Realizado em São Paulo grande ato público de reparação contra a peça Jesus Cristo SuperStar

Cerca de 140 pessoas (representando mais 44.000 brasileiros que assinaram a petição ao Ministério da Cultura) compareceram em frente ao teatro do complexo Ohtake Cultural para participar do ato de reparação contra a ópera rock “Jesus Cristo SuperStar”.

Na Sexta-Feira Santa os promotores  da peça ousaram encenar a obra teatral que já causou horror no mundo inteiro, sendo proibida em alguns países pelo seu teor ofensivo a Nosso Senhor Jesus Cristo.

Sob uma suposta visão de Judas dos últimos dias de Nosso Senhor Jesus Cristo, este é apresentado à platéia não como o Filho de Deus, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, enviado pelo Pai, mas como um simples homem escolhido por Deus. Além de negar a Divindade de Cristo, a peça também insinua uma paixão carnal entre Jesus e Madalena. Como o próprio ator principal, Igor Rickly afirmou em entrevista para Revista Glamour: “não fica explícito, mas tem algo ali, sabe? Rola um quase beijo. Agora, o intuito não é ofender ninguém! Estamos tratando Jesus como humano” (13/3/2014).

Como o leitor pode bem ver, trata-se de uma peça realmente blasfema, adjetivo este que tem incomodado muito aos atores e produtores da peça, mas não há como um católico praticante não ver tal ofensa à figura Sagrada de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Por isso, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira promoveu um ato público de reparação, na Sexta-Feira Santa, às 19:30, em frente ao teatro onde tal peça está sendo encenada. Veja abaixo o vídeo do evento: