É difícil hoje a vida do cristão

0
  • Padre David Francisquini*

Os livros sagrados proclamam que a criatura, livre da corrupção, alcança a gloriosa liberdade dos filhos de Deus.  Apesar de gemer no peregrinar dessa vida, num vale de lágrimas, há uma possante eficácia de alcançar a graça, em conformidade com a providência Divina, pelo fato de Nosso Senhor Jesus Cristo, filho de Deus encarnado, ter traçado o caminho da integridade ao determinar: “Se quiseres vir após mim, renuncia-te a ti mesmo, toma a tua cruz e segue-me”. Como? De que maneira? Simplesmente cumprindo sua santa lei, auxiliado pela graça oriunda dos sacramentos e pela prática constante da oração.

“Christianus alter Christus”, o cristão é um outro Cristo. Muitas vezes, dores inenarráveis trespassam a alma dos seguidores fiéis. Essas amarguras, unidas aos indizíveis sofrimentos do Redentor Divino, servem para aplacar a maldade daqueles que têm sede de absurdos, de torpezas e de pecados, obtendo-lhes graças que não receberiam sem o mérito de “outros Cristos”, isto é, de outros cristãos, devotos e dedicados aos princípios imutáveis da Santa Igreja.

Deus é Pai e garante aos filhos, sofredores, que se mantiverem fiéis até o fim, a recompensa demasiadamente grande por todos os séculos. O apóstolo São Paulo afirma que combateu o bom combate e guardou a fé; estava-lhe, pois, garantida a compensação da coroa imarcescível, aquela que jamais perderá o esplendor ao fim da laboriosa missão de evangelizar.

Assim, entendemos a razão da dificuldade, que há atualmente na vida do cristão, sobretudo ao enfrentar o ambiente geral com atitudes e opiniões diferentes das que nele grassam. Dizer ‘não’ ao meio social, tão degradado moralmente, é um ato de coragem, de destemor e de não se deixar compactuar com as ideias revolucionárias. Ser cristão é pertencer à Igreja, e lutar por ela, com denodo e galhardia, é coisa muito alta, mas também muito árdua e nobre.

Segundo recomenda o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira “devemos pensar como a Igreja pensa, sentir como a Igreja sente, agir como a Igreja quer que procedamos em todas as circunstâncias de nossa vida. Isto supõe um senso católico real, uma pureza de costumes autêntica, uma piedade profunda e sincera”. Com efeito, pertencemos à Igreja militante e devemos nessa qualidade lutar em defesa das leis e dos direitos de Deus, sobretudo quando mais generalizadamente vilipendiados.

Não podemos ficar indiferentes diante das ignomínias que todos os dias vêm se acumulando, como a imoralidade desenfreada e suas funestas consequências, a promiscuidade, a prática do aborto, os assassinatos, as revoltas, tudo visando à implantação da sociedade comunista e igualitária.

Olhemos para o Brasil! Revolucionários tentam controlar os destinos da nação, determinando rumos anticristãos, violando valores da família com igualdade de ‘gênero’, aborto, drogas, prostituição, violência e convulsão social. Tudo isso foi sendo lançado e divulgado aos poucos, em pequenas doses, nas mentes humanas, através das novelas, séries, filmes, até mesmo jogos e desenhos animados, considerados infantis, mas que trazem em si uma linguagem subliminar e manipuladora de mentalidades e pervertimento das tendências.

No horizonte podemos divisar a estrada rumo ao precipício, que conduziria os brasileiros à dolorosa situação de nossos irmãos cubanos, venezuelanos e argentinos. A partir do momento em que uma erva daninha viceje no tronco de uma árvore, ela começa a matá-la. Com a devida adaptação, o mesmo não acontece com as pessoas?

Não uma erva, mas um câncer infectou a civilização cristã, forjadora da sociedade orgânica medieval, e a vem aniquilando progressivamente; ao corroer e carcomer de maneira incessante a ordem social e espiritual, produziu a crise de fé e moral que agora atinge seu ápice. Estas reflexões tomam particular relevância com o fato recente, relativo à infeliz família na qual um aborto foi praticamente forçado, mediante falseamento de narrativas estranhíssimas. Com desastrada atuação de autoridades judiciárias, puseram em xeque o valor da vida, dádiva de Deus a ser preservada desde o primeiro instante da concepção. Cada nova vida tem sua finalidade desejada por Deus, o que a torna imune a interferências criminosas alheias. Não é atribuído ao Estado, nem a quem quer que seja, o poder para interromper o curso normal da vida desde a concepção, e sobretudo na fase mais avançada de gestação. É direito inviolável da pessoa humana, não sendo permitido a ninguém, em nenhuma circunstância, interferir neste processo até o nascimento. Pois, vale mais obedecer ao Senhor da natureza, do que acatar determinações de homens, com suas leis perversas e seu querer injusto. Desconhecer as leis do Criador não é senão uma enorme iniquidade e criminosa presunção.

O Mandamento “não matarás” é transgredido sistematicamente nos hospitais onde tais práticas vão se tornando cada vez mais frequentes; qualquer forma de eliminação do nascituro contraria os planos eternos de Deus para cada ser humano criado. Não importa a forma como ele foi gerado, porque interferir numa vida é ir contra os planos do Criador.

É falacioso o argumento de justificação quando se trata de estupro. A criança não tem culpa no pecado de seus genitores. Se alguém tem de pagar, esse não é quem foi gerado, mas os que pecaram, por ação ou omissão, pela forma como foi concebida. Pensar o contrário leva diretamente à ideia criminosa contra o nascituro.

Notícias capciosas dos meios de comunicação objetivaram ardilosamente chancelar um aborto para obter a anuência sentimental dos brasileiros, justificada por suposto estupro. Sabido é o repúdio de quase 90% da população a esse procedimento, pura trama da guerra psicológica revolucionária. Sem argumentos, sem fundamentos, apenas exploram o sentimentalismo, sem ater a racionalidade do homem.

*Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).

  AbortoCrise do Mundo ModernoCruzEleiçõesEsquerdasMandamentosSofrimento

Deixe uma resposta