O SILÊNCIO ENSURDECEDOR DA CNBB

Luiz Edson Fachin

Luiz Edson Fachin, o indigitado a uma vaga do Supremo Tribunal Federal (STF) por Dilma Rousseff, é um homem que prega, na prática, a supressão da propriedade privada, investe contra os legítimos proprietários rurais e defende os marginais do MST; além disso, investe em seus escritos jurídicos contra a instituição familiar tradicional e é defensor de introduzir na legislação transformações radicais nesse campo, como a diminuição do poder dos pais ou mal definidas “relações” que sugerem a poligamia.

Ligue agora para o Alô Senado e proteste:

0800 612211

O SILÊNCIO da CNBB neste assunto é ensurdecedor!!! Um “jurista” que investe contra a família e a propriedade, instituições de Direito Natural e consagradas nos Mandamentos da Lei de Deus, parece ser indeferente para a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. O importante mesmo é aprovar a reforma política do PT, incluindo a nova instância política dos Conselhos Populares (soviets!).

11 COMENTÁRIOS

  1. EDUCAÇÃO COMUNISTA – A PRAXIS CONTRA A VERDADE
    (por Carlos I.S. Azambuja. Artigo publicado em 02.05.2015)

    A escola e o ensino, segundo os comunistas, devem ser permanentemente controlados para evitar a infiltração de “resíduos e concepções burguesas”. É esse o objetivo da educação marxista: formar consciências comunistas. E isso, como é obtido?
    Para o marxismo, a prática tem prioridade sobre o conhecimento e é o fundamento deste. Essa é uma tese de Marx, que seus epígonos não hesitaram em manter e que é a própria base do marxismo: a primazia da praxis sobre o conhecimento, da ação sobre a doutrina e do fazer sobre o ser.
    A conseqüência imediata dessa tese no ensino é a de que, para o marxismo, educar não é pôr em contato com a verdade e sim com a prática. Mao-Tsetung afirmou que uma das características do materialismo dialético “é o seu caráter prático; sublinha a independência da teoria à prática; que a prática é a base da teoria; que o critério da verdade nada mais é que a prática social”.
    A educação e o ensino, para o marxismo, devem realizar, na prática, a vinculação do homem ao sentido da história. A educação é necessária, seu significado e sua tarefa consistem em provocar a máxima aceleração no processo histórico e em tornar possível a transformação da consciência dos homens.
    Para o marxismo, a única forma possível de educar consiste em lograr que, consciente e livremente – falamos da liberdade marxista – a educação se realize, por contradições sucessivas, na natureza e na história; a educação marxista deve ser interpretada como acomodação. A educação é uma atividade acomodadora à situação revolucionária. Educar é socializar.
    Para o marxismo, o professor desempenha um papel importante, e é fundamental que o ensino esteja em mãos de mestres ideologicamente doutrinados e capacitados para acender a chispa da consciência comunista em seus alunos e, ademais, além de uma formação adequada deve ter, acima de tudo, uma consciência política. A escola e o ensino, segundo os comunistas, devem ser permanentemente controlados para evitar a infiltração de resíduos e concepções burguesas.
    É esse o objetivo da educação marxista: formar consciências comunistas. E isso, como é obtido?
    O procedimento varia, segundo as circunstâncias; não é o mesmo quando o partido comunista esteja no poder, ou quando ainda não tenha conseguido a tomada do poder. Quando domina a sociedade todos sabem como opera, e, no outro caso?
    Em primeiro lugar devemos ter em mente que o marxismo não trata de melhorar nada, e sim fazer uma transformação total, face ao seu próprio caráter dialético. A crítica do marxismo a toda injustiça real ou a toda situação que se apresente como injusta, ou que se faça passar como tal, não tem por finalidade restabelecer a justiça ou melhorar as coisas em seu real e mais amplo sentido, e sim inserir o homem na dialética, lograr que os homens aceitem sua vinculação ao processo dialético, que é no que consiste o progresso para o marxismo.
    O marxismo não se preocupa com o proletariado porque este esteja oprimido ou porque seja débil e sim na medida em que é ou pode tornar-se uma força, e quanto mais proletários existirem maior será sua força como classe revolucionária e mais próximo e possível estará o socialismo.
    O objetivo confesso dos marxistas é a tomada do Poder pela classe trabalhadora. Isso, todavia, não significa que nada se possa fazer antes de o Poder passar às mãos dessa classe. A luta pela educação tem uma importância fundamental, pois sem a dedicação a essa luta não podem tomar forma e desenvolver-se os meios para tornar possível a ofensiva final, nem a ideologia que sustenta essa luta. Qualquer avanço no progresso educativo poderá vir, afinal, auxiliar o desenvolvimento da consciência de classe da classe trabalhadora.
    Daí a importância e o perigo do ensino do marxismo nos centros escolares da sociedade em que este ainda não tenha assumido o poder. Perigo mais latente e real hoje, quando os ensinamentos de Gramsci, de tomada não-violenta e indolor do Poder pretende chegar ao final da história – o comunismo – por meio da conquista da sociedade civil, o que tornará possível a subseqüente conquista do Estado. Isto é, a conquista da sociedade civil como prelúdio da conquista da sociedade política. Ou seja, antes de tomar o poder é preciso conquistar a cultura, segundo a terminologia gramscista.
    Exemplo clássico de derrota do marxismo por não possuir a hegemonia na sociedade civil foi a sofrida por Allende, no Chile. Daí a tática comunista adaptada à lição recebida. Uma vez conquistada a cultura, o caminho estará livre à implantação do socialismo.
    Gramsci, ideólogo marxista-leninista italiano, falecido na década de 30, e seus seguidores, descartam, por esse motivo, a violência revolucionária – que, no entanto, admitem em último extremo – e dão mais importância à educação levada a cabo pelos intelectuais, considerando-a o principal fator revolucionário. Dessa forma, pretende-se evitar que a forte personalidade da sociedade civil nos países ocidentais se rebele contra um governo revolucionário, levando-o a fracassar, como ocorreu no Chile em 1971-1973.
    Ainda Gramsci: “É impossível que uma luta política possa culminar em verdadeiros resultados se não vem acompanhada de uma revolução, de uma reforma intelectual e moral, se não se modifica a mentalidade das pessoas e, por conseguinte, a superestrutura da sociedade. Por isso, o problema da revolução é também um problema de educação. (…) É necessário que o fato revolucionário apareça não somente como um fenômeno de Poder, e sim, também, como um fenômeno de costume, como um fato moral, o que implica, necessariamente, numa radical transformação das mentalidades”.
    Daí a importância da Escola – na qual a política, a cultura e a pedagogia estão indissoluvelmente unidas – que poderá vir a cumprir, com relação aos jovens, o mesmo fim que um partido político.
    Por tudo isso, ainda segundo Gramsci, “a difusão, desde um centro hegemônico – a Escola -, de um modo de pensar homogêneo, é a condição principal para a elaboração de uma consciência coletiva”.
    Direção, organização da cultura, centro hegemônico, modo de pensar homogêneo, consciência coletiva, escola unitária, tudo isso é destinado a impor e a lograr que se assimile a filosofia da práxis, isto é, o marxismo, pela sociedade civil.
    No fundo, no fundo, nada mudou. Trata-se da instrumentalização da cultura e do ensino para atingir o objetivo visado pelo marxismo: a submissão do homem mediante a submissão da inteligência.
    Volodia Valentin Teitelboim Volosky, advogado, político, escritor e intelectual, Secretário-Geral do Partido Comunista Chileno de 1988 a 1995, referiu-se a esse tema na Revista Internacional nº 1-1982: “A cultura é uma vaga e prestigiosa palavra em razão da qual, a seu juízo, os povos e as nações conservam, continuam e até superam seu passado, Porém, quem controlar a cultura e sua base imprescindível, a educação, poderá não só definir retrospectivamente o acontecido como também controlar o futuro. O amanhã se encontra nas mãos e no cérebro daqueles que estão sendo educados hoje”.

    Esse cidadão é o exemplo perfeito do gramscista de sorte: após décadas ensinando a gerações o desmonte da sadia sociedade hierárquica natural, pretende (e vai) ser inserido na mais alta corte de justiça desse país. Caminhamos na contramão da História desde o início do autodesmanche, em 1989, do monstro comunista chamado URSS, após 70 anos de opressão esmagadora sobre o povo; só que lá foram ao poder por um golpe, e na América Latina chegaram pelo voto. Muito vergonhoso e humilhante. Tenho pena das novas gerações.

  2. CNBB está infiltrada de Bispos Comunistas!!!(não todos)

    A Igreja Católica, através de documentos papais, desde o meio do século passado, condena à excomunhão a todo aquele que se diz católico e ao mesmo tempo, defenda o comunismo. Todos os decretos dos diversos papas são claros, dizendo que o católico que defender o comunismo está automaticamente excomungado. O Papa Pio XII foi além e disse que devemos dar a própria vida, se preciso for, para combater o comunismo.

    Isso é válido inclusive se se tratar de padres, bispos, cardeais, ou qualquer entidade como, por exemplo, a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) uma associação ilegal sob o ponto de vista católico já que todos os bispos que fazem parte dela (não são todos os bispos do Brasil) são comunistas e assim, desrespeitam os decretos do Vaticano e auxiliam os movimentos comunistas.

    Assistam ao incrível vídeo em anexo, passado em um auditório da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Goiás, onde se tratava sobre implantação de reformas comunistas para o Brasil.

    A uma certa altura, um jovem estudante pede a palavra e inicia arguindo aos palestrantes sobre a bizarrice de se estar realizando uma reunião de comunistas excomungados em confronto direto com as diversos decretos papais, em um auditório que pertence a ninguém menos que à própria Igreja Católica.

    A confusão foi geral, mas se nota que a turba não conseguiu vencer os argumentos do jovem e valente herói nacional.

    O Brasil precisa e certamente deve contar com mais jovens como esse.

    SENSACIONAL! Estudante desmascara palestrantes petistas na PUC de Goiás.
    https://youtu.be/cRYdJ88NqXs

  3. Tentei protestar através do tel: 0800612211 e não consegui. Chamava e não era atendido. Então resolvi fazer meu protesto contra indicação desse elemento Luiz Edson Fachin, para ocupar o cargo de ministro do STF. Segundo todas noticias, que li e reli, ele não é uma pessoal apropriada para ocupar cargo tão relevante e com uma agravante de ter ideias contraria a família brasileira.

  4. É por essas e outras que tantos brasileiros pedem a intervenção militar. O STF já virou um tribunal comunista; líderes católicos abraçam essa ideologia maldita; a imprensa há muito já foi comprada e as eleições foram (e serão) fraudadas em prol do projeto do PT e do Foro de São Paulo. O que esperar? Como falar em “democracia” a esta altura dos acontecimentos? O pior cego é o que não quer ver…

  5. O PT já avançou muito no caminho da implantação do maldito socialismo-comunismo no Brasil.
    Duas coisas nos restam: orar muito, rogar incessantemente pela interçessao de Noss Senhora.
    Q ela rogue junto a Jesus, por uma intervenção Divina Urgente.
    Segundo: esclarecer a todos os brasileiros sobre o mal q eles estão implantando em nosso
    Pais.
    Pela infinita misericordia de Deus, nosso Brasil nao sera uma Cuba e uma Venezuela.

    Bendito seja Deus pó tudo.
    Oh Maria concebid sem pecado…

  6. NÃO É QUE O PT RASGOU O MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA DE ENGELS E MARX, ELE ESTÁ EM OUTRAS ÁGUAS QUE É A FILOSOFIA DE GRAMSCI, QUE PROPÕE IMPLANTAR O COMUNISMO, DESTRUINDO A CULTURA OCIDENTAL BASEADA NOS TRÊS PILARES: 1) MORAL CRISTÃ/JUDAICA; 2) ÉTICA E FILOSOFIA GREGA E 3) A JUSTIÇA, BASEADA NO DIREITO ROMANO.
    PRECISAMOS NOS PRECAVER CONTRA ESTES PETISTAS, POIS ELES ESTÃO EM GRAU ADIANTADO PARA NOS TRANSFORMAR NUMA VENEZUELA BOLIVARIANA, NOS CONFORMES DO “FORO DE SÃO PAULO”.

  7. A única coisa necessária para que o mal triunfe é os homens de bem não fazerem absolutamente nada. (Edmund Burke). Façamos requerimentos; pressionemos o Congresso Nacional. Alguma coisa tem de ser feita.

  8. Nós, cristãos católicos, temos uma missão preponderante no trabalho de resgate da dignidade, da defesa e da integridade da família nesta era do Terceiro Milênio. Sabemos das limitações, dos desafios, das turbulências e das ameaças que a família vem enfrentando ao longo de décadas a fio.Família aqui é biblicamente entendida como instituição primeira da sociedade, constituída por pai, mãe e filhos quando o casal os tem. A família – para nós cristãos católicos – é a primeira igreja (doméstica). Óbvio que as forças malignas não prevalecerão contra ela; por razões essencialmente espirituais. Mas há uma parte que nos compete: a sua defesa impávida e intransigente! Nestes tempos de grandes contradições, o comunismo e o socialismo agonizantes ainda tentam destruí-la. Não tenhamos medo! O PT rasgou o Manifesto do Partido Comunista e o jogou na latrina. Se observarmos bem, o PT praticou tudo que Engels e Marx repudiam e condenam veementemente. Basta refletir sobre os os aspectos literários da obra de Marx e Engels, e pensar sobre os escândalos de corrupções perpetradas pelo PT e as relações com o capitalismo hediondo; basta refletir sobre o que as mídias estão veiculando.

  9. O Supremo Tribunal Federal está totalmente comprometido com a revolução comunista no Brasil. Lewandoski, Tóffoli, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, agora esse Fachin, com todos essas figuras e seus antecedentes…. o que esperar ???
    Saiu nesse domingo (03/05/15), em todas as paróquias da Arquidiocese de São Paulo, a adesão de D. Odilo Scherer e seus bispos auxiliares ao programa de comunistização do P.T..
    Temos pela frente dias negros !!!!
    Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil – livrai o Brasil do Comunismo !

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome