Escutas flagram ginecologista aconselhando gestante a conseguir dinheiro com o tráfico

Rio – Um ginecologista que trabalha no Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira, no Catete, é acusado de usar o espaço público para negociar pelo menos dois abortos. Um dos casos foi flagrado em escuta telefônica autorizada pela Justiça, às 13h59 do dia 10 de dezembro. Na ocasião, o médico sugeriu à gestante que conseguisse dinheiro com ‘o pessoal do movimento’, numa possível referência a traficantes na área onde ela mora.

O registro ocorreu três dias antes da operação policial que desarticulou a maior quadrilha de abortos do Rio, responsável por uma movimentação financeira de R$ 500 mil por mês. O caso está sendo investigado pela 19ª DP (Tijuca).

Enquanto estava na clínica, o médico ligou para José Luiz Gonçalves, acusado de chefiar o esquema, para contar que a mulher no seu consultório tomou remédio por conta própria para interromper a gravidez de 11 semanas. Mas o remédio não surtiu efeito. Durante a conversa, o médico disse a Gonçalves que iria cobrar R$ 2,5 mil pelo aborto.

6nabl0qfptp516ca6j930ykgrO valor é ‘promocional’, bem abaixo dos R$ 4,5 mil de uma tabela estabelecida pela quadrilha, baseada no tempo de gestação. Mas a mulher diz estar sem dinheiro, ao pegar o telefone do médico para falar com Gonçalves.

“Olha só, eu tomei 12 Cytotecs (medicamento abortivo). É que eu tô desesperada porque eu já tenho quatro filhos. Eu tirei R$ 1 mil que tinha lá em casa guardado para a ceia de Natal. Eu gastei tudo. Eu nem vou ter ceia. Estou desesperada”, disse, aos prantos.

Mas o relato da gestante não sensibilizou Gonçalves, que bateu o pé no valor estipulado, alertando o médico a manter o preço. Em outra conversa no mesmo dia, quase duas horas depois, o ginecologista diz que ‘fechou três’, em referência ao aborto de três gestantes, segundo a polícia. Entre elas, a mulher que teria entrado chorando no consultório.

DELEGADO: ‘É UM ABSURDO’

“É um absurdo um médico que trabalha num hospital público colocar a vida de pessoas em risco em troca de dinheiro”, criticou o delegado Roberto Gomes, da 19ª DP, que investiga o caso.

Na época da operação policial que desarticulou a quadrilha, em 13 de dezembro, o ginecologista não chegou a ser preso porque as escutas telefônicas ainda estavam em andamento. Depois da ação, duas gestantes o reconheceram, em depoimento na delegacia.

Suspeitos haviam sido detidos em fevereiro

Não foi a primeira vez que José Luiz Gonçalves, apontado como o chefe da quadrilha, e o ginecologista Bruno Gomes, também investigado pela 19ª DP, responderam pelo crime de aborto. Em fevereiro do ano passado, eles foram presos em flagrante pela Divisão de Homicídios (DH) numa clínica em Benfica, suspeitos de estarem fazendo um aborto. Eles respondem ao processo, na 2ª Vara Criminal da Capital, em liberdade.

A 19ª DP investiga a quadrilha desde maio de 2012. De acordo com a polícia, a quadrilha atua há pelo menos três décadas usando telefones antigos como herança de outra geração de ginecologistas que faziam abortos no Rio.

1mamu9gxtyxqehyh099fxliex
Material apreendido por policiais no dia 13 de dezembro, quando seis acusados de aborto foram presos
Foto: Fabio Gonçalves / Agência O Dia

Agência O Dia

“É uma quadrilha estruturada para cometer abortos. Ainda estamos aprofundando as investigações para entender melhor o funcionamento do grupo”, explicou o promotor Marcos Kac, da 9ª Promotoria de Investigação Penal, que está acompanhando o caso.

A QUADRILHA

No dia 13 de dezembro, policiais da 19ª DP (Tijuca) desarticularam a quadrilha com a prisão de seis suspeitos: o que seria o chefão (José Luiz Gonçalves), os médicos Guilherme Estrela e Ivo Tannuri Filho, e as agenciadoras Nilda Pontes, Myriam Hahamovici e Maria José Barcellos.

INDICIADOS E SOLTOS

Todos foram indiciados pelos crimes de aborto e formação de quadrilha. Depois de cumprirem prisão temporária de cinco dias úteis, eles foram soltos, para que a polícia continuasse com as investigações.

MICROCESÁREA

Outros dois suspeitos de integrar a quadrilha foram identificados e indiciados pela polícia: os ginecologistas Eurico Surerus e Bruno Gomes. Segundo a polícia, Gomes era o responsável por abortos em gestantes com mais de 12 semanas de gravidez. Em alguns casos, ele faria a chamada microcesárea, retirando o feto através de intervenção cirúrgica.

NEGÓCIO MILIONÁRIO

De acordo com a polícia, a quadrilha fazia até 50 abortos por semana, que chegavam a custar R$ 8 mil. E atendia gestantes que saíam de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Maranhão. No apartamento onde mora Nilda Pontes, a polícia apreendeu 14.768 dólares (cerca de R$ 35 mil), 12.290 euros (cerca de R$ 40 mil), 715 libras (cerca de R$ 715) e R$ 6,5 mil.

GRAVAÇÃO TELEFÔNICA DA COMBINAÇÃO DOS ABORTOS

Numa primeira conversa, Gonçalves, que seria o chefe, conversa com uma gestante. No diálogo, ela diz que já tinha acertado o aborto anteriormente com um ginecologista. No segundo diálogo, quatro dias depois, o médico está com uma paciente no centro municipal de saúde quando liga para Gonçalves. Pressionado pelo chefe, ele aconselharia a gestante a conseguir dinheiro com traficantes. Horas depois, os comparsas voltam a falar. E o médico diz que fechou outros três abortos. Confira abaixo a íntegra das escutas:

6 DE DEZEMBRO – 16h59

Gonçalves combina aborto com paciente, que cita Eurico.

R. (mulher) — Ai, Gonçalves, graças a Deus. Eu tava conversando com o doutor (fala o nome do ginecologista) agora… Eu já resolvi tudo com ele. Ele mandou marcar um encontro com você.

Gonçalves — Mas ó só… Qual foi o valor combinado? Só por via das dúvidas?

R. — Eu tenho aqui pra te dar mil e quinhentos (R$ 1,5 mil).

Gonçalves — Isso! Fala um ponto cinco. Fica tranquila. Ó só. Eu vou marcar você pra amanhã.

R. — Não, doutor. Por favor. Vamos resolver isso hoje. Eu não aguento mais dormir com isso. Não tem como? Não aguento mais dormir com isso.

Gonçalves — Filha, hoje ninguém vai trabalhar. Foi tudo suspenso hoje. O serviço era hoje. Foi tudo transferido pra amanhã.

Mulher – Amanhã aonde, doutor?

Gonçalves – Você mora aonde?

Mulher – Oi?

Gonçalves – Você mora aonde?

Mulher – Moro em Ricardo.

Gonçalves – Ricardo é um pouquinho distante. Mas nós vamos fazer tudo ali na região do Maracanã. Sabe onde é que é?

Mulher – Maracanã, eu sei chegar.

Gonçalves – Não sabe?

Mulher – Sei, eu sei chegar.

Gonçalves – Ah, tá tranquilo. Mas olha só, olha o que eu vou te falar. Deixa só eu levantar, só um minutinho. Que eu tava deitado aqui com a minha mulher. Minha mulher é um problema sério, não me deixa em paz. Peraí que eu vou agendar com você, filha. Só um minutinho. Vamos começar aqui. Me dá o seu nome.
Mulher fala o nome.

