São João Bosco e a coluna da Imaculada

0

Da obra “Fatti ameni della vita di Pio IX raccolti da pubblici documenti” (Don Giovanni Bosco, Torino, 1871) 

A definição dogmática da Imaculada Conceição é um dos mais assinalados acontecimentos da história da Igreja. Uma soberba coluna erguida na Praça de Espanha, em Roma, consagra para sempre a memória deste fato tão glorioso a Maria.

As quatro colossais estátuas de Moisés, de Davi, de Ezequiel e de Isaías circundam o pedestal, e suas profecias evocam à mente o grande mistério definido por Pio IX.

Coluna da Imaculada Conceição, na Piazza di Spagna (Roma). Foto tirada por volta de 1880. O monumento foi inaugurado a 8 de dezembro de 1857, portanto três anos depois da proclamação desse dogma

O referido pedestal é adornado com dois baixo-relevos. Um representa São José sendo advertido pelo Anjo, durante o sono, sobre o mistério da Encarnação; o outro, Pio IX proclamando o dogma.

A estátua de Isaías tem como legenda estas palavras do profeta: “Ecce Virgo concipiet – Eis que uma virgem conceberá’” (Is. VII, 14).

Sob o primeiro baixo-relevo estão escritas as simples mas sublimes palavras da angélica saudação: “Ave, ó cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre todas as mulheres”.

Do lado oposto se lê:

Mariae Virgini Genitrici Dei

ipsa origine

ab omni labe immuni

Pius VIIII. P. M.

Insignis praeconii

fide confirmata

Decreto Q. D. S. VI ID. DEC.

AN. MDCCCLIIII.

PONEND. CURAVIT

AN. SUI PRINCIP. XII.

Sob o pedestal da estátua de Davi: “Sanctificavit tabernaculum suum Altissimus  –  O Altíssimo santificou o seu tabernáculo” (Ps. XLV, 5).

“À Virgem Maria, Mãe de Deus, imune de qualquer mancha desde sua origem, Pio IX, Soberano Pontífice, após haver confirmado com decreto de oito de dezembro, a fé neste insigne privilegio, pôs este monumento a expensas do universo católico, no décimo segundo ano de seu Sagrado Pontificado”.

Moisés abre o livro do Gêneses e profetiza a eterna luta entre o inferno e o Céu: “Inimicitias ponam inter te et muliere – Eu porei inimizades entre ti e a mulher” (Gen. III, 15).

Ora, a mulher inimiga da serpente não é apenas Maria, mas também a Igreja, da qual a Virgem é a personificação. “A Igreja também Ela é a sede da Sabedoria” e também a Mãe de Cristo, dado que o cristão, como diz Tertuliano, é um outro Cristo.

Sob o pedestal da estátua de Ezequiel se lê: “Porta haec clausa erit – Esta porta permanecerá fechada” (Ez. XLIV, 2).

Em nossos dias, a inimizade está em seu ápice, a luta é ardorosa. Mas o pé vencedor que esmaga a cabeça da serpente nos pressagia uma vitória tão gloriosa quanto infalível.

Nós (São João Bosco se refere a si) tivemos a ventura de visitar, na igreja de São Boaventura (em Roma), o quarto do Bem-aventurado (hoje Santo, n.d.t.) Leonardo de Porto Maurício que predisse este triunfo em uma carta ora célebre.

O exemplo de Roma, mãe e mestra de todas as igrejas, despertou no mundo inteiro o ardor e o zelo dos filhos de Maria. Vimos germinar uma quantidade enorme de monumentos, de altares, de santuários, de igrejas, de estátuas destinadas todas a perpetuar a memória do grande ato de 8 de dezembro de 1854 (proclamação do dogma da Imaculada Conceição, n.d.t.), e a ereção da coluna erguida por Pio IX na Piazza di Spagna foi também o sinal ao qual todo o orbe se apressou em responder com aquela riqueza de monumentos que espontaneamente cobriu o mundo (cfr. op. cit., pag. 43-49 in “Opere Edite”, Libreria Ateneo Salesiano, Roma, 1977).

Fonte: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Imaculadaconceicao_20131208_coluna_pracadeespanha.htm

Deixe uma resposta