O Presidente, o Cardeal e a Comunhão para os políticos pró-aborto

Nesta era de secularismo, quando a vida política é separada da vida religiosa, é louvável que um presidente dos Estados Unidos se apresente como um católico praticante e participe publicamente dos sacramentos da Igreja.

No entanto, o catolicismo do presidente Biden é sui generis. Ele não segue a doutrina e a moral católica a respeito do aborto provocado e do pecado homossexual.

Contraste com a Doutrina Católica

Ao longo de sua carreira política, incluindo as eleições gerais de 2020, o Sr. Biden [foto acima] favoreceu a legalização do aborto voluntário. Nos anos mais recentes, ele abraçou o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, oficiando um na qualidade de vice-presidente.

Após a posse, seu governo emitiu um comunicado especificando seu apoio ao aborto e à contracepção, não apenas nos Estados Unidos, mas em todo o mundo:

“Nos últimos quatro anos, a saúde reprodutiva, incluindo o direito de escolha, tem estado sob ataque implacável e extremo. … A administração Biden-Harris [foto acima] está empenhada em regulamentar (a decisão da Suprema Corte) Roe v. Wade e nomear juízes que respeitem precedentes fundamentais como Roe. Também nos comprometemos a nos empenhar no trabalho para eliminar as disparidades entre saúde materna e infantil, aumentar o acesso à contracepção e apoiar economicamente as famílias para que todos possam criar suas famílias com dignidade [sic]. Este compromisso se estende ao nosso trabalho crítico em relação aos padrões de qualidade da saúde em todo o mundo”.(1)

Com relação à homossexualidade e ao “transgenerismo”, é bem conhecida a inclinação pró-LGBT nas nomeações de membros de seu gabinete e para posições em nível de gabinete. O Sr.  Biden também assinou uma ordem executiva afirmando que a política de seu governo é que “as crianças devem poder estudar sem se preocupar se o acesso ao banheiro, ao  vestiário ou esportes escolares vai-lhes ser negado (por causa de seu sexo “escolhido”)” (2).  Da mesma forma, ele restabeleceu o “ transgenerismo” nas Forças Armadas(3), e, de acordo com Antony Blinken, seu agora confirmado Secretário de Estado, “ele planeja nomear rapidamente um emisário internacional LGBT, [e] permitir às embaixadas hastear a bandeira do orgulho (homossexual)”.(4)

Aquele que não aceita totalmente toda a doutrina da Igreja não é católico

O aborto voluntário, o pecado homossexual e o “transgenerismo” são, sem sombra de dúvida, contrários à doutrina e à moral católicas. A Escritura e a Tradição, assim como o Magistério eclesiástico não deixam margem a discussão a esse respeito.[5]

Ora, um católico deve aceitar totalmente e seguir os ensinamentos dogmáticos da Igreja bem como as verdades morais reveladas por Deus. Portanto, quem rejeita uma só dessas verdades reveladas, seja de natureza dogmática ou moral, rejeita todo o depósito da Fé e se expulsa da Igreja. Cada verdade revelada, sem exceção, deve ser aceita.

É o que ensina o Papa Leão XIII na encíclica Satis Cognitum, sobre a unidade da Igreja:

(A Igreja sempre) considerou rebeldes declarados e expulsou de seu seio a todos aqueles que não pensam como Ela sobre qualquer ponto de sua doutrina.…

….aquele que num único ponto recusa o seu assentimento às verdades divinamente reveladas abdica realmente de toda a fé, pois recusa-se a submeter-se a Deus na medida em que Ele é a verdade soberana e o motivo próprio da fé.(6)

“Que ele seja tido por gentio e publicano”

Por sua vez, em sua encíclica Mystici Corporis Christi, o Papa Pio XII afirmou:

“Como membros da Igreja contam-se realmente só aqueles que receberam o lavacro da regeneração (o batismo) e professam a verdadeira fé, nem se separaram voluntariamente do organismo do corpo, ou não foram dele cortados pela legítima autoridade em razão de culpas gravíssimas.

“Portanto …. quem se recusa a ouvir a Igreja, manda o Senhor que seja tido por gentio e publicano (cf. Mt 18, 17). Por conseguinte os que estão entre si divididos por motivos de fé ou pelo governo, não podem viver neste corpo único nem do seu único Espírito divino. …

“Nem todos os pecados, embora graves, são de sua natureza tais que separem o homem do corpo da Igreja como fazem os cismas, a heresia e a apostasia”.(7)

Desse modo, aqueles que defendem o aborto, o pecado homossexual ou o “transgenerismo”,  não apenas teoricamente, mas promovendo ou efetuando sua legalização, não podem ser considerados católicos.

“Sempre que comer este pão …”

Ao tratar da Sagrada Eucaristia, o Concílio de Florença (1438-1445) ensinou que “o efeito que este sacramento opera na alma de quem o recebe dignamente é a união do homem a Cristo”.(8) Como Nosso Senhor disse, “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”.(9)

Dada a santidade deste sacramento, São Paulo alerta para as consequências de recebê-lo indevidamente:

Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que Ele venha. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação”.(10)

Alguns Prelados alertam o Sr. Biden…

Em uma entrevista com Thomas McKenna, o Cardeal Raymond Burke [foto abaixo] , ex-prefeito do Supremo Tribunal da Signatura Apostólica, advertiu que o Sr. Biden não tem condições de receber a Comunhão:

“Portanto, em primeiro lugar, por caridade para com ele, gostaria de lhe dizer que não se aproximasse da Sagrada Comunhão, porque isso seria um sacrilégio e um perigo para a salvação de sua alma.

“Mas também não deveria se aproximar para receber a Sagrada Comunhão porque causa escândalo a todos. Porque se alguém disser ‘bem, sou um católico devoto’ e ao mesmo tempo promover o aborto, isso dá a impressão de que é aceitável para um católico ser a favor do aborto o que, é claro, não é absolutamente aceitável. Nunca foi, nunca será”.[11]

O Arcebispo emérito da Filadélfia, D. Charles Chaput, comentou na mesma linha: “As figuras públicas que se identificam como ‘católicas’ escandalizam os fiéis ao receberem (indignamente) a comunhão, criando a impressão de que as leis morais da Igreja são opcionais. E os bispos dão escândalo semelhante ao não falar publicamente sobre a questão e o perigo do sacrilégio”.(12)

Outros bispos o apoiam

No entanto, alguns prelados, como o cardeal Wilton Gregory, falaram de maneira diferente. A jornalista do Catholic News Service Cindy Wooden entrevistou o arcebispo de Washington, DC. Ela escreve: “Embora alguns católicos acreditem que Biden não deve receber a comunhão quando vai à missa, o cardeal designado Gregory disse que por oito anos como vice-presidente Biden foi à missa e [recebeu a]  comunhão. ‘Não vou me desviar disso’, disse ele”.(13)

Duas igrejas, lado a lado?

Essas atitudes divergentes na hierarquia católica nos levam a perguntar se uns e outros têm a mesma fé católica ou se vemos uma nova religião emergindo da sombra da Igreja Católica.

Existe uma Igreja, baseada na Revelação, que nega a Sagrada Comunhão a pessoas que falam e agem publicamente contra a doutrina e a moral católicas e “obstinadamente persistem no pecado grave manifesto”?(14) E outra que permite a tais pessoas receberem a Sagrada Comunhão sem qualquer demonstração pública de arrependimento?

Só a primeira posição é legítima e corresponde à da Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo:  “Una, Santa, Católica e Apostólica”, como rezamos no Credo niceno-constantinopolitano (o Credo da Missa). A segunda não.

O que é ser católico?

A conduta do novo presidente dos Estados Unidos e de bispos como o recém-nomeado cardeal Wilton Gregory levanta a questão: o que significa ser católico?

Como mostrado nos trechos acima dos Papas Leão XIII e Pio XII, esta pergunta já foi respondida há muito tempo. Muitas outras declarações de papas, concílios e do Direito Canônico poderiam ser adicionadas. Todas, porém, se resumem nisto: católico é aquele que foi batizado e acredita e professa toda a doutrina revelada e proposta pelo Magistério da Igreja, tanto em questões dogmáticas quanto morais.

Com relação a quem rejeite até mesmo um único ponto da doutrina e da moral católica, o Papa Pio XII ensina: “Manda o Senhor que seja tido por gentio e publicano”.

  • Publicado no site da The American Society for the Defense of Tradition, Family and Property em 5 de fevereiro de 2021

Notas

1. Declaração do presidente Biden e da vice-presidente Harris no 48º aniversário de Roe v. Wade”, 22 de janeiro de 2021, https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2021/01/22/statement -from-president-biden-and-vice-president-harris-on-the-48-year-of-roe-v-wade /.

2. “Ordem Executiva de Prevenção e Combate à Discriminação com Base na Identidade de Gênero ou Orientação Sexual”, 20 de janeiro de 2021, https://www.whitehouse.gov/briefing-room/presidential-actions/2021/01/20/executive -ordenar-prevenir-e-combater-discriminação-com-base-identidade-gênero-ou-orientação sexual /.

3. “Ordem Executiva Habilitando Todos os Americanos Qualificados a Servirem Seu País em Uniforme”, 25 de janeiro de 2021, https://www.whitehouse.gov/briefing-room/presidential-actions/2021/01/25/executive-order- em-permitindo-todos-americanos-qualificados-para-servir-seu-país-em-uniforme /

4. Paul LeBlanc e Jennifer Hansler, “O escolhido para secretário de estado de Biden promete nomear um enviado LGBTI e permitir às embaixadas hastear a bandeira do orgulho [homossexual]”, CNN, 19 de janeiro de 2021, https://www.cnn.com/2021/01/19/ policy / antony-blinken-lgbti-pride-flag-biden-Administration / index.html.

5. Ver Cardeal Francesco Roberti e Mons. Pietro Palazzini, s.v. “Aborto”, no Dictionary of Moral Theology (Westminster, Md .: The Newman Press, 1962); TFP Committee on American Issues, Defending a Higher Law: Why We Must Resist Same Sex “Marriage” and the Homosexual Movement (Spring Grove, Penn.: The American Society for the Defense of Tradition, Family and Property, 2012)

6. Leão XIII, encíclica Satis Cognitum, 29 de junho de 1896, nn. 17, 20. http://w2.vatican.va/content/leo-xiii/es/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_29061896_satis-cognitum.html

7. Pio XII, encíclica Mystici Corporis Christi, 29 de junho de 1943, nn. 21-22. http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_29061943_mystici-corporis-christi_po.html

8. Denzinger- Hünermann, n. 1322.

9. João 6,56.

10. 1 Cor 11,26-29.

11.  “Cardeal Burke: Joe Biden Não Deve Receber a Sagrada Comunhão”, National Catholic Register, 29 de setembro de 2020, https://www.ncregister.com/news/cardinal-burke-joe-biden-should-not-receive-holy -comunhão.

12. Charles J. Chaput, O.F.M. Cap., “O Sr. Biden e a Questão de Escândalo”. First Things, 4 de dezembro de 2020, https://www.firstthings.com/web-exclusives/2020/12/mr-biden-and-the-matter-of-scandal.

13. Cindy Wooden, “Em Washington, com o novo presidente, o Cardeal-designado tem esperanças de diálogo,” Catholic News Service, 24 de novembro de 2020, https://www.catholicnews.com/in-washington-with-new-president-cardinal -designar esperanças para o diálogo /.

14. Código de Direito Canônico. Cânon 915. https://domtotal.com/direito/pagina/detalhe/31867/codigo-de-direito-canonico#ancora-24

Deixe uma resposta