Gonçalves – um ponto cinco, o valor combinado. Você tá com quantas semanas?

Mulher – Então, foi o que eu falei com ele. Eu só fiz o beta HCG, minha menstruação só tá atrasada menos de duas semanas. Minha menstruação sempre foi certinha.

Gonçalves – Então eu vou botar aqui seis semanas pra você, tá ok?

Mulher – Tá.

Gonçalves – Porque não deve ser mais que isso também, não. Me dá seu telefone.

Mulher fala o número do seu celular.

Gonçalves – Ele pegou alguma importância com você?

Mulher – Cinco. Zero ponto cinco.

Gonçalves – Zero ponto cinco, ok. É a cota dele mesmo. Então tá feito aqui então. Tô marcando você pra amanhã. Presta atenção. Mas amanhã, meio-dia, você vai ligar pra mim. Tá ok?

10 DE DEZEMBR0 – 13h59 

O ginecologista recebe uma paciente no centro municipal de saúde, para combinar o aborto. O médico, então, liga para Gonçalves. A gestante, que tinha tomado medicamentos abortivos, diz estar sem dinheiro. Gonçalves fala para o ginelogista manter o valor combinado. Ele, então, aconselha a grávida a conseguir o dinheiro emprestado com “o pessoal do movimento”.

Gonçalves – Ela é dez semanas, terça-feira passada. Tomou 12 cytotecs. Sabe o que é cytotec? Doze.

Médico – Uma louca, né. Mulher maluca.

Gonçalves – Eu falei… (É meu colega de trabalho aqui). Até dez semanas, R$ 2 mil. Agora, e com dez semanas e mais uma semana?

Médico – São 11 semanas, né?

Gonçalves – Onze semanas. É.

Médico – É, 11 semanas aí. Você pode colocar R$ 2,5 mil, no mínimo. R$ 500 pra você e R$ 2 mil pra gente.

Gonçalves – Ah, é, dá. Dá R$ 2,5 mil. Ele concordou (É que nós temos que dividir o dinheiro pra quatro médicos). Alô, alô?

Médico – Tô ouvindo.

Gonçalves – Eu falei que tem que dividir o dinheiro pra quatro. Eu, você e mais dois.

Médico – Eu, você e mais dois. Sem falar no enfermeiro. São cinco.

Gonçalves – E outra coisa. O preço, não é o preço do trabalho. É o preço da responsabilidade, que não tem preço.

Médico – É, a qualidade do trabalho que não tem preço.

Gonçalves – A qualidade do trabalho que não tem preço.

Médico – Fala com ela, ó. Amanhã é o nosso último dia. Só vou voltar em janeiro (…)

Gonçalves – Peraí, dá uma palavrinha com ela rápida aqui. Dá uma palavrinha.

Mulher – Oi, doutor Gonçalves.

Gonçalves – Pois não, minha querida. Pode falar.

Mulher – Oi, olha só, eu tomei 12 cytotecs. É que eu tô desesperada, porque eu já tenho quatro filhos. Eu tirei R$ 1 mil que tinha lá em casa guardado pra ceia de Natal. Eu gastei tudo. Eu nem vou ter ceia. Eu tô desesperada. Eu não tenho mais o que fazer.

Gonçalves – Ah, só. É dois e meio. E não tem nem como fazer menos, não, porque é muita responsabilidade. E você vai dar um trabalho. Esse remédio que você andou tomando, vai aumentar nossos cuidados. Vai aumentar nossos trabalhos. Você não faz ideia.

Mulher – Não tem como passar o cartão assim, sei lá?

Gonçalves – Você pode passar o cartão e pegar o dinheiro emprestado na própria conta. Que o cartão dá o empréstimo.

Mulher – Passar em débito, mas em débito eu não vou ter. Eu poderia arrumar em crédito.
Gonçalves – Você pega no crédito emprestado. Divide em prestações. Tu pega um empréstimo consignado, no próprio cartão de crédito seu.

Mulher – Ah, mas você tem a máquina de cartão aí, eu posso passar R$ 2,5 mil no cartão?

Gonçalves – Não, filha. Você vai no banco e faz isso. No próprio banco seu.

Mulher – Mas aí eu ia pedir pra minha mãe. Ela não sabe que eu tô fazendo isso.

Gonçalves – Minha filha, eu não posso fazer nada. Qual é a sua idade?

Mulher – Eu tenho 25 anos.

Gonçalves – Tá numa idade boa já. Já sabe muito bem como se cuidar, né?

Mulher – Eu tenho quatro filhos. Eu tô desesperada, porque eu já tomei e eu fiz a ultrassom e a cabeça da criança tá cheia de hematoma.

Gonçalves – Não, você não faz ideia. Você arrumou um problema sério pra essa criança. Um problema seríssimo, entendeu? Até de formação cerebral e tudo. Sem falar que você podia ter morrido por hemorragia.

Mulher – É que eu cheguei a sangrar, mas não desceu. A menina.

Gonçalves – Não, não. Isso não funciona. Mete essa porcaria na cabeça. Quem quer vender essa porcaria, fala qualquer besteira.

Mulher – Até agora, no doutor (nome do ginecologista). Eu vim de manhã, ele não veio. Aí, a gente voltou agora de tarde pra vir falar com ele.

Gonçalves – Minha filha, olha só. Quinta-feira é nosso último dia. Eu só vou voltar em janeiro.
Mulher – Tem como baixar um pouquinho, não? Eu não tenho nem com quem arrumar esse dinheiro em tão pouco tempo.

Gonçalves – Filha, eu não posso fazer nada. Você jogou esse dinheiro fora com o remédio. O remédio é caro, você jogou fora. Vê o que você pode fazer. Fala com seus amigos, tá? O (nome do ginecologista) vai te dar meu telefone.

Mulher – Não tem um líquido que joga, porque a menina passou o endereço de uma moça lá na Mangueira. E eu tô com medo.

Gonçalves – Presta bem atenção no que eu vou te falar. Você tá querendo arrumar problemas sérios pra você mesma. Ou você trabalha com profissionais, com médicos. Ou então…

Mulher – É, eu tô com medo. Essa moça até falou que cobra R$ 500. Eu falei, não, mas deve ser furada, que a menina passou mal. Foi pro hospital, ficou quase um mês internada e ainda teve que tirar o útero.

Gonçalves – Pra você ver a m. que é, tá?

Mulher – Mas aí vocês já ligam logo junto, se eu quisesse, não?

Gonçalves – Oi?

Mulher – Já ligam já as minhas trompas junto, não?

Gonçalves – Não, não, não. Trabalho num setor é uma coisa. No outro, é outra.

Mulher – Ah, entendi.

Gonçalves – Uma coisa é uma coisa. Outra coisa, é outra coisa. Não tem nada haver. Olha só, minha filha. Não perde tempo, não, que o negócio tá complicado pro teu lado. Ainda mais com essa porcaria que você fez aí. Não usa mais essas coisas mais, não.

Mulher – Mas eu não tenho opção. Não tenho nem mais dinheiro.

Gonçalves – Você faz o possível e o impossível também, tá?

Mulher – Tá bom. O doutor (nome do ginecologista) quer falar com o senhor ainda, tá?

Gonçalves – Tá ok.

Médico — Fala, amigo.

Gonçalves — Não, não dá mole, não. É isso mesmo, dois e meio (R$ 2,5 mil). Tem que ter responsabilidade, rapaz!

Médico — Olha a responsabilidade.

Gonçalves — Facilita, não… Não afrouxa, não.

Médico (falando com a mulher) — Vai lá na comunidade. Na comunidade, o pessoal empresta. O movimento empresta, empresta. O movimento… Depois, se não pagar, eles vem atrás de você. (volta a falar com Gonçalves). Então tá, amigo. Grande abraço.

10 DE DEZEMBR0 – 15h41

Médico fala com Gonçalves, que o aconselha a não dar atenção a choro de gestantes.

Médico — Cara, quinta-feira à tarde, três certas… Fechei as três agora.

Gonçalves — Fechou três… São três certas, né?

Médico — Aquela que chorou. Aquela que chorou pelo telefone com você é que eu não sei o nome. Eu mandei ela embora. Ela falou que já tá com a grana na mão… Eu meti.

Gonçalves — É lógico, tu lembra de eu te falando?

Médico — Tá, eu sei, eu sei.

Gonçalves — Se chorar, deixa chorar. Entendeu?

Médico — Que ela arranja, arranja.

Gonçalves – Arranja, arranja.

Médico – Consegue, sim.

Gonçalves – Consegue. Ela tem que chorar é pra outro, pra gente, não… Que nós estamos aqui pra resolver o problema dela. O problema dela.

Médico – Claro. Aquela, tem a C. e tem a M. Aquela que eu esqueci o nome, ela é tão gostosa que, porra… Tem aquela que eu esqueci o nome. Bota aí, doutor (fala o próprio nome), aquela, que depois eu digo o nome pra você. C. e M.

5 COMENTÁRIOS

  1. MÉDICO – INDIVÍDUO DIPLOMADO EM MEDICINA, que exerce a medicina para salvar vidas.
    É uma vergonha para nosso país saber que os médicos em plenos ambulatórios municipais praticam os abortos, tirando a vida de seres indefesos. Esses assassinos devem permanecer na prisão não por cinco dias, mas pelo resto da vida, se é que eles tem o direito de viver. Imaginem quantas vidas já foram sacrificadas por esses monstros. Que Deus olhe para cada um desses indivíduos que se dizem médicos e conceda a eles um grande remorso pela pratica dessas monstruosidades.
    Prisão perpétua para eles é pouco. Além disso, deveriam ser aplicado à pena os trabalho forçados, como por exemplo, cortar pedreiras diariamente durante o verão, em pleno meio dia.

  2. O problema é moral. Vejo um problema ainda mais grave do que o fato em si: Se existe “a demanda” por um serviço, ele passa a ser oferecido, mas por ser proibido, cria-se o conflito, aí, simplificando as coisas, entra a justiça exatamente para resolver conflitos, pra isso ela existe… Mas como a demanda do serviço existe e só aumenta em função da baixeza moral e das politicas publicas ( pra mim essas causas se complementam, e se retro-alimentam), a justiça irá decidir pela demanda… Se a mudança não partir do POVO ( orientado pela verdadeira moral), mais cedo ou mais tarde com o aumento do numero de abortos e de “conflitos” a justiça vai decidir pela liberação cada vez mais… A justiça erra grotescamente quando não entende “o valor real das coisas” não avaliam o critério único e imutável do aborto ser um assassinato de um indefeso. Lamentável.

  3. É lamentável uma pessoa estudar para uma profissão tão nobre como a de médico para se tornar um assassino, mas lamentável ainda é estar solto, contudo desejo a ele uma vida curta para que pare de cometer assassinatos, e vá passar a eternidade na companhia do capeta. Mulheres não matem o fruto de seu ventre, assumam com responsabilidade o fruto de seus prazeres, a vocês que cometeram essa atrocidade arrependam-se, peçam perdão a DEUS e trabalhem para que outras mulheres não cometem tal erro. Aproveito e oportunidade para dar uma sugestão para se fazer uma enquete mudar o nome da lei que circula no congresso para legalizar o assassinato de crianças dou minhas sugestões: LEI DOS SANTOS INOCENTES, LEI HERODES OU LEI DO INFANTOICIDIO.

  4. Estes médicos deveriam ter prisão perpétua por todos estes crimes contra todos estes inocentes. Que culpa tem estas crianças abortadas da irresponsabilidade dos adultos e falta de orientação religiosa dos adolescentes?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome