Student Action, o setor estudantil da TFP americana, acaba de publicar em seu site interessantes e oportunas observações com o título “10 fatos sobre a maconha que mudarão sua mente”. O lobby da maconha é multibilionário. Passamos a transcrever a matéria de Student Action:

“Quais são os fatos sobre a maconha recreativa? Tem certeza de que é inofensiva? E deveria ser legal?

“Enquanto o lobby multibilionário da maconha insiste que a cannabis é inofensiva, mais e mais pesquisadores e profissionais médicos estão chegando a uma conclusão diferente. Com base em fatos e ciência atualizada, este post irá ajudá-lo a eliminar a desinformação e descobrir o que a maconha recreativa está fazendo para perturbar e destruir o tecido moral e social da América.

Em post anterior transcrevemos os tópicos de 1 a 3 (*). Continuamos, a seguir, a transcrição dos tópicos de 4 a 6.

     “4. A maconha prejudica o desenvolvimento do cérebro

    “A maconha prejudica o desenvolvimento normal do cérebro. De acordo com os Institutos Nacionais de Abuso de Drogas, “quando as pessoas começam a usar maconha quando adolescentes, a droga pode prejudicar o pensamento, a memória e as funções de aprendizado e afetar como o cérebro constrói conexões entre as áreas necessárias para essas funções”. O consumo de maconha é especialmente prejudicial para mentes jovens. Os Institutos Nacionais de Saúde mencionam como os adolescentes que fumavam maconha na vida adulta perderam em média 8 pontos de QI. [8] Outros efeitos colaterais prejudiciais da cannabis incluem reflexos lentos, habilidades motoras prejudicadas, um senso de tempo distorcido, deficiência mental, comportamento suicida e paranóia. [9]

5. Maconha afeta bebês não nascidos

      “Os Centros de Controle de Doenças (CDC) emitiram um aviso: “O uso de maconha durante a gravidez pode ser prejudicial à saúde do seu bebê. Os químicos da maconha (em particular, o tetrahidrocanabinol ou o THC) passam pelo seu sistema para o seu bebê e podem prejudicar o desenvolvimento do seu bebê ”. O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas também é claro: as mães grávidas não devem usar maconha antes, durante ou depois da gravidez. [10] No entanto, 70% dos dispensários de cannabis no Colorado – quase 280 lojas – comercializam intencionalmente a maconha para as mães para tratar a morning sickness [11].  Por que os políticos estão fingindo que isso não é um problema?

6. A maconha destrói a saúde mental

        “O uso de maconha tem sido associado à paranóia, esquizofrenia e outras doenças mentais. As Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina relatam que “há evidências substanciais de uma associação estatística entre o uso de cannabis e o desenvolvimento de esquizofrenia ou outras psicoses, com o maior risco entre os usuários mais frequentes.” [12] Depois de conduzir um estudo internacional, uma equipe de cientistas da McGill University concluiu que “… usuários jovens de maconha estão apostando com risco de depressão ou comportamento suicida.” [13] Para o Dr. Richard Fitzgibbons, o problema não é teórico. “… Sempre que vejo um paciente adulto jovem com sintomas psicóticos, o principal fator de risco que eu exploro é o histórico de consumo de maconha.””

* * *

      Reproduzindo essas interessantes observações e oportunos comentários de Student Action sobre os efeitos nocivos do uso da maconha estamos seguros de prestar, especialmente a nossos jovens, uma poderosa ajuda para se fortalecerem moral e psicologicamente face à investida multibilionária do lobby pró drogas.

      Assim se constroi o novo Brasil, alicerçado nos principios morais, no fortalecimento da razão e da vontade.

      Continuaremos no próximo post.

(*) https://ipco.org.br/10-fatos-sobre-a-maconha-que-mudarao-sua-mente/#.XQBPpIhKiUk

[8] “What is marijuana,” Drug Facts, rev. June 2018, National Institute on Drug Abuse,

https://www.drugabuse.gov/publications/drugfacts/marijuana.

[9] Eric MacLaren, Ph.D., “Marijuana Abuse,” DrugAbuse.com, accessed May 30, 2019, https://drugabuse.com/library/marijuana-abuse/.

[10] “Marijuana Use During Pregnancy and Lactation,” ACOG Committee Opinion 2017 Number 722, Oct. 2017, American College of Obstetricians and Gynecologists, https://www.acog.org/Clinical-Guidance-and-Publications/Committee-Opinions/Committee-on-Obstetric-Practice/Marijuana-Use-During-Pregnancy-and-Lactation.

[11] Tessa L. Crume, PhD, MSPH1, Ashley L. Juhl, MSPH2, Ashley Brooks-Russell, PhD, MPH3, Katelyn E. Hall, MPH4, Erica Wymore, MD, MPH5, Laura M. Borgelt, PharmD6, “Cannabis Use During the Perinatal Period in a State With Legalized Recreational and Medical Marijuana: The Association Between Maternal Characteristics, Breastfeeding Patterns, and Neonatal Outcomes,” The Journal of Pediatrics, June 2018, 197:90–96, https://www.jpeds.com/article/S0022-3476(18)30181-1/abstract.

[12] “The Health Effects of Cannabis and Cannabinoids: The Current State of Evidence and Recommendations for Research (2017),” The National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine, https://www.nap.edu/catalog/24625/the-health-effects-of-cannabis-and-cannabinoids-the-current-state.

[13] MUHC Communications, “Increased depression and suicidal behaviour risk for young cannabis users

New international study reveals percentage of young cannabis users are gambling with risk of depression or suicidal behavior,” McGill Reporter, Feb. 14, 2019, https://reporter.mcgill.ca/increased-depression-and-suicidal-behaviour-risk-for-young-cannabis-users/.

Deixe uma resposta