Uma das qualidades que nós, brasileiros, temos é a bondade que nos leva a nos condoer com as misérias alheias e até bem distantes de nós. Por exemplo, como compreender que Xi Jinping até hoje não tenha visitado a área confinada de 50 milhões em torno de Wuhan?

Sem embargo, nossa Mídia persevera no silêncio sobre a extensão do perigo do Coronavírus, na China. Repetimos, é um procedimento contrário ao nosso modo de ser nacional naturalmente inclinado a fazer o bem.

Nosso Site já abordou esse estranho silêncio https://ipco.org.br/coronavirus-informar-prevenir-alertar-medico-chines-reconhece-seu-erro-tarde-demais/

Jornais como o New York Times, ElPais e outras fontes do Exterior nos traçam um panorama preocupante. Objetivo e preocupante. Vejamos:

Um bloqueio humano sem precedentes; especialistas questionam eficácia

“O bloqueio é sem precedentes em escala e especialistas têm questionado sua eficácia. Wuhan e a província de Hubei suportaram o peso da epidemia à medida que a súbita paralisação das ligações de transporte para dentro e ao redor da área retardou o transporte de suprimentos médicos vitais. A taxa de letalidade em Wuhan é de 4,1% e 2,8% em Hubei, em comparação com 0,17% em outros lugares da China continental.

Não há transparência na contagem do número de mortos e infectados

A falta de transparência é regra na China dominada pelo PC.

“Autoridades de saúde disseram na quinta-feira que 563 pessoas morreram devido ao vírus, contra quase 500 pessoas no dia anterior, e que 28.018 casos haviam sido confirmados. Na segunda-feira, o número de casos confirmados foi de 20.438, um aumento de mais de 35% em apenas alguns dias.

“Muitos médicos acreditam que mortes e infecções são subestimadas porque hospitais e laboratórios estão severa pressão para testar o vírus. Autoridades locais na província de Hubei, o centro do surto, pediram aos profissionais de saúde que acelerem o processo.
Muitos residentes doentes em Hubei também dizem que foram rejeitados por hospitais sobrecarregados, que não têm kits de teste e leitos.

Um cordão de isolamento de 50 milhões de habitantes

“O cordão que foi imposto pela primeira vez ao redor da cidade de 11 milhões rapidamente expandiu-se para cercar cerca de 50 milhões de pessoas na província de Hubei.

“O governo chinês diz que a quarentena impediu um surto mais amplo, mas seus efeitos sobre os moradores da zona de confinamento levantaram preocupações éticas.

“Este é quase um desastre humanitário” para a região central chinesa, disse Willy Lam, professor adjunto do Centro de Estudos da China da Universidade Chinesa de Hong Kong, que citou suprimentos insuficientes de equipamentos médicos, alimentos e outras necessidades”.

Proceder como em tempo de guerra

“Sun Chunlan, vice-premier encarregado de liderar a resposta do governo central ao surto, disse que os investigadores da cidade devem ir a cada casa para verificar as temperaturas de cada residente e entrevistar os contatos próximos dos pacientes infectados.
“Criar um sistema de plantão 24 horas. Durante essas condições de guerra, não deve haver desertores, ou eles serão pregados no pilar da vergonha histórica para sempre”, disse Sun.
“As autoridades da cidade correram para cumprir essas instruções, instalando abrigos improvisados de quarentena em massa esta semana. Mas crescem as preocupações sobre se os centros, que abrigarão milhares de pessoas em grandes espaços, serão capazes de fornecer até mesmo cuidados básicos aos pacientes e proteger contra o risco de novas infecções”.

Faleceu o médico que tentou (e foi reprimido) dar o primeiro alarme

Dr. Li Wenliang, o médico que fez seus esforços para alertar os colegas sobre um alarmante conjunto de doenças que se assemelhavam à Síndrome Respiratória Aguda Grave ou ao SARS, um coronavírus anterior que devastou a China há quase duas décadas, segundo fontes idôneas, faleceu.

“Se os funcionários tivessem divulgado informações sobre a epidemia anteriormente”, disse o Dr. Li ao The Times. “Eu acho que teria sido muito melhor. Deveria haver mais abertura e transparência.”

O destino do Dr. Li é uma questão singularmente delicada para o governo chinês. Mesmo enquanto as autoridades lutam contra a epidemia, eles tentaram sufocar as críticas generalizadas de que eles mal administraram sua resposta ao surto inicial em Wuhan, uma cidade de 11 milhões na província de Hubei, no centro da China.

No início de janeiro, o Dr. Li foi interrogado por funcionários do hospital e pela polícia depois que ele avisou um círculo de colegas de escola de medicina em 30 de dezembro sobre um surto viral que ele disse parecer semelhante ao SARS. A polícia o obrigou a assinar uma declaração denunciando seu aviso como um boato infundado e ilegal.

  • * * *
  • Por quê nossa Mídia silencia sobre essa verdadeira catástrofe que se abateu sobre a China de Xi Jinping? Onde fica a bondade brasileira? E o direito de sermos informados?
  • Recordamos que até o momento Xi Jinping não visitou a área confinada de 46 milhões de chineses. Essa atitude não fala a favor de um presidente vitalício.
  • Como católicos, quanto gostaríamos que a China, oficialmente, parasse sua perseguição ao Clero e Bispos chineses fieis à Roma. E cessasse a destruição de igrejas e cruzes. Quanto gostaríamos também que o Acordo Vaticano-Pequim permitisse ao Clero uma ampla assistência material e espiritual à toda essa área especialmente afetada.
  • Mas, os comunistas chineses são materialistas. Só lhes interessa a miragem de serem a primeira potência mundial!
  • Fonte: https://www.nytimes.com/2020/02/06/world/asia/coronavirus-china.html?action=click&module=Top%20Stories&pgtype=Homepage

 

Deixe uma resposta