Caravana pela Família atrai populares em Apucarana

A campanha, segundo o coordenador Daniel Félix de Souza Martins, visa a alertar a opinião pública para os principais adversários da família nos dias de hoje

A maioria das pessoas que estava na área central de Apucarana na manhã desta quinta-feira (10) parou ver a movimentação da caravana composta por 34 voluntários do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, de São Paulo.

Eles estão percorrendo o território nacional em defesa do que classificam como “princípios perenes da civilização cristã“.

Veja vídeo
Caravana do IPCO
em Apucarana, PR.
CLIQUE PARA VER

Denominada de Cruzada pela Família, a campanha, segundo o coordenador Daniel Félix de Souza Martins, visa a alertar a opinião pública para os principais adversários da família nos dias de hoje, com destaque para o projeto do novo Código Florestal, o aborto, a agenda do movimento homossexual e diversos outros pontos contidos no projeto do novo Código Penal.

Portando uma espécie de megafone artesanal, grandes bandeiras e até gaitas de fole, os voluntários do instituto fundado pelo idealizador do Movimento Tradição, Família e Propriedade (TFP), de cunho monarquista e ligado à Igreja católica.

Eles abordaram vários populares e muitos foram atraídos pelas argumentações dos cooperadores do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira – IPCO.

O grupo aproveitou para divulgar o livro “Psicose Ambientalista”, do príncipe Dom Bertrand de Orléans e Bragança, que defende os que eles classificam com mais um princípio básico da civilização cristã: o direito de propriedade.

Segundo os integrantes da caravana, a propriedade privada estaria gravemente ameaçada pelo movimento ambientalista.

Outra questão abordada foi o Projeto de Lei Complementar (PLC) 122/2006, conhecido com “Lei da Homofobia”.

O projeto vai entrar novamente em pauta no Congresso Nacional, com o novo texto de autoria da Senadora Marta Suplicy.

Segundo os cooperadores do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, o texto instalaria uma verdadeira perseguição religiosa, e colocaria num mesmo patamar os direitos dos idosos, crianças e deficientes, e a prática homossexual, que, segundo eles, é “um vício contrário à Lei de Deus“.

Fonte: TNonline