size_810_16_9_farc-colombia

Os jornais publicaram, com alarde, mais um “avanço” na negociação de paz entre o governo colombiano e a guerrilha marxista, as FARC, que há décadas assola com violência e pânico o nosso país irmão.

Dessas negociações, o mínimo que se pode dizer é que são injustas, pois do modo como estão se desenvolvendo, põem em pé de igualdade o agressor e a vítima, isto é, os guerrilheiros terroristas e o povo colombiano.  A última parte do acordo inclui um Tribunal de Paz, que julgara os “crimes” de ambas as partes. Uma comissão da verdade com efeito penal… a que abusos não estará sujeita?

O bandido invasor entra em casa, rende a família, e atira no filho do dono, que com uma faca de cozinha tentava defender sua irmã da acometida do assaltante. Chega a polícia, e após tentar acalmar os ânimos das partes,  põe o ladrão e o pai à mesa. Os termos da discussão: é preciso que o filho e o bandido reconheçam seu erro, e se indenizem mutuamente. Pode-se chamar isso de paz? Não cabe ao dono da casa a propriedade inteira? E a legítima defesa do filho, como fica?

* * *

Mas enfim, deixemos isso de lado por hoje. O que realmente queria pôr em foco é que um dos garantes de paz é… Cuba! O quadro do ladrão e do pai de família se agrava: o garante das negociações é o mesmo que arrombou a porta para a entrada do bandido…Sim, é universalmente sabido que Cuba sempre promoveu e secundou os esforços das FARC na Colômbia. E agora não só participa das negociações de “paz”, mas senta-se à mesa como garante!

Mas por que comentar isso agora, sendo a participação de Cuba nas tratativas um fato já sabido há meses? É que acabo de ler que, após a retomada das relações entre EUA e Cuba, o regime apertou o cerco contra os dissidentes do regime comunista. “Cuba ainda é um estado de partido único e a normalização com Washington deixou as autoridades comunistas mais inquietas com a dissidência e determinadas a reprimi-la” (OESP 17/12/15)

Segundo o mesmo jornal, “dezenas, e às vezes centenas de ativistas são detidos ou presos a cada domingo”. Ainda segundo o diário, foram computadas só em novembro último 1.447 prisões políticas ou detenções arbitrárias. Faço notar que nenhum ativista levou dinamite, bomba, nem o famoso “colar da morte” utilizado pelas FARC.

Esse é o governo, ao lado do norueguês, “garante” das negociações de paz na Colômbia. Para ser coerente, o governo Cubano deveria no mínimo abrir negociações de paz com os dissidentes… cuja dissidência não poderia ser mais justa, após décadas de repressão comunista!

É com razão que largos setores da opinião pública colombiana estão francamente descontentes e desconfiados, conforme me informou há pouco um membro do Centro Cultural Cruzada, entidade co-irmã do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, que atua naquele país. Pois quem tem Cuba como amiga… precisa de inimigos?