TFP americana continua a formar jovens para a ação contra-revolucionária

mvg_1550

A Academia São Luís de Montfort, mantida pela Sociedade Americana de Defesa da Tradição Família e Propriedade encerrou mais um ano letivo.

Intensa jornada marcou este acontecimento, que se iniciou com uma missa celebrada pelo Pe. Daniel Richards, seguida de entrega de diplomas aos quatro graduandos e certificado de bom aproveitamento a uma dezena de outros alunos que se destacaram pelo aproveitamento, disciplina ou bom exemplo.

Durante a homilia, o jovem sacerdote, lembrou a data litúrgica daquele dia: A Realeza de Nossa Senhora, festa instituída pelo Santo Padre Pio XII. Invocou a proteção da Santíssima Virgem, como Medianeira de todas as graças, para que estendesse Seu manto maternal sobre os jovens graduandos, ao corpo docente e discente e as respectivas famílias, muitas delas presentes ao ato.

A saudação aos formandos coube ao Sr. Rory O’ Hanlon, Secretario da Sociedade Irlandesa pela Civilização Cristã, que atravessou o Atlântico especialmente para participar deste evento. Ele dirigiu aos formandos eloqüente exortação, que aqui resumimos:

“Aqui na Academia, vocês adquiriram muitos bons hábitos para a vida quotidiana. Bons hábitos são virtudes fundadas nas virtudes teologais ou cardeais.

“Os estudantes desta Academia tem sido de grande ajuda para nossa ação na Irlanda.

“Espero que sejam sempre prestativos, enérgicos, corteses e hábeis em conversar sobre temas elevados.

“Vocês receberam aqui uma formação realmente única, um verdadeiro tesouro.

“Estamos engajados numa Contra-Revolução cultural. Nossos dias estão dominados pelo confronto entre a Revolução e a Contra-Revolução. Para nós, nada poderia ser mais útil e importante para o bem da Santa Igreja, para a Civilização Cristã e a salvação das almas, do que derrotar a Revolução.

“O segredo da peculiaridade desta Academia São Luís de Montfort é que ela reconhece esta realidade que é o perigo para a Civilização Cristã que a Revolução representa no campo da moralidade e da cultura.

“Esta epopeia se deve ao fato de que houve um homem que disse “Sim” à Nossa Senhora: o Professor Plinio Corrêa de Oliveira que iniciou esta monumental obra fundando a primeira das TFPs. Também ele inspirou, mais tarde, a fundação desta academia.”

Se confiarmos em Nossa Senhora, Ela pode fazê-los, caros formandos, como Cedros do Líbano, servindo-nos da comparação de São Luís de Montfort. Pode ainda fazê-los grandes como os pares do Imperador Carlos Magno e – sobretudo – pedras vivas do Reino de Seu Imaculado e Sapiencial Coração.”

Academy TFP

O orador da turma, Willial J. Gosset, expressou-se neste termos:

“Parece que foi ontem, quando fui convidado a participar do Call to Chilvary Camp, no Estado da Louisiana, ingressando posteriormente nesta Academia.

“Antes de vir para cá, eu levava uma vida típica de americano conservador: estudante homeschooling até a 9ª. série, meus pais zelavam para que eu não perdesse a missa aos domingos, minha família se consagrara a Nossa Senhora graças à orientação de um amigo. Entretanto eu não tomava tudo tão a sério quanto deveria. Quando vim para cá, tudo começou gradualmente a mudar. Aqui eu recebi uma sólida formação de caráter fundada na Fé. Sou sempre devedor aos professores e a meus pais, que me apoiaram sempre para que continuasse neste caminho.

“Os colegas que hoje são diplomados, conheci-os no Curso de Verão na Louisianna. Com eles compartilhei muitas experiências e tenho muitas histórias a contar. Vi-os também crescer em piedade e dedicação ao longo deste anos.

“Esta academia tem uma vocação: formar na militância católica, em defesa da Civilização Cristã.

“Cito apenas uma ação recente: nossa participação no protesto em Boston contra a peça blasfema e satânica.”

O jovem graduando termina com um apelo a uma grande dedicação, lembrando palavras do poeta francês Paul Claudel que a juventude não foi feita para o prazer, mas para o heroísmo.

A entrega de diplomas concluiu-se com o canto do conhecido hino Magnificat.

A Fanfarra da Academia animou todo o evento do qual constava também almoço ao ar livre seguida da recitação do rosário.

Campanha contra missa negra em Boston

Merece destaque especial a participação destes estudantes na campanha realizada na Universidade de Harvard.

Recém terminados os exames finais, os quatro formandos, acompanhados de dois instrutores da Academia, viajaram para o Canadá para participar de uma Marcha pela Vida, contra o Aborto. Cumprida esta missão, preparavam-se para retornar aos EUA, quando lhes chegou aos ouvidos a horripilante notícia de que se um movimento satanista anunciava a apresentação de uma missa negra na prestigiosa universidade Harvard. Tomados de zelo e santa indignação contra tal ousadia contra esta paródia do santo sacrifício do Calvário, contataram a diretoria da TFP americana, manifestando a firme deliberação de ir a Boston, antes de voltar a Pensilvânia. Imediatamente partiu de Spring Grove um veículo com mais uma dezena de cooperadores que se associaram a estes primeiros. Tão grande foi o impacto do qual participaram também fiéis de uma paróquia próxima a Universidade, que não houve possibilidade de levarem adiante os sinistros propósitos e a tal missa negra foi cancelada pelos organizadores.