O valoroso e combativo site TFP Student Action publicou um excelente e documentado artigo, do mexicano Elias Rubio, sobre a combatividade católica e a profissão de fé de um jovem cristero, José Sanchez del Río .

Oferecemos a nossos leitores um resumo:

“A Constituição mexicana de 1917, socialista em seu núcleo, desencadeou este terrível conflito. Colocou a Igreja sob o controle rigoroso do Estado: regulamentou a pregação católica, atribuiu um número fixo de padres por estado, ditou a presença de missas, batizados, casamentos, sacramentos e dízimos”.

“Quando Plutarco Elías Calles assumiu o poder em 1920, no entanto, a nova constituição foi brutalmente aplicada. Calles enviou mais de duzentos padres para o exílio, juntamente com vários arcebispos e bispos”.

Calles proíbe a prática da Religião Católica em público

A pior perseguição foi desencadeada pela injusta Ley Calles (Calles Law) de 31 de julho de 1926. Proibiu a prática da religião católica em público. Toda a educação foi retirada dos cuidados da Igreja e colocada controle direto do Estado. Os votos religiosos eram ilegais. Mosteiros e conventos foram dissolvidos, e os religiosos não podiam mais usar hábitos. As propriedades da igreja foram confiscadas.

Padres que desejam exercer seu ministério tiveram que pedir permissão ao Estado. Frequentemente, essa “permissão” não era concedida. Finalmente, aqueles que não obedeceram a essas leis imorais foram multados ou presos. Uma ofensa “séria” ou repetida muitas vezes significava execução.

O Levante Cristero em defesa da Igreja

Deus suscitou uma forte reação: os Cristeros. Entre esses católicos encontramos a figura heróica de José Sanchez del Rio. O jovem nasceu em 28 de março de 1913 em Sahuayo, Michoacan. Seus pais, Macario Sanchez Sanchez e Maria del Rio Arteaga, tiveram três filhos mais velhos, dois dos quais se juntaram aos Cristeros.

José testemunhou a terrível perseguição à Igreja e, seguindo seus irmãos, decidiu se juntar ao movimento Cristiada. Ele era tão jovem, no entanto, que seus pais estavam relutantes. Depois de muita súplica e uma visita a um oficial cristero, dom Macario e dona Maria deram a José sua bênção paterna. José estava muito feliz, mas também consciente do sofrimento que ele suportaria. Antes de partir, ele declarou: “Por Jesus Cristo, farei tudo.”

No acampamento Cristero José foi incumbido de  carregar água, preparar o fogo, servir comida e café, lavar pratos, alimentar os cavalos e limpar rifles.

Ele fervorosamente participava da missa diária e rezava o Rosário com os soldados todas as noites. José aprendeu a tocar corneta para a batalha, e foi colocado aos cuidados do General Luis Guizar Morfin que, com a intenção de proteger o rapaz, lhe deu o dever de portador padrão.

Como ele salva o General

Em menor número e com menos armas, os Cristeros usaram táticas de guerrilha durante batalhas acampadas. Em 6 de fevereiro de 1928, os Cristeros emboscaram o inimigo entre Cotija e Jiquilpan. Quando a ordem foi dada para recuar, sob fogo das metralhadoras do Governo, José viu o cavalo do General cair morto abaixo dele. Embora o próprio General não tenha sido gravemente ferido, José correu, desceu do próprio cavalo e pediu-lhe para levá-lo: “General, aqui está meu cavalo!

O general respondeu: “corra jovem, corra! Vá!”

Mas José insistiu: “Eu sou jovem; Você é mais importante do que eu! Viva Cristo Rey!”

Tomado pelo sacrifício do garoto, o general aceitou o cavalo e fugiu. José, recusando-se a correr, ficou para trás para fornecer fogo de cobertura para seus companheiros Cristeros, mas ele logo ficou sem munição e foi capturado pelos federais.

“Eles empurraram, bateram, chutaram e insultaram enquanto pronunciavam blasfêmias. Outro jovem, Lorenzo “El Escurridizo”, também foi capturado. Sua execução foi interrompida por um general federal que pediu aos dois rapazes para se juntarem ao lado anti-católico. José respondeu sem hesitar:”

“Você me capturou porque eu fiquei sem munição, mas eu não desisti!” Surpreso com a resposta, o general jogou José e Lorenzo na prisão em Cotija”.

Atrás das grades, mas sempre fiel

Em sua cela, José lembrou do conselho de sua querida mãe: ter total confiança na Mãe de Deus, Nossa Senhora de Guadalupe.

Enquanto o sol da manhã brilhava pela pequena janela da cela de José, ele escreveu uma carta para sua mãe datada de 6 de fevereiro de 1928.

Minha querida mãe:

“Fui feito prisioneiro em batalha hoje. Acho que vou morrer em breve, mas não me importo, mãe. Renuncie à vontade de Deus. Morrerei feliz porque morro do lado do nosso Deus. Não se preocupe com minha morte, o que me mortificaria. Diga aos meus irmãos para seguirem o exemplo de que seu irmão mais novo os deixa, e fazer a vontade de Deus. Tenha coragem e me mande sua bênção junto com a do meu pai”.

“Envie meus cumprimentos a todos uma última vez e finalmente receba o coração do seu filho que te ama tanto e que queria vê-lo antes de morrer”.

  • José Sanchez del Rio

Da prisão ao Martírio: “Viva Cristo Rey!”

A ordem para matar José Sanchez del Rio foi emitida em 10 de fevereiro, às seis horas e a execução em si estava marcada para as 8:30.

José foi autorizado a escrever uma carta final para sua família, o que ele fez. Trinta minutos antes da execução, a tia de José, Magdalena, trouxe-lhe o jantar. A pedido dela, um padre escondeu o Santíssimo Sacramento no pacote de alimentos e José secretamente recebeu a Santa Comunhão pela última vez.

Imagem relacionadaEm seguida, José se despediu de sua tia: “Nos veremos no Céu em breve.” José estava prestes a chorar, mas ele sufocou as lágrimas porque não queria chorar na frente de uma mulher. “… cuidar da minha mãe. Diga a ela para não se apressar [para me ver] como eu já terei ganho o Céu.”

Os guardas esfolaram os pés de José Sanchez e o fizeram caminhar dez quarteirões, descalço e sangrando, ao longo de um caminho rochoso até o cemitério onde ele seria enterrado.

Os soldados gritavam blasfêmias com ódio satânico

Ao longo do caminho, os soldados gritavam blasfêmias com ódio satânico, louvando o governo sem Deus (de Calles), tentando pressionar o menino a negar sua fé: “É melhor aprender sua lição!” “Vamos matá-lo!” “Que menino orgulhoso e arrogante!”, disseram.

A única resposta de José foi: “Viva Cristo Rey!” e “Viva La Virgen de Guadalupe!”

Já no cemitério, um dos soldados quebrou a mandíbula de José com a coronha. Sem hesitar, os soldados o esfaquearam furiosamente no pescoço, peito e costas. A cada facada, José proclamava o nome de Cristo Rei na força de seus pulmões, “Viva Cristo Rey!”

José estava morrendo lentamente. Mas ele ainda reuniu energia suficiente para desafiar os soldados, dizendo: “Você fez muito comigo, mas Deus ainda me permite [continuar]! Mas quando eu não posso mais falar, se eu mexer meus pés, isso significa: “Viva Cristo Rey e a Virgem de Guadalupe!”.

Um oficial federal se aproximou do menino moribundo e sangrando no chão e perguntou em um tom sarcástico: “O que devemos dizer ao seu pai?” José respondeu: “Que vamos nos ver no Céu! Viva Cristo Rey! e a Virgem de Guadalupe.”

Suas relíquias são guardadas em um caixão de madeira no batistério, o mesmo lugar onde ele foi mantido em cativeiro.

E o artigo de TFP Student Action conclui:

“Vamos imitar as virtudes deste jovem santo: fortaleza, valor, fé, santa audácia, esperança e caridade. Rezemos para que a graça tenha o mesmo entusiasmo para defender a lei e os direitos de Deus que estão ataque hoje, e para suportar todas as dificuldades para a maior glória de Deus e da Santa Madre Igreja”.

“São José Sanchez del Rio, reze por nós. Viva Cristo Rey!”

Fonte: https://tfpstudentaction.org/blog/jose-sanchez-del-rio-hero-for-christ-the-king

Deixe uma resposta