Um morto, 170 feridos: a repressão em Cuba

0

Um morto e mais de 170 detidos e desaparecidos foram registrados em Cuba durante os protestos em massa. Entre eles, jornalistas, ativistas e estudantes. Cidadãos que saíram às ruas desde o último final de semana para se manifestar contra a ditadura.

A lista de presos e desaparecidos aumenta enquanto a ditadura se recusa a reconhecer as manifestações. A polícia e simpatizantes comunistas saíram às ruas armados.

A repressão cancela até internet

“Anti-social, terroristas e criminosos” são algumas qualificações que a ditadura usa quando se refere aos dissidentes. Para enfrentá-los, ela levou a milícia às ruas. (Twitter)

Por sua vez, o regime tomou a decisão de interromper o serviço de internet e ordenou que seus partidários saíssem às ruas para subjugar os que se opõem à “revolução”. Enquanto isso, organizações e agências internacionais como a Human Rights Watch (HRW) e as Organizações Unidas estão exigindo o cumprimento dos direitos humanos e protestos.

Além disso, a primeira morte foi registrada. Diubis Laurencio Tejeda, 36, participou de protestos no bairro Güinera, nos arredores de Havana. A ditadura, por meio da Agência Cubana de Notícias (ACN), simplesmente “lamentou a morte”, afirmou que a vítima participou dos “motins” e que tinha “ficha de desacato, furto e conduta desordeira”. Não houve menção à repressão exacerbada dirigida desde o Palácio da Revolução.

José Miguel Vivanco, diretor para as Américas da HRW, divulgou a lista de detidos elaborada pela organização não governamental Cubalex. Lá são lidos os nomes, sobrenomes, datas de detenção e as últimas notícias. O registro está em alta.

Sequestros e ameaças

“Eu considero o governo responsável por tudo que possa acontecer comigo”, disse a influenciadora cubana conhecida como Dina Star quando as forças do regime a levaram. Eu estava sendo entrevistada por um canal espanhol na época. Outro manifestante registrou o momento de sua prisão. “Ele está vindo para derrubar a porta”, disse ele segundos antes de os funcionários entrarem em sua casa.

O representante para a Liberdade de Associação e Assembleia Pacífica da ONU, Clement Voule, instou pela libertação destes e de outros cidadãos detidos em Cuba. O relator da organização exigiu a garantia do direito à reunião pacífica.

Relatos sobre o uso da força, ataques a manifestantes e jornalistas, bem como cortes no sinal da Internet chegaram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). A organização lembrou que os protestos se devem à “escassez de alimentos e remédios” e “à falta de garantias de liberdade de expressão e participação plural em assuntos de interesse público”.

A Anistia Internacional aumenta a lista de órgãos que acompanham de perto as manifestações e os detidos em Cuba. Na primeira noite, ele relatou ferimentos, ameaças e prisões arbitrárias.

O comunismo tem medo da internet

«O regime cubano tem o país sem internet. Para que os jornalistas não informem, para que os cidadãos não se conectem e continuem a sair às ruas e para que o que acontece aqui não continue se espalhando como um incêndio no mundo ”, explicou o jornalista cubano Abraham Jiménez Enoa .

A Internet na ilha é controlada pela Cuban Telecommunications Company SA (ETECSA). Por meio desse monopólio, o regime decide quem concorda e quem não concorda. O grupo de monitoramento da Internet, NetBlocks, relatou que a partir de 12 de julho houve uma interrupção parcial das redes sociais e plataformas de mensagens.

«As plataformas de comunicação WhatsApp, Facebook, Instagram e alguns servidores Telegram são interrompidos na ETECSA propriedade do governo, incluindo a Cubacel, a rede celular operada pela única empresa de telecomunicações de Cuba. As descobertas corroboram os relatórios de usuários sobre interrupções no serviço ».

Os protestos estavam sendo transmitidos pelo Facebook quando a Internet foi interrompida em todo o país, observou a Associação Interamericana de Imprensa (SIP). O serviço sem dúvida foi um impulso para os cubanos, que usam o slogan “estamos conectados”. A frase tem um duplo sentido, segundo Sebastián Arcos, diretor associado do Instituto Cubano de Pesquisas da Florida International University, porque não se refere apenas à troca de mensagens por telefones celulares, mas a estar “conectado como uma massa humana”, disse ao El New Herald.

A SIP também denunciou o uso da força “com a clara intenção de cercear as liberdades de associação, de imprensa e de expressão”. A agência mencionou ataques ao fotojornalista da Associated Press (AP), Ramón Espinosa; ao jornalista do portal digital DNA Cuba, Héctor Luis Valdés e à correspondente do ABC, Camila Acosta.

Ditadura castrista usa paus e armas na repressão

“Anti-sociais, terroristas e criminosos” são alguns dos qualificadores que a ditadura, oficialmente liderada por Miguel Díaz-Canel, usa para se referir aos dissidentes. Ao controlar a mídia, você também busca controlar a narrativa da situação.

Em linguagem direta só divulga o que favorece o comunismo cubano.

Seu chamado para o “combate” não era menor. Ele convocou “todos os revolucionários do país, todos os comunistas” a enfrentar “essas provocações” com “firmeza”. Com este apelo, os seus apoiantes foram às ruas com os tacos nas mãos. Tudo isso em conjunto com as forças de segurança.

Uma reportagem do Infobae detalha que muitas das principais artérias de Havana acordaram na segunda-feira sob a guarda da polícia. Além disso, brigadas especiais foram instaladas a partir da noite de domingo.

***

Uma pergunta: como está — na grande midia brasileira — a repercussão e condenação da violenta repressão ao povo de Cuba? Continuará ela aliada dos Castros? E a repressão a jornalistas? Corte de internet?

Fonte: Un muerto, más de 170 detenidos y brutal represión a palos en Cuba (panampost.com)

Deixe uma resposta