Reforma Agrária = escassez de alimentos

Com a agropecuária falida, a Venezuela bate em nossa porta

Hugo Chávez, durante gravação, em supermercado, de seu programa semanal, o Alô, Presidente

A escassez de itens da cesta básica já castiga a Venezuela. Pressuroso, Chávez – só nos 4 primeiros meses deste ano – comprou do Brasil 70% a mais de gado em pé em relação ao mesmo período de 2009. No caso do açúcar, a alta foi de 250%.

Outro produto que rareia nos supermercados é a farinha de milho, base da alimentação dos venezuelanos. O grão, que não aparecia na lista dos produtos mais vendidos pelo Brasil em 2009, agora é o 5º do ranking.

Hugo Chávez põe a culpa nos especuladores.

Para analistas, o problema é resultado de outros fatores como a dificuldade para ter acesso a divisas para importação; produtores não aceitam os preços tabelados pelo governo. A alta da inflação no item alimentos foi de 11,2% apenas no mês de abril…

Há ainda problemas na produção e na distribuição de itens por empresas estatais. No caso do açúcar, as duas principais usinas do país foram ocupadas por agentes governistas recentemente.

O preço da carne, por exemplo, está congelado há dois anos. No começo do mês, a polícia chegou a prender açougueiros que vendiam o produto além do valor estabelecido.

A preferência pelo produto brasileiro responde a fator político, dada a amizade entre Lula e Chávez.

Bom, que ainda temos… Mas esse filme de escassez é antigo! Por enquanto, a Venezuela vai se abastecendo aqui. A continuar a política governamental do PNDH, da Reforma Agrária, dos quilombos, das nações indígenas, não tardará o dia em que Venezuela e Brasil – juntos – irão bater em outras portas…

Fonte: Folha de S. Paulo/Flávia Marreiro