Voo, cão e Civilização Cristã

Empresa americana acompanha animais de estimação em voos privados

Caminhando pelas ruas do meu bairro noto o aumento da afluência de pessoas levando seu animal de estimação para passear ou mesmo como acompanhante no trajeto para uma compra. Passeadores de pets cruzam e parece ser a profissão que não experimenta recessão, pese a crise econômica mundial. Talvez daqui a pouco teremos que pedir permissão para poder transitar pelas calçadas, haja vista que as guias com as quais os passeadores seguram os pets tolhem sem cerimônia a nossa passagem como se as ruas e calçadas públicas fossem primordialmente deles, pois seus “pais” – alguns chamam seus cachorros de “filhos” – parecem querer fazer-lhes as vontades. Como se já não bastassem as calçadas esburacadas e cheias de obstáculos orgânicos e inorgânicos.

Passada a aventura de transitar pelas calçadas – tão perigosas quanto o leito carroçável desta metrópole paulistana -, sento-me diante do monitor do meu computador para acompanhar os acontecimentos diários pelos sites de notícias e uma imagem me chamou a atenção.

Um cão da raça Irish Setter, ou alguma variante, confortavelmente sentado em uma espaçosa poltrona de avião sendo servido por uma prestimosa aeromoça trajada com impecável tailleur. Com o guardanapo de serviço azul no braço esquerdo, ela apresenta um prato de porcelana quadrado e fundo com uma iguaria disposta harmoniosamente e agradável pelas formas e cores. Sorrindo sempre, serve olhando para o cão esperando pela aprovação do cão que está em atitude senhorial.

O leitor poderá conferir na reportagem propagada “Voo bom para cachorro” com subtítulo mais que descritivo: “Empresa americana acompanha animais de estimação em voos privados”1.

Carol Martin, ex-comissária de bordo americana e fundadora da Sit ‘n Stay Global, uma empresa que oferece tratamento vip para os pets em viagens privadas garante: “tenho certeza que qualquer cliente que leva seus cachorrinhos para um voo acha que ele é um membro da família e gostaria que ele recebesse toda a consideração caso ficasse doente em um avião”.

Carol também crê que os cuidados que se prestam aos humanos devem ser igualmente prestados aos animais incluindo “entrevistas” para as comissárias estarem cientes de suas condições médicas e gostos. Os pets, na empresa de Carol, são dispostos em assentos especiais, máscaras de oxigênio e um equipamento para flutuar, em caso de acidente aéreo. E importante: a limpeza do ambiente é feita apenas com produtos recomendados para pets.

Exageros à parte, devemos considerar o fim a que se destina o homem, a sociedade. Certamente não é a busca da felicidade dos animais como parece indicar os exageros produzidos por esta sociedade dita moderna. É preocupante vislumbrar para onde aponta a aceitação dos princípios subjacentes ao comportamento de considerar os animais como membros da família e dignos de tratamento que muitas vezes nem humanos recebem: a construção de uma nova civilização… civilização? Será mesmo uma civilização? O que é civilização?

Buscando aprimorar esse conceito encontrei no inesgotável e rico cabedal de princípios e ensinamentos de Plinio Corrêa de Oliveira os fundamentos para esse conceito. Transcrevo-o abaixo2:

“O que é uma civilização?

“Não vou me perder aqui em análises de caráter doutrinário a respeito das várias acepções que a palavra “civilização” tem. Eu tomo apenas um elemento comum a todos os sentidos da palavra civilização, e este elemento é a idéia de uma determinada ordem de coisas, que é considerada no seu conjunto, desde os seus aspectos mais elevados no plano religioso e cultural, até seus aspectos mais triviais, no plano puramente material.

“Quando essa ordem de coisas é inspirada por determinados princípios, ela constitui uma civilização que se caracteriza, se diferencia das outras civilizações modeladas segundo princípios diferentes. Uma civilização cristã é aquela que é modelada pelas grandes convicções, pelas grandes inspirações, pelas grandes esperanças, quero dizer, pelas grandes normas morais que Nosso Senhor Jesus Cristo trouxe à terra e das quais a Igreja Católica é a mestra infalível, a mãe, a guia a dispensadora da vida através dos Sacramentos.

“A civilização cristã cria condições para que as almas conheçam melhor a Igreja. A Igreja está para a civilização cristã – mais ou menos, para empregar uma analogia que tem o imperfeito de todas as analogias – mais ou menos como a alma está para o corpo. A Igreja fora de uma civilização seria um pouco comparável a uma alma sem corpo. E uma civilização fora da Igreja é francamente comparável a um corpo sem alma.

“A ordem perfeita consiste em que a Igreja modele uma civilização através da qual Ela possa fazer todo o bem para os homens; uma ordem temporal, portanto, que A ajude a fazer todo bem para os homens. E é, de outro lado, uma civilização que merece ser chamada cristã enquanto ela realiza as condições de vida plenas, indicadas, preceituadas por Nosso Senhor Jesus Cristo.”

Medidas e pesadas essas sábias palavras, podemos inferir quais atitudes e disposições, dentre tantas outras, que devemos assumir como lutar pela renovação de uma ordem temporal aplicando os preceitos de Nosso Senhor Jesus Cristo, recebidos através do magistério da Igreja. Assim tudo poderá ser restabelecido em seus devidos lugares. Emitte Spiritum tuum et creabuntur, et renovabis faciem terrae – Enviai o vosso Espírito, e tudo será criado e renovareis a face da terra (Antífona da festa de Pentecostes).

_________________________________

Notas:
1. http://luxo.ig.com.br/voo-bom-para-cachorro/n1597363596359.html

2.  Mensagem aos Correspondentes Esclarecedores da TFP norte-americana (http://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_19821027_AcausadaCivilizacaoCrista.htm)