O futuro São Pio X quando jovem...
O futuro São Pio X quando jovem…

Em 1858, com apenas 23 anos de idade, o seminarista Giuseppe Melchiorre Sarto, futuro São Pio X, foi ordenado sacerdote e designado para a paróquia de Tômbolo, de 1.500 almas, no distrito Trentino, na Itália.

Enquanto exercia seu múnus sacerdotal nessa paróquia, veio nela a falecer uma rica senhora, grande benfeitora da Igreja – Isabel Viani –, cujo elogio fúnebre coube ao Pe. Sarto fazer.

O conceito de pobreza evangélica enunciado pelo futuro santo nesse sermão é particularmente digno de nota como reflexo autêntico da doutrina da Igreja. Não podendo transcrever aqui a íntegra de seu belo panegírico, limito-me à parte em que ele trata do conceito de pobreza cristã. Note-se que a falecida era uma senhora muito abastada. O sublinhado é meu.

*      *     *

“E não estranheis, senhores, se eu vos afirmar que ela foi pobre […]. No meio de tantas espécies de pobreza que vemos sobre a Terra, não há senão uma digna dos carismas celestes, capaz de conquistar a estima e o amor das almas virtuosas e perfeitas.

e depois no auge da santidade
… e depois no auge da santidade

“Não pretendo aqui comentar aquela necessária e inevitável falta de bens a que são condenados todos os que nascem em famílias necessitadas nas quais faltam todos os meios de melhorar o seu estado. Essas, para serem dignas de louvor, devem com paciência transformar em virtude a inevitável necessidade.

“Não falo também daqueles que aí vemos errar pelas estradas e que, debaixo de seus farrapos de pobres, escondem riquezas de desejos.

“Falo sim, daqueles que seguem a lei do espírito e da verdade

, que não exige o sacrifício material e efetivo de seus bens. Falo sim, daqueles que, na abundância de todas as coisas, renunciam moralmente com o afeto e com a vontade a quanto de bem lhes pode oferecer a Terra.

“Esta é a pobreza que tem origem nos exemplos e na doutrina de Jesus Cristo. Pobreza que, no Sermão da Montanha, obteve, entre as bem-aventuranças, o primeiro lugar e as primeiras honras (*). Pobreza que, com o seu gracioso aspecto, soube cativar a grande alma de Isabel Viani, que durante toda a sua vida não teve um só ato de complacência, e direi melhor, um só olhar para sua grandeza terrena.” (D. Frei Vitorino Facchinetti, O.F.M., “Pio X”, Editora Vozes, Petrópolis, 1945, p. 73).

__________________________________

(*) O Pe. Sarto se refere aqui à bem-aventurança expressa no Evangelho de São Mateus (5,3): “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome