A Faculdade de Saúde Pública da USP decidiu cancelar uma prova de seleção para um curso de especialização que abrangia três questões nítidamente de esquerda: ideologia de gênero, Lula como preso político e Dilma tendo sido objeto de golpe.
Curioso, fazemos notar, não havia perguntas que favoreciam os Valores Morais.
       A prova era destinada a escolher candidatos que fariam um curso a distância de especialização em saúde pública.
                    Três perguntas test: um critério para avaliar a dosagem de esquerda dos candidatos
        1 – O impeachment foi citado em pergunta com a seguinte formulação: “A saída de Dilma Rousseff da Presidência da República se deu por meio de: a) desvios orçamentários; b) greves dos sindicatos; c) golpe institucional; d) denúncias de corrupção; e) exigência do Congresso Nacional”. A alternativa apontada como correta era “golpe institucional”.
       2 – Outra pergunta citada pela deputada (Janaina Pascal) dizia: “Dentre as medidas recentes dos governos após o golpe de 2016, há uma que limita as ações públicas” e pedia para o aluno apontar um tema que vem sendo pautado pela visão conservadora. A resposta correta era ideologia de gênero.
       3 – Lula, por sua vez, era a resposta correta à pergunta sobre “aquele que está sendo considerado mundialmente um prisioneiro político.
Diretor da Faculdade tenta justificar, não justificando
                   O diretor da Faculdade de Saúde Pública, Oswaldo Tanaka, confirmou à reportagem o teor das perguntas citadas pela deputada Janaina.

Segundo ele, havia 1.900 candidatos para 80 vagas, e o objetivo era verificar se eles estavam atualizados sobre temas de conhecimentos gerais (sic).
                                                  * * *
         Em discurso na quarta-feira (30) na Assembleia Legislativa, Janaina afirmou que recebeu denúncias de candidatos sobre o exame, que classificou como nulo. Disse ainda que os responsáveis deveriam responder por improbidade administrativa.
                  Houve, ainda, “entre as questões que considerava de viés ideológico as que abordavam temas como neofascismo, “a obra feminista ‘O Segundo Sexo'”, de Simone de Beauvoir, a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, a reforma da Previdência e quem foi um “importante líder político brasileiro, secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro” (resposta: Luiz Carlos Prestes)”.
Fonte: http://rota2014.blogspot.com/2019/11/usp-cancela-prova-com-mencao-lula-como.html

Deixe uma resposta