Como haveria muito o que dizer de cada um desses Apóstolos, o espaço nos obriga a tratar de São Pedro, primeiro Papa, e sobre quem repousa a Igreja Católica.

Para ressaltar a sua extraordinária vocação de chefe supremo da Igreja, fazemos nossas as palavras dos Pequenos Bolandistas:

“Como poderíamos recusar um elogio àquele que o próprio Filho de Deus, que é a Verdade eterna, declarou bem-aventurado, e que deixou em seu lugar quando retornou a seu Pai, a fim de que ele fosse o sustentáculo e a pedra fundamental de sua Igreja?

“É dele que foi dito pelo profeta Isaías, segundo a explicação do sábio e piedoso cardeal São Roberto Belarmino, que para estabelecer mais solidamente o edifício de Sion, Nosso Senhor punha em seus fundamentos uma pedra experimentada, angular e preciosa, que seria ela mesma fundada sobre o primeiro e principal fundamento, quer dizer, sobre a sua adorável Pessoa.

“Foi a ele que Nosso Senhor mandou confirmar seus irmãos, e deu as chaves do reino dos céus com uma autoridade tão grande de ligar e desligar, que a sentença de Pedro deve preceder a sentença de Deus, e que tudo o que Pedro ligar ou desligar na Terra, é ao mesmo tempo ligado ou desligado nos Céus; a quem, enfim, Deus ordenou apascentar todas as suas ovelhas e todos os seus cordeiros, sem que houvesse um só que não estivesse sob a sua conduta”.

Simão — nome que recebeu na circuncisão — nasceu em Betsaida, nordeste do Mar da Galileia, à margem esquerda do Jordão, não distante de sua foz.

De seus pais nada sabemos, a não ser que o pai era pescador. Ele tinha pelo menos um irmão, André, que se tornará também um dos Doze Apóstolos.

Chegando à idade adulta, Simão, como seu irmão, seguiu a profissão do pai, tornando-se pescador. Casou-se então, e mudou-se para Cafarnaum, na Galileia, onde aparece, no início da pregação de Jesus pelos anos 26 a 28, morando com a sogra e seu irmão André.

Simão, André e João, atraídos como muitos de seus contemporâneos judeus pela pregação de João Batista, tornaram-se seus seguidores. Depois, quando os dois últimos encontraram-se com Cristo Jesus, André, levou o irmão para conhecer Jesus. Ao vê-lo, o Messias fixou o olhar sobre ele e disse: “Tu és Simão, filho de João, serás chamado Cefas”, que quer dizer pedra.

Algum tempo depois, caminhando o divino Salvador pelas margens do Mar da Galileia, viu Simão e André que pescavam. E disse-lhes: “Vinde após mim e vos farei pescadores de homens”. Na mesma hora eles abandonaram as redes e O seguiram. Pouco depois o Messias chamou também os dois filhos de Zebedeu, que também tudo abandonaram para segui-Lo.

Os quatro pescadores acompanharam então Jesus a Cafarnaum e viram Mestre expulsar o demônio de um possesso. O Messias foi em seguida à casa de Simão e curou a sogra dele.

Quando Nosso Senhor julgou chegada a hora de associar colaboradores especiais à sua obra de evangelização, reuniu seus discípulos e, dentre eles, escolheu doze, a quem chamou “Apóstolos”. Simão é sempre mencionado em primeiro lugar: “Isso não é uma simples formalidade de protocolo, mas o indício da situação excepcional ou do lugar preponderante de Pedro no colégio apostólico”.

O Príncipe dos Apóstolos é sempre um dos três privilegiados escolhidos por Nosso Senhor em ocasiões especiais, como para assistir à ressurreição da filha de Jairo, à sua Transfiguração, e à sua agonia no Horto. Depois da primeira multiplicação dos pães, é ainda Simão que anda sobre as águas para ir ao encontro do divino Mestre.

Com toda a naturalidade os Evangelistas, referindo-se aos Apóstolos, dizem às vezes: “Pedro e os seus”. É a Pedro que aparece Cristo ressuscitado antes que aos demais Apóstolos.

Parece bem, aliás, que Jesus se empenhe de modo todo particular na formação de Pedro. Ele o instrui e repreende; mas também o favorece com prodígios. É sua rede que se enche nas duas pescas milagrosas. Ele o faz caminhar sobre as águas. É ainda Pedro que Jesus admoesta em Getsemani. Depois da ressurreição, o anjo diz às santas mulheres: “Ide e dizei a seus discípulos e a Pedro…”.

