Gilberto Dimenstein, membro do Conselho Editorial da Folha de S.Paulo,  escreveu que “começa a se disseminar entre psicólogos americanos a expressão ‘cérebro de pipoca’ para designar um distúrbio estimulado pela internet”.

A causa do mal é o excesso de estímulos mentais simultâneos que dificulta às pessoas pura e simplesmente lidar com as realidades comezinhas da vida cotidiana, cujo ritmo é mais lento que um clique de mouse.

Na famosa Universidade de Stanford, um dos berços da revolução digital, o professor de psicologia social Clifford Nass constatou que muitos jovens que usam intensamente a internet ficaram incapazes de interpretar o significado de expressões faciais de homens e mulheres.

Segundo o professor esses jovens revelam uma espécie de analfabetismo emocional e padecem graves dificuldades de relacionamento, embora intensamente ligados a “redes de relacionamento”!

O problema, segundo Nass, “está tanto na falta de contato cara a cara com as pessoas como na dificuldade de manter o foco e verificar o que é relevante, percebendo sutilezas, o que exige atenção”.

O distúrbio do ‘cérebro de pipoca’ mostra que o excesso de informação digital bloqueia a habilidade da pessoa para distinguir o relevante do irrelevante.

Para outros analistas, distorções de origem digital, como a compulsão para se manter conectado com o computador ou o celular, pertencem à categoria de vício.

O distúrbio do “cérebro de pipoca” é induzido, segundo os especialistas compulsados por Dimenstein, pelo movimento caótico e constante de informações exigindo que se executem simultaneamente várias tarefas.

Por causa de alterações químicas cerebrais, a vítima passa a ter dificuldade para se concentrar num assunto só e fazer coisas simples da vida cotidiana, como ler um livro, conversar com alguém sem interrupção ou dirigir sem falar no celular.

É como se as pessoas tivessem dentro da cabeça a agitação do milho explodindo no óleo quente, resumiu Dimenstein.

 

5 COMENTÁRIOS

  1. A utilização da tecnologia se torna necessário e um processo irreversível na vida do ser humano dentro de uma sociedade globalizada, devemos portanto como pais e/ou educadores fazer com que o uso moderado não os distanciem das relações inter-pessoais e não passem a viver sómente em um mundo de contato e relação virtual em se tratando das redes de relacionamento, no mais a utilização da rede de internet e pricipalmente o uso da tecnologia para o estudo e pesquisa é uma fonte aprendizado e expansão do ” conhecimento e saber”. Utilizando de forma eficiente e eficaz esta não trará prejuízos ao desenvolvimento mental e em muito irá contribuir para a formação de uma identidade em que possa prover o usuário entendimento e discernimento de crítica e análise. A instituição FAMILIA se torna de suma importancia para orientar e ditar regras e providencias que tornem a utilizaçãoda tecnologia em favor da formaçao do agente.

     
  2. Essa estratégia é muito contundente. Dentre uma gama de efeitos, fazer que pessoas não tenham concentração para ler um livro (como a bíblia), parece um objetivo obvio. E viciar as pessoas a fontes de informações rápidas(na maioria das vezes pouco confiáveis), na palma da mão também está claro. Isso possibilita fazer do povo massa de manobra e uma sutil lavagem cerebral.
    Espantoso!!!!!

     
  3. Excelente a matéria. É isso que está ocorrendo com os jovens que ficam plugados o tempo todo sem buscar os relacionamentos cara a cara.
    Valeu!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome