Sobre o “mea culpa” do Papa Francisco no Canadá

0

Roberto De Mattei

A Igreja Católica, fiel ao mandato do seu divino Mestre: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15), realizou, desde a sua fundação, uma grande obra missionária, com a qual trouxe ao mundo não só a fé, mas a civilização, santificando lugares, povos, instituições e costumes. Graças a este trabalho, a Igreja civilizou também os povos das duas Américas, que estavam imersos no paganismo e na barbárie.

Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15)

Sacerdotes martirizados pelos índios

No Canadá, a primeira missão jesuíta entre os povos iroqueses, liderada pelo padre Charles Lallemant (1587-1674), desembarcou em Quebec em 1625. Em 1632 chegou uma nova missão, liderada pelo padre Paul Le Jeune (1591-1664). Padre Juan de Brébeuf (1593-1649), retornou em 1633 com dois padres. De cabana em cabana, eles começaram a ensinar catecismo para crianças e adultos. Mas alguns feiticeiros convenceram os índios de que a presença dos padres causava secas, epidemias e qualquer outra desgraça. Os jesuítas decidiram então proteger os catecúmenos isolando-os em cidades cristãs. O primeiro foi construído a quatro milhas de Quebec. Tinha seu forte, capela, casas, hospital e residência dos Padres.

Ao mesmo tempo, alguns voluntários se ofereceram para converter os índios: Santa Maria da Encarnação Guyart Martin (1599-1672), uma freira ursulina de Tours, que havia fundado com outras duas freiras um internato em Quebec para a educação de crianças indígenas ; Madame Marie-Madeleine de la Peltrie (1603-1671), viúva francesa, que havia criado um hospital com algumas Irmãs Hospitaleiras de Dieppe, também em Quebec; os membros da Sociedade de Nossa Senhora que, ajudados pelo padre sulpiciano Jean-Jacques Olier (1608-1657) e pela Companhia do Santíssimo Sacramento, construíram em 1642 a Ville Marie, da qual nasceria Montreal.

Os índios iroqueses, no entanto, eram inflexivelmente hostis. Eles haviam mutilado horrivelmente o padre Isaac Jogues (1607-1646) e seu cura René Goupil (1608-1642) derramando brasas sobre eles. Em março de 1649, os iroqueses martirizaram os pais de Brébeuf e Gabriel Lallemant (1610-1649). O padre Brébeuf foi perfurado com varas em brasa e os iroqueses rasgaram pedaços de sua carne, devorando-a diante de seus olhos. Enquanto o mártir continuava a louvar a Deus, seus lábios e sua língua foram arrancados e brasas foram enfiadas em sua garganta. O padre Lallemant foi torturado imediatamente depois com maior ferocidade. Então um selvagem esmagou sua cabeça com um machado e arrancou seu coração, bebendo seu sangue, para assimilar sua força e coragem. Outra onda de ódio fez com que em dezembro houvesse dois novos mártires, os padres Charles Garnier (1605-1649) e Noël Chabanel (1613-1649). Os oito missionários jesuítas, conhecidos como os “Mártires do Canadá”, foram abençoados pelo Papa Bento XV em 1925 e canonizados pelo Papa Pio XI em 1930.

I Santi Martiri Canadesi

Esses episódios fazem parte da memória histórica do Canadá e não podem ser esquecidos. O Papa Francisco, como jesuíta, deve conhecer este épico, narrado, entre outros, por seu confrade Padre Celestino Testore, em seu livro I santi martiri canadesi, publicado em 1941 e republicado na Itália pela editora Chirico em 2007.

Mas, acima de tudo, o Santo Padre deveria ter tratado com maior prudência o “caso” da suposta descoberta de valas comuns nas chamadas “escolas residenciais indígenas” no Canadá, uma rede de internatos para indígenas canadenses fundada pelo governo e confiada principalmente à Igreja Católica, mas também em parte à Igreja Anglicana do Canadá (30%), com a ideia de integrar os jovens à cultura do país, de acordo com a Lei de Civilização Gradual, aprovada pelo Parlamento canadense em 1857.

A Perseguição contra a obra missionária da Igreja

No entanto, nas últimas décadas, a Igreja Católica tem sido acusada de participar de um plano de extermínio cultural dos povos aborígenes, cujos jovens foram sequestrados de suas famílias, doutrinados e às vezes abusados, para serem “assimilados” pela cultura dominante. Em junho de 2008, o governo canadense, em uma postura “indigenista”, emitiu um pedido oficial de desculpas aos povos indígenas e criou uma Comissão de Verdade e Reconciliação (TRC) para internatos indígenas.

Os investigadores da Comissão, apesar dos 71 milhões de dólares que receberam, trabalharam durante sete anos, sem encontrar tempo para consultar os arquivos dos Oblatos de Maria Imaculada, a ordem religiosa que, no final do século XIX, passou a administrar o internatos No entanto, valendo-se desses mesmos arquivos, o historiador Henri Goulet, em sua Histoire des pensionnats indiens catholiques au Québec. Le rôle déterminant des pères oblats (Presses de l’Université de Montréal, 2016) demonstrou que os Oblatos eram os únicos defensores da língua e do modo de vida tradicionais dos índios do Canadá, ao contrário do governo e da igreja anglicana, que insistiam em uma integração que se desenvolveria ele atraiu os nativos de suas origens. Essa linha historiográfica é confirmada nos trabalhos de um dos principais estudiosos internacionais da história religiosa canadense, o professor Luca Codignola Bo, da Universidade de Gênova.

Um genocídio físico inexistente

Da acusação de “genocídio cultural” passamos para a de “genocídio físico”. Em maio de 2021, a jovem antropóloga Sarah Beaulieu, depois de analisar o terreno próximo à antiga escola residencial em Kamloops com um georadar, levantou a hipótese da existência de uma vala comum, embora ela nem tivesse feito uma escavação. As alegações do antropólogo, relatadas pela grande mídia e apoiadas pelo primeiro-ministro Justin Trudeau, se transformaram em relatos diferentes, alguns alegando que “centenas de crianças” foram “mortas” e “secretamente enterradas” em “valas comuns” ou em túmulos irregulares. em razão das “escolas católicas” em todo o “Canadá”.

Esta notícia é simplesmente infundada, pois nenhum corpo foi exumado, como Vik van Brantegem já documentou em 22 de fevereiro de 2022 em seu blog Korazym.org. Em 1º de abril de 2022, uma entrevista precisa com o historiador Jacques Rouillard, professor emérito da Faculdade de História da Universidade de Montreal, apareceu no blog da Uccr, que nega categoricamente o genocídio cultural e físico dos indígenas canadenses, negando a existência de massa sepulturas em internatos. Ele está convencido de que uma tentativa de compensação milionária está por trás de tudo isso. Em 11 de janeiro, o próprio professor Rouillard publicou um longo artigo no portal Canadian Dorchester Review no qual afirmava que nenhum corpo de criança havia sido encontrado nas supostas valas comuns, enterros clandestinos ou qualquer outra forma de enterro irregular na escola Kamloops. Atrás dos internatos havia apenas cemitérios simples, nos quais eram enterrados os alunos da escola, membros da comunidade local e os próprios missionários.

Falsa Narrativa motiva pedido de perdão?

De acordo com os documentos apresentados por Rouillard, ali morreram 51 crianças entre 1915 e 1964. No caso de 35 delas, foram encontrados documentos que comprovavam a causa da morte, principalmente doenças e em alguns casos acidentes. Um novo artigo do professor Tom Flanagan e do juiz Brian Gesbrecht, publicado em 1º de março de 2022 na Dorchester Review sob o título The False Narrative of the Residental Schools Burials, reitera como não há vestígios de um único estudante assassinado nos 113 anos de história dos internatos católicos. De acordo com os mesmos dados da Comissão da Verdade e Reconciliação (CVR), a taxa de mortalidade dos jovens internados foi em média de 4 óbitos por ano para cada 1.000 jovens e a principal causa foi a tuberculose e a gripe. Parece que as escavações em Kamloops foram finalmente autorizadas, mas, como diz o professor Rouillard, teria sido melhor se tivessem sido realizadas no outono passado, para que a verdade fosse conhecida e o Papa Francisco não pudesse vir pedir desculpas no dia base em suposições não comprovadas. Estas são as palavras do acadêmico canadense: “É incrível que uma investigação preliminar sobre uma suposta vala comum em um pomar possa levar a uma espiral de reivindicações endossadas pelo governo canadense e captadas pela mídia em todo o mundo. Este não é um conflito entre a história e a história oral aborígine, mas entre a história oral aborígene e o senso comum. São necessárias provas concretas antes que as acusações contra os Oblatos e as Irmãs de Santa Ana possam entrar na história. As exumações ainda não começaram e não foram encontrados restos mortais. A prática de um crime requer provas verificáveis, especialmente se os réus estiverem mortos há muito tempo. Por isso, é importante que as escavações sejam realizadas o quanto antes, para que a verdade prevaleça sobre a fantasia e a emoção. No caminho da reconciliação, não é a melhor maneira de encontrar e contar toda a verdade em vez de criar mitos sensacionais?

  • [Subtítulos nossos]

https://rebelionenlagranja.com/noticias/civilizacion/sobre-el-mea-culpa-del-papa-francisco-en-canada-por-roberto-de-mattei-20220730

Deixe uma resposta