UK: emenda que visa punir as atrocidades chinesas em Xinjiang

2

Resistindo às pressões (do governo Boris Johnson), os Lordes confirmaram a emenda que visa punir as atrocidades chinesas em Xinjiang. Agora, ela volta para os Comuns.

O maior perigo é o colapso dos valores morais

Lord Cormack instou o governo, que ele considerava estar oscilando em um “terreno moral estéril”, a “passar para um terreno moral mais estável”. Ele advertiu que o maior perigo de todos era “o colapso dos valores morais“. “Não há crime mais hediondo do que genocídio”, acrescentou. “O que está acontecendo na China é terrível. Um regime tão questionável como este que não vimos desde o início do século passado. “

Certamente, Lord Cormack está se referindo ao genocídio (século passado) praticado pelos regimes comunistas e pelo nazismo. Nós estamos presenciando também uma outra forma de genocídio perpetrado pela Big Tech contra os conservadores. Só a Big Tech? Há outros ditadores que a mídia alinhada prefere proteger.

Continua a notícia: “Referindo-se ao relatório da Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador sobre a China, “The Darkness Deepens”, ele disse que ninguém poderia lê-lo “sem sentir repulsa na boca do estômago”.”

“A Baronesa Kennedy exortou o governo britânico a proclamar seus valores ao mundo, incluindo a China, que ela esperava que pudesse mudar como resultado. Ela acrescentou: “Esta emenda salvará vidas.”

Vitória esmagadora denunciando o genocídio de Xingiang

“A última tentativa do Partido Conservador do Reino Unido, no poder, de persuadir os Lordes a repensar sua posição sobre o comércio com os estados genocidas, falhou dramaticamente esta semana. Os pares desafiaram a pressão do governo para descartar uma emenda à Lei de Comércio, que proibiria acordos bilaterais com Estados que cometem genocídio, votando esmagadoramente a favor da medida pela segunda vez, por 171 votos.”

Lord David Alton
Lord David Alton

Sua votação decisiva anterior em favor da emenda trazida por Lord David Alton, foi posteriormente frustrada pela mais estreita das margens na Câmara dos Comuns, apesar da rebelião de 33 parlamentares conservadores. Voltando aos Lordes novamente, apesar de uma delegação de ministros do governo de última hora sem precedentes enviada para influenciá-los, os pares foram ainda mais firmes em sua resolução de apoiar a mudança.

Fracos argumentos de Boris Johnson em favor do comércio

O governo de Boris Johnson afirma que a emenda, que permitiria aos juízes do Reino Unido determinar o genocídio em vez de tribunais internacionais, complicaria o comércio internacional e minaria o parlamento.

“Mas os defensores da emenda ajustada insistem que os juízes do Tribunal Superior do Reino Unido são competentes para determinar o genocídio, e não os órgãos da ONU, cujas mãos estão, em última análise, atadas pelo poder de veto da China e da Rússia. O documento revisado enfatiza que a palavra final sobre a aprovação do acordo comercial seria devolvida aos MPs, uma vez que um juiz da Suprema Corte determinasse genocídio.”

***

Mais uma vez fica provado o grande erro da chamada Nova Ordem Mundial que daria à ONU poderes ainda mais amplos, coercitivos, ditatoriais sobre as Nações. Nesse sentido é lamentável o apoio do Vaticano em fortalecer ainda mais o poderio da ONU. Centralizar é sinônimo de socialismo, de comunismo.

Argumenta, com todo acerto a Câmara dos Lordes, que os órgãos da ONU, cujas mãos estão, em última análise, atadas pelo poder de veto da China e da Rússia — jamais permitira a condenação do regime de Xi Jinping. Já vimos o veto da China e da Rússia em relação às sanções contra a Venezuela de Maduro.

***

O advogado Michael Polak da Lawyers for Uyghur Rights, um dos vários grupos jurídicos e associações que apóiam a emenda, apontou que os tribunais do Reino Unido “estão entre os melhores do mundo e já têm poderes para determinar genocídio, crimes contra a humanidade, crimes de guerra e tortura em processos criminais. Isso eles fizeram em várias ocasiões. “

***

Pela segunda vez a Câmara dos Lordes reafirma sua vigorosa posição contra o genocídio em Xinjiang. Como católicos gostaríamos também que a perseguição religiosa contra fieis, padres e bispos, movida pelo PCCh na pessoa de Xi Jinping, também fosse objeto de uma veemente condenação e repulsa.

O maior dos direitos da pessoa humana é conhecer e praticar a Verdadeira Religião.

Fonte: https://bitterwinter.org/the-uk-genocide-amendment-lets-try-it-again/

2 COMENTÁRIOS

  1. Não por acaso o trabalhista (versão socialista inglesa) Tony Blair, quando Primeiro Ministro, implementou as desastrosas reformas no “British Peerage”. Felizmente o êxito dessas reformas destrutivas foram apenas parciais, uma vez que restaram os últimos e derradeiros últimos 92 Lordes Hereditários na “Upper House” do Parlamento Britânico. No presente caso, podemos constatar os efeitos benéficos da resistência à malfadada mudança de Blair. Como dizem os caçadores da Ilha dos Santos – Tally-ho !!

Deixe uma resposta