Vivamente impactados pelo brutal e sacrílego assassinato do Pe. Jacques Hamel, oferecemos a nossos leitores uma tradução livre do inteligente e vibrante comentário de Antony Burckhardt publicado em seu blog Civilisation Chrétienne. 

O martírio do Pe. Hamel: o tormento dos cristãos orientais agora é o nosso

Padre Jacques Hamel 960
Padre Jacques Hamel R.I.P., degolado na Missa por imigrantes islâmicos

A ameaça se realizou. Um padre foi degolado por muçulmanos enquanto celebrava a missa. Isso não aconteceu no Iraque, na Nigéria ou no Paquistão, mas numa pequena cidade da Normandia, sob o céu macio da nossa França como diz a canção.

Alguns estão atônitos face ao horror e se perguntam: por que nós? Por que um padre? Por que um homem de 86 anos?

E eles não saem do atordoamento: o padre Hamel mantinha relações amigáveis com a comunidade muçulmana. A mesquita de Saint-Etienne du Rouvray foi construída num terreno oferecido pela paróquia da cidade, informou “Le Point”. 

O medo é legítimo e atinge a todos nós, mas a surpresa é no fundo uma grave falta nossa.

Durante anos, nós, os cristãos ocidentais, vínhamos sendo avisados pelos nossos irmãos orientais que conhecem o furor islâmico há séculos.

Em 10 de agosto de 2014, o arcebispo de Mosul, Iraque, Mons. Amel Nona advertiu os europeus numa entrevista ao “Corriere della Sera”:

A policeman reacts as he secures a position in front of the city hall after two assailants had taken five people hostage in the church at Saint-Etienne-du -Rouvray near Rouen in Normandy, France, July 26, 2016. REUTERS/Pascal Rossignol
Policial diante da prefeitura de Saint-Etienne du Rouvray após o crime anunciado. D. Amel Nona: “vós vos tornareis vítimas do inimigo que recebestes em vossa casa”

Mas, a Europa e o mundo cristão adormecido ficaram surdos às previsões do arcebispo Nona. Agora elas se tornaram realidade.

A agradável esplanada do restaurante, o belo passeio à beira-mar e agora uma pequena igreja provincial: já não há na França refúgio para se proteger do ódio dos islâmicos.

O arcebispo de Rouen apelou para a fraternidade e as mais altas autoridades do Estado invocaram a unidade nacional. Mas esses apelos humanistas não vão ajudar.

Os nossos algozes, escreve Burckhardt, querem nos apresentar sua própria interpretação da palavra “Islã”. E, em verdade, é uma versão única de arma na mão pingando nosso sangue. É claro que eles acham que em parte já ganharam.

O nosso hino nacional já não é cantado com vibração. A hierarquia eclesiástica descreve também como “vítimas” àqueles que vêm de assassinar brutalmente um de seus ministros, como diz o comunicado do arcebispo no site da diocese “Rouen Catholique”.

As sociedades doentes batem em aqueles que identificam a doença e receitam o remédio. Cantam as doçuras do “viver juntos”, mas falam com virulência sem precedentes contra os fabricantes de “ódio” e os semeadores de “divisão”, leia-se contra você e eu, que não aguentam mais tanta felonia.

Fim do Ramadan intercultural na igreja de Saint-Jean-Baptiste em Molenbee, presidida pelo pároco e os imames
Fim do Ramadan intercultural na igreja de Saint-Jean-Baptiste em Molenbeek, presidida pelo pároco e os imames do bairro dos terroristas

Abre-se as igrejas para a comemoração do Ramadã, como fez a igreja de São João Batista, no bairro de Molenbeeck, Bruxelas, bairro de onde tinham saído os assassinos que poucos meses antes ceifaram dezenas de vidas no aeroporto e no metrô da capital belga. O ágape ecumênico foi noticiado pelo site da Igreja Católica na Bélgica.

Não há lugar para famílias cristãs mas sim para famílias muçulmanas no avião papal. Veja-se a notícia do “Le Journal du Dimanche”.

Saudamos como libertadores dos nossos “vícios” consumistas e capitalistas aqueles que vêm para tomar posse da terra de nossos antepassados. Ver por exemplo.

Finalmente, se nos inocula tranquilizantes confeccionados com argumentos ridículos: todos os muçulmanos não são terroristas, alguns deles estão entre as vítimas…

Sim, nem todos os muçulmanos são terroristas, mas todos aqueles que atualmente proclamam agressivamente o Islã, o são sem sombra de exceção.

Terão os jihadistas necessidade de uma insurreição geral da população muçulmana na Europa para atingir seus objetivos numa guerra civil?

16/10/09 TODAY Picture by Tal Cohen - Muslims protest outside Geert Wilders press conference in central London 16 October 2009, Wilders who faces prosecution in the Netherlands for anti-Islam remarks pays visit to the capital. The Freedom Party leader said 'Lord Malcolm Pearson has invited me to come to the House of Lords to discuss our future plans to show Fitna the movie.' Wilders won an appeal on October 13 against a ban, enforced in February, from entering Britain. Ministers felt his presence would threaten public safety and lead to interfaith violence. (Photo by Tal Cohen) All Rights Reserved – Tal Cohen - T: +44 (0) 7852 485 415 www.talcohen.net Email: tal.c.photo@gmail.com Local copyright law applies to all print & online usage. Fees charged will comply with standard space rates and usage for that country, region or state.
Fim do Ramadan intercultural na igreja de Saint-Jean-Baptiste em Molenbeek, presidida pelo pároco e os imames do bairro dos terroristas

Não. Eles só precisam do silêncio benevolente mas cúmplice– inclusive discreto – de sua comunidade e da passividade da nossa.

Alguns europeus exasperados pela incapacidade dos nossos governos poderão se envolver por sua vez em abusos visando muçulmanos.

Então surgirá entre eles a “necessidade” de uma unidade entre “moderados” e radicais de todas as arestas.

Aqueles que atualmente são 15% da nossa população serão tratados como se fossem a metade.

Para o retorno da “paz civil”, os muçulmanos serão sistematicamente aceitos em “diálogos de paz” que irão moldar o futuro dos nossos filhos.

O contador populacional vai continuar fazendo seu trabalho, o afluxo de “refugiados” prosseguirá, e então nós nos abaixaremos para agradecer a tolerância que os “mais moderados” vão mostrar para nós.

O rei muçulmano Boabdil entrega as chaves de Granada à rainha Isabel a Católica, Francisco Pradilla y Ortiz (1848–1921)
O rei muçulmano Boabdil entrega as chaves de Granada à rainha e ao rei Fernando de Aragão, seu esposo. Francisco Pradilla y Ortiz (1848–1921).

Se quisermos evitar esse cenário dantesco, é em Isabel a Católica expulsando os mouros de Granada que devemos procurar inspiração tão rapidamente quanto possível.

Caso contrário, a Europa em breve conhecerá o destino das cristandades outrora florescentes no Norte de África: em algumas décadas ela irá integrar o sinistro mundo regido pela Sharia: o Dar al-Islam.

2 COMENTÁRIOS

  1. Vou comentar o quê, as palavras acima falam mais que qualquer coisa. Mais mesmo assim comento: Vamos acordar povo Cristão, sou católico, e aqui não estou falando só para os cristãos católicos, falo de maneira geral para toda pessoa que acredita que Cristo é DEUS, não preciso provar isso, tem na palavra, é verdade de fé. Acordar no seguinte sentido: todos os países, incluindo o Brasil, deveriam mandar, pena que eu já tenho meus 58 anos, enviar pessoas, jovens para combaterem esses fanáticos, juntamente com todos os países a nível mundial. Já é uma guerra mundial velada, estamos esperando o quê? Que voltem as cruzadas, vamos defender Cristo. Não que queiramos matar nossos irmãos islâmicos, maometanos, etc…, pois eles também são filhos de DEUS, só que se desviaram e estão servindo ao demônio, não vamos deixar o demônio vencer Cristo, jamais, mesmo que paguemos com nosso próprio sangue, para que nossos filhos, netos, etc…, tenham um país, um mundo melhor daqui a algum tempo. E por favor governantes Brasileiros, parem de abrir as portas para essa gente, senão verão o resultado a pouco tempo. Papa, bispos, padres, etc…, JESUS é amor e não morte, porém existem pessoas que já aceitam JESUS, porque então querer acolher algo dentro de tua casa que vai te atacar depois. ACORDEM PAPA, BISPOS, PADRES, DIÁCONOS, MINISTROS DA PALAVRA, ETC….

  2. Nada mais justo, quem mandou acolher os muçulmanos, ajudou a construir uma mesquita agora pagou o preço da tolerancia. PAPA tolerancia com o mal e o demonio é morte certa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome