China (PCCh) aprisiona e tortura sacerdotes católicos

0

Fr. Liu é um dos 20 padres da diocese que “se recusaram a aderir à Associação Patriótica Católica Chinesa” e são, portanto, “vistos como ameaças à segurança nacional”. Esses padres são considerados “’ilegais’ e uma ‘subversão ao estado’.”

De que serve o Acordo Vaticano-Pequim?

O Vaticano renovou, por mais dois anos, em outubro passado, o Acordo Provisório com Pequim. Com inexplicáveis cláusulas secretas até para o cardeal Zen (Hong Kong) o Vaticano parece ignorar as constantes denúncias de pressão, tortura, prisão de sacerdotes e leigos perpetradas pelo PCCh.

“CHINA, 26 de novembro de 2020 (LifeSiteNews) – O refugiado, jornalista católico Dalù, detalhou a tortura de padres católicos pelo Partido Comunista Chinês (PCCh), poucos dias depois que um bispo foi ordenado pela igreja aprovada pelo PCCh.”

“Dalù, um pseudônimo, é o jornalista e apresentador de programa de rádio que divulgou o massacre da Praça Tiananmen (1989). Dalù foi posteriormente demitido e fugiu para a Itália, com sua vida poupada apenas como resultado de seu status público.”

Tortura do pe. Liu Maochun: recusa a aderir à igreja patriótica

“Ele postou um vídeo no qual descreveu a tortura infligida a um padre chamado pe. Liu Maochun: “Como forma de intimidação e até mesmo de tortura, a Polícia Chinesa frequentemente bate um gongo perto das orelhas e direciona luzes brilhantes para os olhos, e faz isso de forma consistente por vários dias. Este método de tortura é chamado de ‘exaurir uma águia’. ”

“Dalù continuou: “Por meio dessa técnica, o Padre Liu Maochun da Diocese de Mindong foi privado de sono, foi sequestrado, torturado e repetidamente punido por sua recusa em ingressar na Associação Católica Patriótica Chinesa. A brutalidade e a perversidade absoluta do Partido Comunista Chinês estão além da compreensão. ”

***

Compreende-se perfeitamente a expressão: “além da compreensão” humana. O comunismo é uma seita filosófica, ateia, materialista. Xi Jinping não é menos perseguidor do que Mao e as provas ai estão: a China é a maior violadora dos direitos humanos e da liberdade religiosa.

A Igreja do Silêncio na China, uma esperança para os católicos

Revivemos os dias negros de Stalin, Lenine e Mao.

“Fr. Liu faz parte da Igreja Católica clandestina e, como tal, não é reconhecida pelo estado chinês ou pela Associação Católica Patriótica Chinesa (CPCA). Ele estava visitando seus pais no hospital em 1º de setembro, quando foi preso e colocado “nas mãos do Bureau de Assuntos Religiosos por 17 dias”.

Falando à revista de liberdade religiosa, Bitter Winter, uma fonte da Diocese de Mindong disse: “O governo afirmou que o pe. Liu Maochun desobedeceu ao seu governo e era ‘ideologicamente radical’. ” Em outras palavras, fiel aos ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo: importa obedecer a Deus antes que aos homens.

Bitter Winter confirmou que pe. Liu tem sido persistentemente perseguido pelo PCCh, com as autoridades até mesmo pressionando seus parentes. A fonte mencionou “Fr. Liu Maochun é assistente do bispo Guo. O regime prende e quer controlar os padres próximos a ele que também se recusam a aderir ao CPCA. ”

Nosso Site já mostrou a perseguição que o PCCh move contra o bispo Mons. Guo porque este se recusa a filiar-se à igreja patriótica de Pequim.

***

O governo comunista de Pequim não se conforma com o vazamento de notícias sobre a perseguição religiosa na China. Segundo Bitter Winter a prisão e tortura de Liu fizeram parte de uma investigação para descobrir o vazamento sobre a tortura de pe. Huang, outro padre da diocese que se recusou a ingressar na CPCA.

Recordam-se nossos leitores que há poucos meses o Vaticano se recusou a receber Mike Pompeu que portava uma farta documentação sobre a violação da liberdade religiosa na China de Xi Jinping?

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/renowned-journalist-reveals-ccp-torture-of-catholic-priest-as-chinese-state-appoints-new-bishop

Deixe uma resposta