Aborto favorece a depressão

Benno Hofschulte

Segundo ACI/Europa Press, 80% das mulheres que se submeteram a um aborto sofrem de sintomas depressivos, enquanto que 40% pensou em suicidar-se. Estes são os resultados apresentados numa primeira nota técnica de um grupo de trabalho que se dispôs a estudar os aspectos médicos do aborto. Esse grupo estava integrado no Comitê de Especialistas do movimento espanhol “Derecho a Vivir” (DAV).

O resultado da pesquisa, realizada pela psiquiatra da Universidad de Navarra (UNAV) Carmen Gómez-Lavín, revela outros sintomas relativamente frequentes entre mulheres com Síndrome Post-Aborto como transtornos da sexualidade (40%), abuso de drogas, particularmente entre adolescentes (30%), alterações de conduta (60%) ou irritabilidade (70%).

Os resultados da pesquisa mostram que, em mulheres que se submeteram a um aborto a mortalidade é entre 3,5 a 6 vezes maior durante o período imediatamente posterior à intervenção e no ano que se segue, do que entre as que dão a luz, principalmente por causa de suicídios, acidentes e homicídios. “A incidência de suicídio é entre 6 a 7 vezes maior do que em mulheres que dão a luz”, indica.

Esses resultados científicos põem em dúvida, na opinião da comissão de especialista do DAV, que a proposta legal do “perigo para a saúde física ou psíquica da mãe”, que atualmente é responsável por 90 por cento dos mais ou menos 113.000 abortos praticados anualmente na Espanha, de acordo com os dados de Ministério da Saúde, “ajude realmente a proteger a saúde da mulher”. Pelo contrário, a comissão do DAV se pergunta “se (esta determinação legal) realmente diminui o risco para a saúde psíquica da mãe”.

Concluindo, o DAV considera que “a evidência científica demonstra que submeter-se a um aborto, longe de melhorar a saúde psíquica da mulher, ocasiona na maioria delas graves transtornos psíquicos”.