura canonização de João Paulo II, bem como com a Jornada Mundial da Juventude de 2016. Deus abençoe a Polônia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome