A Igreja Católica na Índia saudou como “louvável” a declaração do governo federal de que não seguirá uma política “coerciva” de controle populacional no país, que é a segunda nação mais populosa do mundo depois da China.

Petição de controle populacional é rejeitada

“Esta declaração do governo federal veio em resposta a uma petição apresentada por um advogado que é um membro proeminente do partido governante Hindu Nacionalista BJP da Índia, exigindo a aplicação de uma norma para duas crianças para controlar o crescimento populacional na Índia. Com uma população estimada em 1,38 bilhão de pessoas, a Índia provavelmente ultrapassará a China como a nação mais populosa até 2027, de acordo com a ONU. Divisão de População.”

“De acordo com analistas, as preocupações com a taxa de crescimento populacional relativamente alta entre a minoria muçulmana da Índia foram a motivação provável para o processo judicial iniciado pelo advogado do BJP. Mas desde que foi eleito em 2014, o governo do BJP do primeiro-ministro indiano Narendra Modi não fez qualquer movimento para instituir uma política coerciva de controle da população em nível nacional.”

Declaração do Episcopado indiano

“É louvável que o governo da Índia [tenha dito] à Suprema Corte que não defende uma política coerciva de controle populacional”, disse a Conferência dos Bispos Católicos da Índia (CBCI) em um comunicado.

Rebatendo a teoria de uma “explosão populacional” destrutiva, a declaração da CBCI afirmou que “a população continua sendo o fator criticamente significativo para o crescimento econômico da Índia, pois representa um grande número de jovens empregáveis, produtores de bens e um enorme mercado consumidor”.

Iniciativas socialistas dos anos 70 contra a família

Embora a Índia nunca tenha seguido o exemplo da China em termos de instituir uma política de controle populacional que exige medidas ditatoriais para limitar o número de filhos permitidos a uma família, em 1970 ela se tornou uma das primeiras nações a legalizar o aborto e a utilizá-lo como medida de controle

“Posteriormente, funcionários públicos com mais de dois filhos tiveram a licença-maternidade negada e alguns empregos públicos ficaram indisponíveis para pais com mais de dois filhos. Da mesma forma, vários estados aprovaram emendas para negar o direito de contestar as eleições municipais ou em aldeias a pais com mais de dois filhos.”

As campanhas de esterilização foram outra característica dos esforços de controle da população da Índia.

***

A Família é anterior ao Estado e não pode ser regulada ditatorialmente como o fazem países socialistas e comunistas. Saudamos a atitute do primeiro-ministro indiano Narendra Modi não fez qualquer movimento para instituir uma política coerciva de controle da população em nível nacional.”

Nosso Site publicou e comentou a reação de africanos contra a política pró aborto de Biden.

Ensina Santo Agostinho que a felicidade e prosperidade das Nações está na observância dos Mandamentos da Lei de Deus.

Fonte: https://www.ncregister.com/news/indian-church-leaders-applaud-national-government-s-confirmation-of-a-coercion-free-population-policy?utm_campaign=NCR%202019&utm_medium=email&_hsmi=109180021&_hsenc=p2ANqtz-8A3ypUMlMkN8jkO24dFu0Uurl-hKtC_SbOYQcAP050-pBVh-8o2DkD6BWyxsE7VnqNf6E0-r3Mn1feSTSmCjJ-aTebTg&utm_content=109180021&utm_source=hs_email

Deixe uma resposta