“ROMA, 8 de janeiro de 2020 (LifeSiteNews) – O cardeal Joseph Zen, a principal voz para os católicos perseguidos na China, enviou uma carta ao (membros do) Colégio dos Cardeais implorando-lhes para denunciar o recente acordo que o Vaticano assinou com o governo comunista da China.

O Cardeal compartilhou os “dubia” de julho de 2019

“Juntamente com a carta, o bispo emérito de Hong Kong, de 87 anos, também compartilhou com seus irmãos cardeais vários “dubia” que ele deu ao Papa Francisco em julho de 2019, após o lançamento, em junho, do Vaticano de novas diretrizes relativas ao registro civil de clero na China. Esses dubia foram publicados no LifeSite em julho passado em um artigo de Bree Dail.

“Em sua missiva, o Cardeal Zen observa o silêncio contínuo do papa, apesar de expressar interesse inicial na análise do cardeal do documento.

“A carta, datada de 27 de setembro de 2019, foi publicada esta manhã pelo jornalista italiano Marco Tosatti (em italiano) e Infovaticana (em espanhol) e foi recolhida pelo agregador do Vaticano Il Sismografo.

A Carta aos Cardeais

“Eminência

“Perdoe o inconveniente que minha carta lhe causará. É justo que, em consciência, acredito que o problema que apresento aqui diz respeito não só à Igreja na China, mas a toda a Igreja, e nós, cardeais, temos a grave responsabilidade de ajudar o Santo Padre a guiar a Igreja.

Pope apologizes for ‘poor example’ in slapping woman’s hand New Year’s Eve“A partir da minha análise do documento da Santa Sé (28 de junho de 2019), “Diretrizes pastorais da Santa Sé sobre o registro civil do clero na China”, é bastante claro que incentiva os fiéis na China a entrar em uma igreja cismática (independente do papa e as ordens do Partido Comunista).

“Em 10 de julho, apresentei meu “dubia” ao Papa. Sua Santidade, em 3 de julho, havia prometido se interessar por eles, mas até hoje eu ainda não ouvi nada.

“O Cardeal Parolin diz que hoje, quando falamos sobre a Igreja independente, essa independência não deve mais ser entendida como absoluta, porque o acordo reconhece o papel do papa na Igreja Católica.

“Em primeiro lugar, não posso acreditar que existe tal declaração no acordo, e não a vejo lá. (por que tal acordo deve ser secreto, e por que não é concedido mesmo a mim, um cardeal chinês, vê-lo?) Mas, ainda mais claramente, toda a realidade após a assinatura do acordo mostra que nada mudou.

(…)

“Eminência, podemos testemunhar passivamente o assassinato da Igreja na China por aqueles que devem protegê-la e defendê-la de seus inimigos?

“Implorando de joelhos, seu irmão,

“Cardeal Joseph ZEN, SDB”

  • * * *
  • A Igreja não pode aceitar um Acordo com o Regime Comunista que lhe negue o direito de criticar o regime, o direito de pregar sobre os Dez Mandamentos, o direito de propriedade, a família.  https://www.pliniocorreadeoliveira.info/ALIEC_1974_bucko.htm
  • O “Acordo Provisório” (cláusulas secretas) e o documento da Santa Sé (28 de junho de 2019), “Diretrizes pastorais da Santa Sé sobre o registro civil do clero na China”, são bastante claros e incentivam os fiéis na China a entrar em uma igreja cismática (independente do papa e às ordens do Partido Comunista).
  • * * *
  • Os comunistas chineses — seguindo a Cartilha de Xi Jinping — usam do Acordo para perseguir os católicos fieis à Roma, demolem igrejas e perseguem membros do Clero que se recusam à filiar-se à Igreja Patriótica, lacaia de Pequim.  https://ipco.org.br/china-persegue-e-fecha-ate-obras-de-caridade-catolicas/
  • Na China, a Igreja Católica fica submetida ao PC
  • Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/cdl-zen-decries-vatican-china-deal-in-letter-to-cardinals-it-disgusts-me

Deixe uma resposta