É São Pedro que, a uma pergunta de Nosso Senhor, falando em nome dos Doze, ele exclama: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!”.

Ao ouvir essas ardentes palavras, o divino Mestre fez então a Pedro estas solenes promessas: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na Terra será ligado nos Céus, e tudo o que desligares na Terra será desligado nos Céus”.

Não foi somente a Pedro e à sua pessoa, mas também à de todos os seus sucessores, que Nosso Senhor disse “Tu és pedra, e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”, e também “confirma teus irmãos; apascenta minhas ovelhas”. Como essa Igreja deveria subsistir até o fim dos séculos, era necessário dar-lhe uma sucessão de pastores, tão estável como ela mesma, que exercessem o mesmo poder, e que não terminasse senão com o mundo universal.

É a esse Apóstolo que diz o Salvador: “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como o trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, por tua vez, confirma os teus irmãos”.

Nesse momento solene da Última Ceia, o Redentor diz que rezou de modo especial por Pedro, e só por ele, para que sua fé não desfalecesse.

É verdade que o Príncipe dos Apóstolos, cedendo à humana fraqueza, negou por três vezes o Redentor. Mas não o fez de coração, só de boca. Por isso, quando Jesus, ao passar, o olhou com um olhar entristecido, São Pedro reconheceu sua falta e chorou amargamente. Pela penitência de Pedro e pelas lágrimas que verteu no resto de sua vida, somos obrigados a reconhecer que essas quedas lhe serviram para a santificação, para um bem maior segundo os desígnios divinos.

Mas depois de ressuscitado, o Salvador, mostrando que com seu pecado Pedro não tinha perdido a supremacia, disse-lhe por três vezes, como que para apagar cada uma de suas negações: “Simão, amas-me mais do que estes?”. E lhe incumbiu de apascentar suas ovelhas.

Depois da Ascensão de Nosso Senhor ao Céu, é Pedro quem continua a ter a principal função na Igreja nascente. Como já dissemos, é ele quem promove a eleição de Matias para o lugar de Judas. E no dia de Pentecostes recebe, junto com a Virgem Maria e os outros Apóstolos, o Divino Espírito Santo.

Foi também São Pedro quem praticou o primeiro milagre, quando, em companhia de São João, curou o coxo de nascença no templo. E quando foram presos, foi ele quem justificou sua ação diante dos juízes. Foi ele também quem condenou Ananias e Safira por terem mentido ao Espírito Santo. É também ele quem decide a admissão dos pagãos na Igreja. A ele cabe, enfim, a direção do Concílio de Jerusalém.

Deus Nosso Senhor confirmava por inúmeros milagres a atividade apostólica de seus discípulos, e principalmente de São Pedro. São Lucas narra que os habitantes de Jerusalém e das cidades vizinhas “traziam os doentes para as ruas, e punham-nos em leitos e macas, a fim de que, quando Pedro passasse, ao menos a sua sombra cobrisse alguns deles”, que eram assim curados.

A ida de São Pedro para Roma e seu martírio são fatos inquestionáveis na tradição, embora não haja dados concretos de sua atividade na capital do Império. Entretanto, o fato é atestado por uma série de testemunhos distintos, estendendo-se do fim do primeiro século ao fim do segundo.

Com relação ao martírio de São Pedro e São Paulo na capital do Império, citemos apenas o testemunho do Papa São Clemente de Roma, em sua epístola aos coríntios, escrita entre os anos 95 e 97, cuja autenticidade não é posta em dúvida.

Da estadia de São Pedro em Roma e de seu martírio como primeiro bispo da Cidade Eterna – portanto, o primeiro Papa –, deriva a primazia da sede romana e o primado de Pedro sobre todas as igrejas do universo.

Esse primado nos leva ao de seus sucessores até os nossos dias, e, por conseguinte, ao dogma do primado pontifício.

Como o fizemos no início, encerramos a presente matéria com os Pequenos Bolandistas: “O fruto que os fiéis devem tirar desta vida não é somente o de imitar as grandes ações e as virtudes admiráveis desse Príncipe dos Apóstolos. Mas também de se apegar, com uma fé tão firme e tão constante, à doutrina de sua Sé. Que nenhuma tentação, nenhuma perseguição, nenhuma astúcia dos hereges, nenhuma dificuldade sugerida pelo demônio, sejam capazes de nos separar dela. Porque aquele que está apegado a essa Sé caminha na luz e na via da salvação. Mas o que dela se separa, lança-se nas trevas e não pode esperar outra coisa senão ser condenado com os infiéis e os inimigos de Deus”.

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.

Deixe um comentário!