Restrições de missas na basílica de São Pedro. Apelo do Cardeal Sarah

0

29 de março de 2021 (L’Espresso) – Há uma semana, a basílica de São Pedro é um deserto silencioso. Já não é animada, todas as manhãs, pelas numerosas missas celebradas nos seus numerosos altares. E tudo isso por conta de uma portaria expedida no dia 12 de março pela primeira seção da Secretaria de Estado – aquela que por meio do substitutivo tem linha direta com o papa – que proibiu todas as missas “individuais” e permitiu apenas missas coletivas, não mais do que quatro por dia e em horários e locais determinados.

O pedido é em papel timbrado, mas não possui assinatura e número de protocolo. Nem se dirige àquele que deveria ser seu destinatário natural, o cardeal arcipreste da basílica papal construída no local do martírio e sepultamento do apóstolo Pedro. É uma garatuja legal.

A Carta, confiada a Settimo Cielo para publicação, é do Cardeal Robert Sarah, até 20 de fevereiro passado prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, portanto o mais qualificado para se pronunciar sobre o assunto.

“Rogo humildemente ao Santo Padre que ordene a retirada das recentes normas emanadas da secretaria de Estado, que faltam tanto na justiça como no amor, não correspondem à verdade nem à lei, não facilitam mas antes põem em perigo o decoro da celebração, da devota participação na missa e da liberdade dos filhos de Deus ”.

***

“Desejo somar espontaneamente minha voz à dos cardeais Raymond L. Burke, Gerhard L. Müller e Walter Brandmüller, que já expressaram suas reflexões a respeito da disposição emitida em 12 de março passado pela Secretaria de Estado do Vaticano, que proíbe a celebração individual de a Eucaristia nos altares laterais da Basílica de São Pedro.

“Os referidos coirmãos cardeais já assinalaram vários problemas relacionados com o texto da Secretaria de Estado.

“O cardeal Burke destacou, como excelente canonista que é, os consideráveis ​​problemas jurídicos, além de fornecer outras considerações úteis.

“O Cardeal Müller também constatou uma certa incompetência, isto é, de autoridade, por parte da secretaria de Estado para emitir a decisão em questão. Sua Eminência, que é um teólogo renomado, também fez algumas referências breves, mas substanciais, a questões teológicas significativas.

“O cardeal Brandmüller se concentrou na questão da legitimidade de tal uso da autoridade e também formulou a hipótese – com base em sua sensibilidade como um grande historiador da Igreja – que a decisão sobre as missas na basílica poderia representar um “balão de ensaio” em vista de decisões futuras que podem afetar a Igreja universal.

“Se isso for verdade, torna-se ainda mais necessário que nós, bispos, padres e o povo santo de Deus, todos façamos ouvir nossas vozes com respeito.”

Restrição ao Vetus Ordo: Por quê?

  1. “Também singular é a decisão sobre a forma extraordinária do rito romano. A partir de agora, ela – no máximo em quatro celebrações diárias – é permitida exclusivamente na Capela Clementina das Grutas do Vaticano e totalmente proibida em qualquer outro altar da basílica e das Grutas.

“Está mesmo especificado que tais celebrações serão realizadas apenas por padres “autorizados”. Esta indicação, além de não respeitar as normas contidas no Motu Proprio “Summorum Pontificum” de Bento XVI, é também ambígua: quem deve autorizar esses padres? Por que nunca mais seria possível celebrar a forma extraordinária na basílica? Que perigo isso representa para a dignidade da liturgia?” https://www.lifesitenews.com/news/cdl-sarah-says-vatican-ban-on-private-masses-violates-laws-of-the-church-urges-pope-to-lift-ban

***

A pandemia urge que se multiplique o Santo Sacrifício da Missa. Por que restringir a celebração da missa tridentina à Capela Clementina das Grutas do Vaticano? Incógnitas da pandemia com lockdowns civis e eclesiásticos. Pelo segundo ano consecutivo tantas igrejas estão impedidas de celebrar as Cerimônias da Semana Santa e os fieis privados dos Sacramentos.

Mater Dolorosa, rogai por nós.

Deixe uma resposta