Pope Francis’s New Ostpolitik with Communist China Is Just Like the Old One

21 de outubro de 2020 | James R. Bascom, American TFP

Em setembro de 2018, o Vaticano e a China Comunista assinaram um acordo histórico no qual o Partido Comunista Chinês (PCCh) concordou em reconhecer a Igreja Católica como entidade legal na China. Em troca, o Vaticano concedeu ao PCCh o poder de indicar bispos sobre os quais o Vaticano retém o direito de veto. Embora a China e o Vaticano nunca tenham publicado os detalhes, o acordo efetivamente fundiu a Associação Católica Patriótica Chinesa – uma igreja cismática controlada pelo PCCh que não reconhece o Papa – com a Igreja Católica clandestina que permanece fiel a Roma.

Aparentemente, o Papa Francisco negociou o acordo para obter mais liberdade para a Igreja Católica na China e para regularizar a nomeação de bispos. A longo prazo, ele também expressou interesse em estabelecer relações diplomáticas plenas com o Estado comunista em uma data futura.

“Este não é o fim de um processo. É o começo ”, disse o porta-voz do Vaticano Greg Burke. “O objetivo do acordo não é político, mas pastoral, permitindo que os fiéis tenham bispos em comunhão com Roma, mas ao mesmo tempo reconhecidos pelas autoridades chinesas”. O Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano, exortou os católicos a “fazerem gestos concretos de reconciliação entre si e, assim, superar os mal-entendidos do passado, as tensões do passado, mesmo os recentes”.

Nos últimos dois anos, porém, o PCCh empreendeu a pior perseguição religiosa desde a Revolução Cultural. Sob o programa de “Sinicização” do presidente Xi Jinping, o PCCh tentou substituir a religião pelo marxismo e pelos valores “socialistas”. A China está demolindo igrejas, prendendo milhares de clérigos e fiéis e colocando severas restrições e proibições diretas à liberdade de culto.

Como a China usa seus cidadãos como ratos de laboratório
Muitos clérigos e leigos católicos permanecem na prisão por se recusarem a se filiar à Igreja Patriótica, em alguns casos por décadas. O bispo James Su Zhimin, da Diocese de Baoding, foi preso em 1997 e não é visto desde 2003. As prisões de padres e bispos aumentaram desde que o acordo entrou em vigor.

O PCCh aprovou novas leis draconianas contra a religião e começou a restringir outras práticas tecnicamente ilegais que eram anteriormente toleradas. Menores de menos de dezoito anos estão proibidos de receber catecismo ou mesmo de assistir à missa. O PCCh coloca agentes do governo para guardar as entradas da igreja para manter as crianças fora e monitorar quem entra e sai e até instalou câmeras dentro das igrejas para monitorar e registrar quem vai à missa.

O PCCh fechou muitas igrejas católicas, mesmo aquelas que já haviam recebido autorizações. A construção de novas igrejas diminuiu ou parou totalmente. Um mês depois que o acordo foi assinado, dois santuários de Nossa Senhora foram demolidos pelo PCC em nome da “Sinicização”. 1

As cruzes nas igrejas foram derrubadas e substituídas por bandeiras chinesas. As igrejas são obrigadas a substituir os crucifixos por retratos de Mao Zedong e Xi Jinping, e o hino nacional comunista é cantado em vez dos hinos da igreja. A venda pela Internet de artigos e livros religiosos, incluindo a Bíblia, também é proibida.

A perseguição aos católicos é parte de um aumento mais amplo da repressão na China, incluindo a repressão a Hong Kong e as atrocidades contra outros grupos religiosos e étnicos, como os uigures.

Profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso sobre Nossos TemposSaiba Tudo Sobre as Profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso Sobre Nossos Tempos
Embora o Vaticano tenha dado ao PCCh o poder sobre o governo da Igreja Católica – algo repreensível em si mesmo – em troca da liberdade religiosa, o PCCh nem mesmo cumpriu sua parte do acordo. Até o Cardeal Parolin, o principal arquiteto do acordo, admitiu que os resultados “não foram particularmente impressionantes”. No entanto, o Vaticano está determinado a renovar este acordo unilateral, para consternação dos católicos na China e em todo o Ocidente.

As apostas sobre a renovação deste acordo aumentaram significativamente quando, em 18 de setembro, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Michael Pompeo, publicou um artigo na revista First Things intitulado “Católicos da China e Testemunha Moral da Igreja”. Ele criticou o acordo Vaticano-China por não ter conseguido impedir a perseguição aos católicos na China e por comprometer a autoridade moral da Igreja Católica aos olhos dos fiéis. O governo dos Estados Unidos, escreveu ele, estava ao lado dos chineses perseguidos por sua fé.2

O Papa Francisco não é o primeiro Papa a acomodar governos comunistas. A política do Vaticano de relações calorosas e “coexistência pacífica” – chamada Ostpolitik após a política de détente do chanceler da Alemanha Ocidental Willy Brandt em relação à Alemanha Oriental comunista – começou há quase sessenta anos no pontificado do Papa João XXIII e continuou com seus sucessores.

James Bascom, American TFP

Fonte: https://www.tfp.org/pope-franciss-new-ostpolitik-with-communist-china-is-just-like-the-old-one/?PKG=TFP201023m&utm_source=ActiveCampaign&utm_medium=email&utm_content=Vatican+Compromises+with+Communist+China&utm_campaign=TFP201023m+-+Vatican+Compromises+with+Communist+China&vgo_ee=o2t9Nvnm73KSATPLOih4dEzkASpiHornD%2Fz2wZTd1jg%3D

Deixe uma resposta