Publicamos a seguir excertos da entrevista que o Prof. Plinio concedeu à Rádio Uruguaiana

  • Entrevista à Rádio Uruguaiana (Rio Grande do Sul) – Excertos

  • R.: Dr. Plinio, qual é a qualidade que o senhor mais preza em si mesmo?

    Dr. Plinio – A qualidade que mais prezo em mim mesmo é de ser filho da Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana. Abaixo disso, mas com que raízes no meu coração, é a condição de brasileiro.

    R.: E o defeito?

    Dr. Plinio – É a minha péssima memória. Tive-a má, desde o tempo de criança. Naturalmente, com o decurso dos anos, ela não pode ter senão piorado.

    R.: O ideal do Sr. qual é?

    Dr. Plinio – Servir com todas as minhas forças até o meu último alento de vida a Igreja, a Civilização Cristã, especialmente no meu querido Brasil.

    R.: O que o Sr. acha do sonho?

    Dr. Plinio – Quem tem verdadeiro ideal não sonha, no sentido que eu presumo que o senhor emprega a palavra sonho: são os sonhos de olhos abertos, dos homens sonhadores, que vivem imaginando coisas impossíveis. Quem tem verdadeiros ideais não sonha. Quem sonha não tem verdadeiros ideais.

    R.: O lazer do Sr.?

    Dr. Plinio – De preferência leituras históricas. E entre as leituras históricas, de preferência, biografias.

    R.: O Sr. tem medo?

    Dr. Plinio – Sim, de Deus.

    R.: De música, quais as que o Sr. gosta?

    Dr. Plinio – Eu gosto da música gregoriana, da música polifônica e de músicas militares de bom quilate.

    R.: Dr. Plinio, queríamos saber a opinião do Sr. sobre o cinema, teatro, TV e rádio.

    Dr. Plinio – Tenho a vida terrivelmente ocupada e, por isso, não tenho tempo de acompanhá-los. Devo acrescentar que, desde meu tempo de moço, de mocinho até, me pareceu que a vida era muito mais interessante de observar, de analisar, do que esses meios de diversão. Por isso, eu me empenho muito em ser observador da vida, dos homens e das coisas. Isso tudo me parece muito mais interessante do que o cinema, o teatro etc.

    R.: Como o Sr. vê a velhice?

    Dr. Plinio – Como ela é: uma preparação próxima para o Juízo de Deus. Encanecendo, o homem vai-se preparando para ser julgado por Deus. E para isso estou-me preparando eu.

    R.: E a ecologia, o que pensar dela?

    Dr. Plinio – Que é uma palavra elástica, com significados variáveis e quase todos reprováveis.

    R.: E as drogas?

    Dr. Plinio – Constituem um dos maiores flagelos da humanidade contemporânea.

    R.: E da superstição?

    Dr. Plinio – Como católico apostólico romano, não as tenho. Não tenho superstição alguma.

    R.: E quem o Sr. acha que seja uma personalidade mundial?

    Dr. Plinio- Infelizmente eu devo dizer que o mundo contemporâneo está terrivelmente vazio de personalidades mundiais.                                              https://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_900621_PingaFogo.htm

Deixe uma resposta