Religiosas aderem aos protestos contra lockdown em Londres

0

Pessoas de todas as idades e origens podem ser vistas lotando o Hyde Park e as ruas do centro de Londres no sábado, enquanto as pessoas invadem a capital da Inglaterra para protestar contra as medidas da COVID-19. O número de manifestantes foi estimado em centenas de milhares, senão milhões, informa LifeSiteNews.

“Estas são as pessoas que realmente nos pediram para orar”, disse ela. “Temos que falar sobre isso, há algo não normal nisso.”

Protestos contra o lockdown socialista

O protesto de sábado, apelidado de “Marcha da Liberdade”, é uma das várias manifestações em grande escala ocorridas em Londres contra as medidas do COVID-19 desde a primavera passada. Outro protesto em Londres há apenas dois meses atraiu multidões semelhantes. Grupos pró-liberdade já disseram que estão planejando protestos adicionais para o final desta semana.

Os manifestantes cobriram os carros da polícia com adesivos anti-máscara e anti-bloqueio, enquanto outros jogaram centenas de bolas de tênis no Parlamento e na residência do primeiro-ministro em Downing Street. Algumas bolas de tênis traziam nomes de pessoas que morreram após tomar as vacinas COVID-19.

Religiosas se unem aos protestos: orações

LONDRES, 29 de junho de 2021 (LifeSiteNews) – Um grupo de freiras inglesas se juntou a protestos massivos que envolveram Londres no sábado, falando sobre mortes e outras complicações de saúde depois que as pessoas receberam “as chamadas vacinas COVID-19”.

“Estamos orando por 64 pessoas que morreram”, disse Madre Marilla, a Geral das Freiras Tyburn que moram em frente ao Hyde Park de Londres, em um vídeo postado por um usuário do Twitter. “E eu estou orando por um garoto de 17 anos. Meu amigo me pediu para orar por ele. Ele tem que fazer uma cirurgia no cérebro, porque ele tem um coágulo de sangue. E isso depois que ele tomou a vacina. Isso não é normal. ”

“Tudo o que estamos dizendo não é conspiração”

“Tudo o que estamos dizendo não é conspiração. Estas são pessoas que falaram conosco face a face. Eles nos escreveram, nos telefonaram, falamos com eles “, disse ela.

“Estas são as pessoas que realmente nos pediram para orar”, disse ela. “Temos que falar sobre isso, há algo não normal nisso.”

As mortes relacionadas à vacina foram um tema comum no protesto, já que os manifestantes carregavam cartazes com slogans como “ASTRA ZENECA MATOU MEU MARIDO”.

“Um tweet mostra uma bola com o nome de Jacob Clynick, um garoto de 13 anos de Michigan que morreu com complicações cardíacas no início deste mês, dias após sua segunda dose da vacina contra o coronavírus da Pfizer-BioNTech. O CDC disse que a inflamação do coração “provavelmente” está ligada às vacinas Pfizer e Moderna COVID-19.”

Outro erro: reprimir protestos não violentos “perturbadores”

Os manifestantes também se opuseram a um projeto de lei apresentado no Parlamento em março que daria às autoridades britânicas poder adicional para reprimir protestos não violentos “perturbadores”.

Após vários meses de bloqueio, as autoridades de saúde do Reino Unido postularam 19 de julho como uma data provisória para uma maior reabertura da sociedade britânica, embora tenham enfatizado que essa data pode ser adiada para o futuro, com base na disseminação do Delta COVID-19 variante.

***

Não se trata de Venezuela ou Cuba. Menos ainda da ditadura comunista de Xi Xinping. É o Reino Unido que se posiciona de uma maneira semelhante aos ditadores de esquerda, nós os conhecemos, temos alguns no Brasil.

Fonte:

Deixe uma resposta