No norte da Áustria: Schneeberg (literalmente 'Montanha de neve'), coberta pelo gelo 3 de dezembro 2014: a temperatura global não se define pela temperatura local
No norte da Áustria: Schneeberg (literalmente ‘Montanha de neve’), coberta pelo gelo 3 de dezembro 2014: a temperatura global não se define pela temperatura local

Frentes frias desagradáveis precipitam um inverno gelado antes da hora na América do Norte e na Europa. Calores e secas pouco comuns atingem São Paulo e outras regiões.

Quem quiser olhar só para si tem como achar que estamos diante do ano mais quente e seco da história, ou dos mais frios e úmidos.

Porém, a temperatura global não se define pela temperatura local. Ela é definida por um intrincado cálculo com base em milhares de pontos de medição espalhados por toda a Terra. Confira por exemplo: Rede ultra precisa de estações confirma: clima esfriou

Enquanto os cientistas sérios trabalham com esses dados, os inefáveis ambientalistas trabalham com a demagogia, aplaudidos pela mídia e pelos governantes de esquerda. É a grande diferença.

Se quisermos conhecer a verdade, prestemos atenção nos dados globais e na análise dos cientistas.

John L. Casey
Dr. John L. Casey.

O climatologista John L. Casey, interrogado pela Newsmax TV, dos EUA, comentou que os americanos acharam o inverno passado “um dos mais nevados, frios e de baixos registros”.

Ele acrescentou que essa tendência ao esfriamento veio para ficar nas próximas décadas.

Casey é engenheiro de ônibus espacial e ex-consultor da NASA e da Casa Branca para o programa espacial, e presidente da Space and Science Research Corp., empresa de pesquisa de clima sediada em Orlando, Flórida. Ele acaba de publicar o livro Inverno Escuro – Como o sol está lançando o feitiço de 30 anos de frio.

Nele, o autor adverte para uma mudança radical no clima global que Al Gore e outros ambientalistas ideologizados não viram (ou fingem não ver).

Segundo Casey, a terra está esfriando, e rapidamente. A perspectiva para a qual a comunidade científica e os líderes políticos deveriam se preparar está cheia de dias frios e escuros.

Para Casey, a causa é clara: a diminuição da atividade solar.

Os registros indicam tendências semelhantes às observadas no final de 1700 e início de 1800, quando o sol entrou num “mínimo solar”. Quer dizer, numa significativa redução da atividade solar, inclusive erupções e manchas solares.

Se a tendência se confirmar, não seria uma boa notícia. Pois estaríamos entrando num período de 30 anos de frio.

Essa tendência não vai congelar a Terra nem extinguir os humanos.

Não há razão para exageros, no sentido que os ambientalistas extremistas gostam de anunciar para aterrorizar os homens e impor a sua revolução ideológica.

As consequências das temperaturas frias vindouras poderiam incluir carências na produção alimentar, que dariam eventualmente ensejo a tumultos e ao caos social. Porém, podem elas ser paliadas e até dribladas. A inteligência humana tem recursos para isso.

Mas passaremos aperto se, iludidos pela ideologia “rubro-verde” espalhada por ONGs, governos e mídia de viés esquerdizante, não nos prepararmos.

Casey lembrou à Newsmax uma evidência primeira que o ecologismo parece não perceber: “Tudo o que se tem de fazer é acompanhar os ciclos naturais, observar os fatos. Isso leva à inevitável conclusão de que o sol controla o clima, e que uma nova era fria já começou”.

Casey desmascara em seu livro o engano do aquecimento global. Segundo ele, há mais de uma década que os oceanos vêm arrefecendo. E, desde 2007, também a temperatura atmosférica.

A grande pergunta para a Newsmax é: como podem a mídia e as elites científicas ficar falando em aquecimento global, quando na verdade o que está havendo é um arrefecimento?

Para Casey, há teóricos que simplesmente desposaram a teoria errada e agora não sabem como sair do engodo.

Dark Winter, o livro de Casey visa alertar para evitar consequências danosas
Dark Winter, o livro de Casey visa alertar para evitar consequências danosas

Mas há pior: é castigado como herege qualquer cientista que simplesmente sugira o contrário do dogma “verde”.

Cientistas proeminentes apoiam as conclusões de Casey, embora ponham as causas em diferentes aspectos da atividade solar. O astrofísico russo Habibullo I. Abdussamatov, por exemplo, que vai ainda mais longe do que Casey e especula com uma nova mini-era de gelo.

A esquerda ambiental responde com fantasias sobre as emissões de gases estufa. Segundo ela, a freada no aquecimento global é apenas um “respiro” da natureza antes de retomar a profetizada marcha ascendente do aquecimento global.

Mas Casey responde que na história do clima nunca houve nada parecido com esse tal “respiro”.

Em 2007, Casey previu que o sol entraria numa fase de atividade reduzida, que ele chamou de “hibernação solar”, e que as temperaturas oceânicas e atmosféricas entrariam em declínio. Ambas previsões se tornaram realidade.

Ele defende que uma onda de arrefecimento global de longo prazo vai ter efeitos importantes sobre a geologia da Terra. A crosta terrestre vai mudar e haverá mais atividade vulcânica e terremotos.

As mudanças climáticas também afetarão a atividade humana e poderão servir de pretexto para políticas revolucionárias.

Casey prevê que o pior do ciclo de arrefecimento vai acontecer no final dos anos 2020 e início dos anos 2030. Há tempo para se adaptar sem traumas, desde que os pânicos gerados pelo ambientalismo não prevaleçam sobre as decisões das sociedades.

8 COMENTÁRIOS

  1. Tudo mentira, quem acredita nessas porcarias não entende o mínimo de Geo-física, não sabe nada sobre o ciclo do carbono e nem sabe porra nenhuma sobre o ciclo da água e o papel da nuvem no clima do planeta. quanto mais calor, mais água evaporando e por isso mais nuvens. quanto mais nuvens, menos a radiação solar chega na crosta, resfriando-a. com o clima frio e mais denso, menor formação de nuvens e por isso mais sol chega na crosta, aquecendo-a. os siclos de resfriamento e aquecimento mais prolongados são reflexos direto da atividade solar.

  2. ALDO LANGBECK CANAVARRO, Se os polos se derretessem, o nivel do mar não se elevaria, muito pelo contrario, ele baixaria, pois o gelo causa deslocamento no meio liquido. Faça uma experiencia com um balde d’água: encha um balde com água e marque o nivel que ela atinge, depois retire 10% desta agua e ponha para congelar (marque o nivel da agua novamente), depois que congelar, coloque a agua congelada de volta, e veja o nivel da água contendo a parte que congelou, voce verá que está mais elevado do que na primeira marcação. Quando esta água descongelar, o nivel da água vai baixar até a primeira marcação. Esta experiencia é a prova irrefutável de que esse papo de elevação do nivel do mar por causa do descongelamento dos polos é mentira. Alem disso, é apresentado ao mundo geleiras e blocos de gelo do artico e antartida se partindo e caindo na água, coisa natural de acontecer porque essa parte que quebra, o faz por não suportar o proprio peso, e isso acontece porque o gelo da borda é empurrado pelo gelo que se forma no interior. Tudo isso é explicado pela fisica de nivel colegial! Agora, sobre Atafona: Porque isso acontece lá e aqui no Rio de Janeiro ou Niterói não? Será que o mar está se elevando só nestas cidades? Acreditar nisso, seria o supra sumo da burrice!

  3. Excelente materia.
    Mas os abduzidos pelo movimento ambientalista,sempre o serao,porque se quer conhecem de perto uma floresta.
    E mais facil ser conduzido por reportagens midiaticas.
    Vivas a industria madeireira!!!!!!!!!!!!!Que mantem a floresta sempre jovem,sempre em constante renascimento.

  4. Há uns bons anos atraz, um funcionário do serviço de meteorologia da FAB me dizia que era impossível predizer mudanças climáticas num período de mais de 24 horas!
    Hoje, jornal de grande circulação em São Paulo, publica artigo em que
    grupos alemães; americanos e brasileiros se unem para estudar a formação de nuvens na Amazônia, que afetam o clima na América. Conclusão: Mesmo com a ajuda da NASA não se consegue ou muito pouco se sabe sobre o clima.

  5. Se não existe o aquecimento global, não existe o derretimento dos polos, não existe o levantamento do nível dos oceanos, então como explicar o invasão do mar em muitos lugares do mundo como na Republica do Tuvalu e nas cidades litorâneas brasileiras de Atafona no Rj, Icapuí no Ceará e Baia da traição na Paraíba?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome