Doutrinação de esquerda nas FFAA americanas, adverte Senador Cotton

0

O Sen. Tom Cotton (R-Ark.) disse ao Secretário de Defesa Lloyd Austin em 10 de junho que “centenas” de denunciantes militares relataram ter sido forçados a receber treinamento de “doutrinação antiamericana”, incluindo teoria racial crítica (CRT).

Teoria Racial Crítica é marxismo

Nosso Site tem abordado o caráter marxista da CRT, Teoria Racial Crítica que tomou impulso no governo Biden.

Em uma audiência no Senado com o Secretário de Defesa, Austin, o Sen. Cotton afirmou que dentro das forças armadas, há “queda do moral, crescente desconfiança entre raças e sexos onde nenhum existia há apenas seis meses” causando aposentadorias e separações inesperadas com base apenas nesses treinamentos.

Um denunciante, alegou Cotton, disse que o treinamento em história militar foi substituído por treinamento sobre brutalidade policial, “racismo sistêmico” e “privilégio branco“. Outra disse que sua unidade deveria ler “Fragilidade Branca”, da autora feminista e proponente da teoria crítica Robin DiAngelo, segundo a senadora.

Em maio, a Força Espacial confirmou que substituiu o tenente-coronel Matthew Lohmeier, um ex-instrutor e piloto de caça, como comandante do 11º Esquadrão de Alerta Espacial. Embora não tenha especificado o motivo pelo qual Lohmeier foi encerrado, a Força Espacial citou comentários feitos por Lohmeier durante um podcast no qual ele denunciou o CRT e alertou sobre a disseminação do marxismo dentro das fileiras da Força Espacial.

Caráter fundamentalista da teoria CRT

O CRT, que se baseia fortemente na teoria crítica marxista e em escritores pós-modernistas, denuncia os EUA e a cultura ocidental como opressora, e freqüentemente afirma que a cultura e as instituições americanas estão promovendo o “racismo sistêmico” ou a “supremacia branca”. Alguns críticos disseram que os proponentes da ideologia aplicam a tática marxista de “luta de classes” para conduzir as pessoas nas linhas de gênero, raça e etnia, ao invés de entre o “proletariado” e a “burguesia”.

Na audiência, Austin disse a Cotton que algum treinamento está planejado para garantir que as forças armadas sejam “bem-vindas a todos os que podem se qualificar e que estão aptos para servir”.

Mas o Sen. Cotton sugeriu que as afirmações de que os militares estão tentando promover a diversidade com esse treinamento estão incorretas.

“[É] sobre um tipo muito específico de doutrinação antiamericana que está se infiltrando em algumas partes de nossas forças armadas, com base nas denúncias que recebemos”, disse ele.

“O exército por décadas tem sido uma das instituições na sociedade onde você tem mais probabilidade de progredir com base em seu próprio desempenho, seu próprio mérito, independentemente da cor de sua pele, de onde você veio, quem foram seus pais.”

O Secretário de Defesa, Austin, continuou afirmando que os militares precisam ser “um pouco melhores”, ser “absolutamente inclusivos” e promover a “equidade”. Os termos “inclusivo” e “equidade” têm sido usados ​​nos círculos de justiça social há anos.

***

Esses são os slogans da esquerda democrata. Inclusão, diversidade, equidade … para BLM e agenda lgbt. Para os conservadores, para os que defendem a América, para o movimento Pró Vida não vale a inclusão.

Nossa Senhora de Guadalupe, Padroeira das Américas, dê força aos anticomunistas americanos para enfrentarem essa onda democrata que visa rebaixar os EUA e ao mesmo tempo promover a agenda anticristã.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/mkt_morningbrief/hundreds-of-whistleblowers-say-military-forcing-anti-american-indoctrination-on-them-sen-cotton_3853770.html?utm_source=morningbriefnoe&utm_medium=email&utm_campaign=mb-2021-06-11&mktids=32c8a217abf7343b95d2e547d91ed91f&est=IZsxo3z%2F8mXzl81avaib8Bsv0To1eZiXjRI7QLfhqbTO4gyZJ4gT9Zqf3cq8KyY%3D

Deixe uma resposta