Continuação do post: Retrospectiva 2015: Conflito análogo a uma “guerra civil” na Igreja? – Parte II

Bolivarianismo:

“estrela cadente” no firmamento

latino-americano

Luis Dufaur

Venezuela

Retrospecto 102015 foi um “annus horribilis” do socialismo bolivariano, cujo naufrágio na Venezuela tornou-se patente já nos primeiros meses. À insatisfação causada pela carência de produtos básicos — alimentares, hospitalares, de higiene pessoal, e muitos outros — o governo reagia prendendo executivos das respectivas redes distribuidoras ou os próprios fabricantes. A mídia estava quase toda nacionalizada e o governo se irritava com a atuação de jornalistas estrangeiros. Altas patentes das Forças Armadas foram presas por “conspiração”, enquanto o presidente do Legislativo, Diosdado Cabello, foi apontado como chefe de uma rede de generais que controla a exportação de droga. Maduro racionou a energia elétrica e sugou as moedas estrangeiras, a ponto de companhias internacionais fecharem seus negócios e empresas aéreas cancelarem seus voos. As Forças Armadas reprimiram protestos, invadiram fábricas para impedir que se tirassem fotos das filas em busca de alimentos. A inflação oscilou entre 200% e 500%, as cédulas perderam valor (a maior vale R$ 0,42), fazendo com que os próprios bandidos se desinteressem de roubá-las. O governo não tinha sequer papel para imprimir. Nos mercados oficiais, só se compram farinha, leite, xampu, papel higiênico e outros produtos essenciais, num sistema de rodízio semanal definido pelo último número do RG! A carência de itens chegou a 75% em agosto e gerou saques e violências com mortos. Nos hospitais, os parentes dos doentes procuram fora insumos médicos. Mais de mil médicos cubanos enviados ao exterior para sustentar o regime procuraram asilo nos EUA, a fim de fugir da miséria e da violência.

Maduro forjou atritos fronteiriços visando uma onda de popularidade nacionalista. Muitos colombianos tiveram de abandonar o país em condições dramáticas, cruzando córregos a pé, com os pertences nas costas. Eles foram arrancados de suas casas como nos tempos stalinistas[76]. O pretexto foi a acusação de atuação de que atuavam em máfias de contrabandistas, muitas vezes, aliás, ligadas ao governo chavista.

Os distritos eleitorais foram reconfigurados, rebaixando o número de deputados elegíveis em regiões opositoras e aumentando as cadeiras em bastiões chavistas. Líderes opositores foram encarcerados e candidaturas adversas, vetadas. Muitos venezuelanos fugiram da opressão socialista, da miséria e da criminalidade buscando o exterior.

Em dezembro, a oposição conquistou — mesmo com as irregularidades denunciadas — dois terços das cadeiras do Legislativo. Maduro reconheceu a derrota, mas logo convocou o exército para uma “guerra não convencional” contra “a direita e a burguesia, que entregam a partir das posições que conquistaram”[77].

Brasil

Dilma Rousseff
Dilma Rousseff

Em março e abril, manifestações multitudinárias tomaram as ruas em protestos contra o governo federal. De acordo com a PM, em 15 de março participaram 1,9 milhão de cidadãos em 212 municípios, sendo 1 milhão só em São Paulo. Em 12 de abril os números foram um pouco menores. As multidões, invocando a brasilidade, o hino, a bandeira, o verde-amarelo, patentearam que o governo perdera a credibilidade e, psicologicamente, a condução do País[78]. As tentativas petistas de efetuar manifestações em sentido contrário fracassaram.

Em agosto, a presidente Dilma Rousseff bateu o recorde histórico de reprovação: 71%. Os frequentes “panelaços” e buzinaços foram um meio habitual de protesto da população. O discurso da presidente em cadeia nacional foi recebido com panelaços em pelo menos 16 capitais e Brasília. Membros dos governos federal, estaduais e municipais ligados ao PT e aliados, além do ex-presidente Lula, dificilmente podiam comparecer em locais públicos, cerimônias oficiais ou restaurantes sem serem invectivados. “O panelaço é, em última instância, uma tremenda vaia”, registrou o jornal “O Globo”.

Manifestação na Av. Paulista no dia 15 de março
Manifestação na Av. Paulista no dia 15 de março

As manifestações de agosto, segundo a PM, mobilizaram cerca de 790 mil pessoas, em 168 cidades de todos os estados do País. Como nos casos anteriores, os organizadores avaliaram que o número real foi muito maior. “Nossa bandeira jamais será vermelha” foi um dos brados característicos da multidão em São Paulo. A ascensão do conservadorismo social e cultural, que foi reconhecida até por intelectuais de esquerda, cristalizou-se nessas grandes manifestações. Em 13 de dezembro, as manifestações de protesto contra o governo petista tomaram as ruas de uma centena de cidades do País. No Brasil tomou corpo um “crescente movimento de direita” que “dá voz à maioria silenciosa”[79].

Em setembro, o escândalo da Petrobrás atingiu o Planalto, após o STF aprovar pedido de apuração contra figuras do governo. Uma incessante torrente de denúncias, delações e prisões de grandes empresários e políticos acentuou a percepção da existência de uma corrupção generalizada nas altas esferas, em especial no esquema de governo montado pelo PT durante mais de uma década. Os danos causados ao erário público foram estimados em muitas centenas de milhões de reais. No início de dezembro foi iniciado na Câmara Federal o processo que pode desfechar no impeachment da presidente Dilma.

Em meio a esses escândalos, a economia brasileira entrou em recessão. No último ano e meio, o PIB atingiu uma queda de 5,8%, superada apenas pela ocorrida na Rússia e na Ucrânia em guerra, bem como na infeliz Venezuela[80]. No ranking internacional, nossa economia caiu da sétima colocação para a nona, tendo sido superada pela da Índia. A agência de avaliação de risco Standard & Poor’s retirou do Brasil o grau de investimento — uma espécie de selo de bom pagador[81]. A inadimplência atingiu mais da metade das empresas em operação, segundo o Serasa.[82]

A ascensão do conservadorismo incluiu o campo religioso e o cultural. Uma amostra: segundo o Painel Nacional de Televisão (PNT), a imoralíssima Babilônia passou a ser oficialmente a novela das 21 horas menos assistida da rede Globo na história do horário[83]. Ela e o popular Jornal Nacional foram superados pela novela Os Dez Mandamentos, que focalizou temas bíblicos[84].

Argentina

Na Argentina, Cristina Kirchner começou o ano com “um cadáver no colo”[85]: o promotor Alberto Nisman, assassinado quando ia apresentar no Congresso o resultado das investigações do atentado perpetrado contra uma associação hebraica, que matou mais de uma centena de pessoas. O relatório indiciava figuras do governo relacionadas com o extremismo árabe anti-EUA. O crime evocou a eliminação de dissidentes na Rússia e sua sombra acompanhou o governo populista argentino até a débâcle final. O Senado americano requereu um “inquérito claro” e o “The New York Times” pediu uma “investigação internacional” sobre a “morte suspeita” do promotor[86].

Maurício Macri no dia da posse
Maurício Macri no dia da posse

O governo “nacionalista” multiplicou laços com a China e a Rússia. A presidente franqueou à combalida petrolífera russa Gazprom a exploração das imensas jazidas de gás da Patagônia. Também propiciou exercícios militares conjuntos e troca de informações policiais. Putin considerou a Argentina como “melhor aliado na América Latina” e prometeu investimentos. Mas estes se revelaram inconsistentes quando o Banco de Desenvolvimento russo não depositou os US$ 2,6 bilhões prometidos para uma barragem[87]. Com a China, Cristina Kirchner assinou dezenas de acordos, alguns deles secretos, que permitiram a instalação de uma base chinesa na Patagônia com objetivos também militares e em cujo recinto não vigora a soberania argentina.

O governo peronista sofreu reveses eleitorais até o advento de eleições nacionais em outubro, quando foi seriamente derrotados em todos os níveis. Circunscrições eleitorais-chave, governos estaduais e grandes prefeituras passaram para o domínio da oposição. No segundo turno, a enorme onda de insatisfação conduziu o oposicionista Mauricio Macri à Casa Rosada. A catástrofe peronista-bolivariana pressagiou um recuo geral da esquerda latino-americana. O novo presidente anunciou que vai desestatizar a economia, enfrentar os governos antidemocráticos da Venezuela, de Cuba e da Bolívia, e estreitar os laços diplomáticos e econômicos com os EUA. Cristina Kirchner não suportou a derrota. Ausentou-se da cerimônia de transmissão da presidência, fazendo temer futuros atritos nacionais.

Bolívia, Equador e Chile

Na Bolívia, o presidente Evo Morales tenta uma reforma legal para se reeleger, mas a ideia é rechaçada por quase 60% dos eleitores. No Equador, o presidente Rafael Correa, após rápida polêmica com o presidente Macri recém-eleito, anunciou que não vai se recandidatar. No Chile, a presidente Bachelet tentou aprovar uma impopular reforma constitucional, mas o eleitorado negou-lhe apoio. No mês de outubro, a taxa de rejeição a seu governo atingia 57%, superada apenas pelos governos do Brasil [reprovação de 70,9% em julho, pesquisa CNT[88]], do kirchnerismo na Argentina e de Maduro na Venezuela. Compreende-se que o ex-presidente Lula tenha afirmando na Colômbia sentir “um cheiro de retrocesso na América do Sul”[89].

Continua no próximo post: Retrospectiva 2015 – Rússia e China: crise e expansionismo – Parte IV

Notas:


[76]) O Estado de S.Paulo, 25.08.15.

[77]) La Nación, 13.12.15.

[78]) O Estado de S. Paulo, 17.03.15.

[79]) O Globo, 18.08.15.

[80]) Folha de S. Paulo, 01.12.15.

[81]) O Estado de S. Paulo, 09.09.15.

[82]) Folha de S. Paulo, 09.10.15.

[83]) Folha de S.Paulo, 20.07.15.

[84]) O Estado de S.Paulo, 22.11.15.

[85]) Folha de S. Paulo, 20.01.15.

[86]) La Nación, 21.01.15.

[87]) Clarín, 10.06.15.

[88]) El País, 25.7.15.

[89]) Folha de S. Paulo, 11.11.15.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorOutros eram os tempos, outros os ventos…
Próximo artigoEncenação confrangedora

Catolicismo é uma revista mensal de cultura que, desde sua fundação, há mais de meio século, defende os valores da Civilização Cristã no Brasil.

A publicação apresenta a seus leitores temas de caráter cultural, em seus mais diversos aspectos, e de atualidade, sob o prisma da doutrina católica. Teve ela inicio em janeiro de 1951, por inspiração do insigne líder católico Plinio Corrêa de Oliveira.

1 COMENTÁRIO

  1. BOTA CADENTE NISSO, CADENTÍSSIMA!
    Aqui no Brasil a peste vermelha PT estaria por um fio, desapoio total e Lava Jato sob a batuta do Dr Moro, implacável com a vagabundagem comunista – todo já perceberam que Lula e Dilma são 2 excelente atores, sempre estrelando numa novela de um Brasil imaginario, de ótimos para todo, sem exceção!
    Mas, tudo isso não passa de um sonho – de menos para os membros da mafia PT – cujo Brasil apenas para eles está ótimo!
    Os povos da América LatRina, ex Latina, estão percebendo que os comunistas são doutores e experts somente em falsas propagandas, anarquias e desordens generalizadas, promesseiros e nada cumpridores do que prometem – à realidade, são uns estelionatarios e chantagistas profissionais – e entendem desse métier como ninguém!
    Idem, já perceberam que nada de erros assumem e, quando em apuros, montam falsos dossiês contra os outros, querendo provarem que eles são iguais ou piores, sem contam que entendem de dizerem e se fazerem de vítimas de perseguições alheias sem motivos, embora isso esteja muito manjado.
    Os culpados disso? Em grande ou maior parte seria dos religiosos, casos dos bispos, depois os do clero, os que não denunciam as pestes comunistas e deixam o povo ser levado pela desinformação que lhe repassam e acaba sendo vítima deles, e o lança no estábulo, como F Castro fez em Cuba, mesmo aqui nessa crise, com ajuda das esquerdistas TL e CNBB!
    Leve-se em conta que algumas grandes seitas relativistas com bom número de frequentadores, de modo geral nada fieis a nenhuma delas, são aliadas dos comunistas, caso da IURD, IMPD, RR Soares etc.
    … *”Em nossos dias, a voz da maioria dos bispos se assemelha ao silêncio dos cordeiros diante de lobos furiosos, os fiéis são abandonados como ovelhas sem defesa. Cristo foi reconhecido pelos homens como alguém que falava e agia em uníssono, que tinha poder e é este poder que Ele concedeu a Seus apóstolos. No mundo de hoje, os bispos precisam se libertar de todos os laços mundanos e – depois de terem feito penitência – converterem-se novamente a Cristo, para que fortalecidos pelo Espírito Santo possam anunciar Cristo como o único Salvador. Em última análise, deve-se prestar contas a Deus por tudo o que foi feito e por tudo o que não foi feito”…
    *”Carta aberta de um arcebispo sobre a crise na Igreja”, D Jan Pawel Lenga

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome