Mais de 50 Nações aderem à Rede Limpa: um grande revés da (China) Huawei 5G

2

2020 não se encerra sem que possa comemorar grandes vitórias das Nações Livres sobre o PCCh que governa ditatorialmente a China. Apesar do silêncio da Midia oficialista — sempre alinhada à Revolução universal — o governo Trump “obteve uma vitória contra o regime em Pequim este ano por meio de sua campanha “Rede Limpa”, que tirou a Huawei Technologies Co. da infraestrutura crítica de telecomunicações em muitos países.”

O sucesso da Rede Limpa: mais de 50 nações e 180 empresas de telecomunicações aderem

O esforço liderado pelos EUA, embora a Midia não divulgue, “garantiu uma série de compromissos de governos para excluir fornecedores não confiáveis ​​de suas redes sem fio de quinta geração (5G). Neste mês, mais de 50 nações, representando mais de dois terços da economia mundial, e 180 empresas de telecomunicações aderiram à iniciativa “Rede Limpa” “.

A aliança inclui 26 dos 27 estados membros da UE, bem como países tecnologicamente avançados, como Japão, Israel, Austrália, Cingapura, Taiwan, Canadá, Nova Zelândia e Índia.

Um sucesso que parecia impensável

Este triunfo do governo Trump “parecia impensável no início deste ano, já que a gigante chinesa das telecomunicações, um player dominante no mercado global de 5G, parecia imbatível.”

Acrescentamos que a China dispende quantias fabulosas em propaganda, compra de páginas em importantes jornais americanos, suborno de cientistas e pesquisadores. No Brasil, o acordo da Band com a midia estatal chinesa, foi festejado por João Doria.

“Durante anos, os Estados Unidos tentaram convencer seus aliados a evitar fornecedores chineses, como Huawei e ZTE, por motivos de segurança nacional, e a administração Trump alertou sobre os riscos da dependência de tecnologias chinesas, que estavam profundamente enraizados na próxima geração de telecomunicações globais.”

“Em fevereiro, a Huawei anunciou que tinha 91 contratos comerciais 5G fora da China, sendo 47 dos contratos na Europa e 20 na Ásia. Em janeiro, por exemplo, o Reino Unido declarou que permitiria à Huawei fornecer equipamentos 5G, gerando tensões entre Londres e Washington.”

Governo americano vence dentro dos EUA

“Para virar a maré, o Departamento de Estado lançou em abril uma campanha exigindo um “caminho limpo” para todo o tráfego de rede 5G autônomo que entra e sai dos EUA. instalações diplomáticas, conforme descrito na Lei de Autorização de Defesa Nacional de 2019. O Caminho Limpo foi o primeiro de vários movimentos estratégicos da Rede Limpa que o governo implementou para manter os EUA dados críticos e redes protegidas do Partido Comunista Chinês (PCC).”

No mês seguinte, o Departamento de Comércio apertou os controles de exportação da Huawei, chamando-a de ameaça à segurança. Mais tarde, o Pentágono colocou a empresa na lista negra por causa de seus laços com os militares chineses.

Como parte do plano, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. anunciou em maio que construiria a instalação de fabricação de chips de 5 nanômetros mais avançada do mundo no Arizona, um marco importante na proteção da cadeia de suprimentos de semicondutores e uma rede 5G segura para os Estados Unidos e seus parceiros.

A Rede Limpa busca abordar o que os EUA O Departamento de Estado descreve como “a ameaça de longo prazo à privacidade de dados, segurança, direitos humanos e colaboração baseada em princípios representada para o mundo livre de atores autoritários malignos”.

Êxito dos EUA na UE, OTAN, OCDE: proteger cidadãos, direitos humanos, privacidade

O Departamento de Estado realizou divulgação internacional para explicar as ações da Huawei nos EUA e exortou outros países a tomar medidas semelhantes para proteger suas redes 5G e proteger as informações pessoais de seus cidadãos. Keith Krach, subsecretário de Estado para o crescimento econômico, energia e meio ambiente, foi a pessoa por trás do esforço.

Ex-empresário e veterano do Vale do Silício, Krach cunhou o termo Rede Limpa e liderou a iniciativa de tirar o ímpeto da Huawei unificando aliados. E em poucos meses, a rede conquistou um apoio internacional esmagador.

“Hoje, a grande maioria dos membros da UE, OTAN e OCDE adota o programa Rede Limpa.”

Calcanhar de Aquiles da China: desconfiança generalizada

Nosso Site tem abordado a desconfiança generalizada — no Mundo Livre — com a falta de transparência da China. O vírus de Wuhan é propriamente um feitiço que se voltou contra o feiticeiro. A propaganda de Pequim, auxiliada pela OMS, almejava tirar grande proveito da pandemia oferecendo “soluções” e eficácia. Deu-se o contrário, os povos acordaram para a manobra.

Continua a notícia: “A maior fraqueza de empresas chinesas como a Huawei “é que ninguém confia nelas”, segundo Krach. E essa questão de confiança se tornou uma ferramenta estratégica para o governo dos EUA.

Lei de Inteligência Nacional: Huawei espinha dorsal

“Desde que a China aprovou a Lei de Inteligência Nacional em junho de 2017, todos os cidadãos e empresas chineses foram legalmente obrigados a entregar quaisquer informações ou dados ao regime comunista mediante solicitação. A Huawei é a espinha dorsal do estado de vigilância do PCCh, de acordo com Krach.” Daí a importância da infraestrutura e serviços 5G da Huawei.

Epoch Times Photo. O subsecretário de Assuntos Econômicos, Keith Krach, fala durante reunião sobre Rede Limpa em Brasília, Brasil, em 11 de novembro de 2020. (Cortesia de Keith Krach)

A crescente coalizão é um “cobertor de segurança” para países e operadoras de telecomunicações se protegerem contra a retaliação de Pequim. Seguindo os EUA campanha do governo, os negócios da Huawei fora da China caíram de 91 para “provavelmente uma dúzia”, ​​de acordo com Krach.

Até agora, 27 dos 30 membros da OTAN e 31 dos 37 membros da OCDE aderiram à Rede Limpa

“Em uma grande vitória para o governo Trump, o Reino Unido anunciou em julho seus planos de banir a Huawei de futuras redes 5G, revertendo sua decisão de janeiro. As operadoras de telefonia móvel do país serão impedidas de comprar novos equipamentos da Huawei após 31 de dezembro.”

Demorou um pouco, mas o tempo também mudou na Alemanha, disse Krach, enquanto Berlim prepara uma legislação que imporia novas restrições severas aos provedores de equipamentos de telecomunicações e tornaria quase impossível incluir a Huawei na construção das redes 5G do país.

Repercussão interna na China

Em setembro, o jornal China Daily, que é propriedade do PCC, criticou Pompeo por declarar vitória contra o regime chinês. “A tentativa de estrangular a Huawei mostra o método implacável dos EUA a administração está usando para manter os EUA hegemonia em tecnologia ”, afirma o jornal.

“Em agosto, Pompeo anunciou a expansão do programa Rede Limpa para incluir operadoras limpas (garantindo que nenhuma operadora não confiável, como as da China, esteja conectada à rede), aplicativos limpos e lojas de aplicativos, serviços em nuvem limpa (protegendo os dados dos americanos) e cabo limpo (garantindo que os cabos subaquáticos que conectam os Estados Unidos à Internet global estejam protegidos). Como parte do esforço, o presidente Donald Trump assinou em agosto duas ordens executivas para enfrentar as ameaças representadas pelos populares aplicativos móveis de propriedade chinesa TikTok e WeChat.”

A Clean Network também acrescentou vários líderes do setor como empresas limpas, incluindo Oracle, HP, NEC, Fujitsu e Cisco.

Trazer empresas limpas para a coalizão foi um aspecto estratégico para expandir a proposta de valor, de acordo com Krach. Essas empresas limpas precisam ser capazes de confiar nas redes 5G de um país para investir ou expandir suas operações. Se não puderem, procurarão outro lugar.

“Anunciar que você é um país limpo será um grande sinal para os EUA setor privado que este é um bom lugar para investir. “

“Krach define o esforço 5G como uma “cabeça de ponte” em uma batalha econômica mais ampla contra o PCC. Ele acredita que a aliança das democracias é a “chave de ouro”, pois estabelece as bases para muitas outras áreas, como moeda limpa, dados limpos e Internet das Coisas limpas.”

***

A notícia prossegue com importantes dados para conter a iniciativa Belt and Road com que a China pretendia envolver grande parte das Nações. Até entre nós, o governador João Doria se destaca como defendor das garras chinesas na Terra de Santa Cruz.

Aliança Transatlântica
Nos últimos meses, Krach e sua equipe viajaram para a Ásia, Europa, Oriente Médio e América Latina para garantir o compromisso de governos, operadoras de telecomunicações e empresas multinacionais de se juntarem à coalizão.

Fica claro por que a China tem suas preferências por Joe Biden do qual espera um novo esforço que anule as medidas protecionistas tomadas durante o governo Trump.

O Brasil será grande e realizará sua providencial missão em suas alianças no Mundo Livre. Longe das garras do PCCh, da Huawei, do investimento chinês em terras no País. “América para americanos” fica cada vez mais necessária.

Este ainda será um grande País, na defesa dos Valores Morais, fundamento de nossa Pátria.

Nossa Senhora Aparecida nos guie, nos defenda e nos impulsione para essa tarefa tão necessária.

Fonte

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta