Oblata de São Francisco de Sales dando
aula em Paris de hábito completo

A Irmã Ana Verônica, oblata de São Francisco de Sales em Paris, foi convocada juntamente com vários outros professores de Filosofia ao Liceu Carnot, da capital francesa. O objetivo da reunião era combinar a correção de muitas provas da matéria que tinham ficado sem corrigir no fim do ano escolar.

Ela se apresentou como de costume: com o hábito completo do instituto religioso a que pertence.

Sua presença foi pretexto para um rebuliço. Professores laicistas e socialistas exigiram das autoridades do Liceu a expulsão da religiosa. Pretextavam que ela ofendia a laicidade e, de forma caricata e ofensiva, compararam seu hábito com o véu islâmico.

As autoridades nada fizeram, pois sabiam que o procedimento da religiosa era irrepreensível do ponto de vista legal.

Os professores laicistas exigiram que ela tirasse o hábito. “V. poderia ser mais discreta!”, desabafou uma professora laicista.

Propaganda cristofóbica caricata
não adiantou

– “Eu não posso fazer melhor nem pior. Eu devo levá-lo”, respondeu a jovem religiosa.

Os jornais fizeram estardalhaço com o fato e o secretariado geral do ensino católico exigiu que a irmã Ana Verônica desse prova de “juízo” e comparecesse usando roupas civis.

Com tom sereno e respeitoso, mas firme, a freira respondeu a seus detratores em carta publicada pelo jornal parisiense “La Croix”, de 13-07-2011:

Nós repetimos claramente que jamais tiraremos nosso hábito. …

“Um hábito religioso é o sinal da resposta a um chamado para se consagrar a Deus, que nem todos os batizados recebem.

“Desde 8 de setembro de 2004, data de minha entrada na vida religiosa, minha vida mudou muito e o hábito não é mais que a expressão visível disso.

“Comparecer agora de outra maneira, sem o hábito religioso, é uma coisa impossível para mim, pois eu não uso mais outros vestidos que não sejam os de minha consagração religiosa.

“Eu não sou religiosa por horas.

“Fazemos a profissão para viver seguindo Cristo até a morte.

“Esta consagração religiosa inclui todas as dimensões de nosso ser: corpo, coração, alma e espírito.

“O jovem homem rico do Evangelho recuou diante do apelo de Jesus para segui-Lo, quando Ele posou seu olhar sobre ele.

Religiosas em procissão na Polônia

“Isso significa que a decisão de se consagrar a Deus não é fácil de tomar. Ela pressupõe certas renúncias…

O hábito religioso é sinal desse fato. Ele pode, portanto, ser um sinal de contradição. Nós sabemos que nosso hábito não deixa indiferentes as pessoas. Ele é um testemunho da presença de Deus.

Por meio dele nós relembramos, de modo silencioso mas eloquente, que Deus existe neste mundo que se obstina a não querer pensar nem sequer na possibilidade da transcendência divina.

“Mas, Jesus nos diz no Evangelho que o servidor não é maior que seu mestre. Vós conheceis a continuação? “Se eles me perseguiram, eles vos perseguirão também” (Jn 15, 20).

E Jesus acrescentou: “As pessoas vos tratarão assim por causa de Mim, porque eles não conhecem Aquele que me enviou” (Jn 15, 21).

A carta da corajosa irmã Ana Verônica causa viva impressão na França.

No Brasil, o PNDH-3 pretende banir os símbolos religiosos dos locais públicos e instalar um laicismo – na realidade, um anti-catolicismo mal disfarçado – como o francês. Para atingir sua finalidade extremada, não poderá deixar de tentar proibir as próprias vestes talares dos religiosos e das religiosas.

18 COMENTÁRIOS

  1. Até que enfim uma boa notícia. Parabéns para esta freira verdadeiramente católica. Nem tudo está perdido neste mundo. Ainda existem bons exemplos a serem seguidos

  2. VTR!

    É sempre uma alegria ir pelas ruas de nossas cidades grandes (ou pequenas) e ter a presença de um sacerdote ou de uma religiosa, de uma Igreja ou de um símbolo religioso. De poder identificá-los e saber que nos remetem à Deus o tempo todo.

    Se cada católico fosse o que Cristo pede tudo seria melhor e Santa Catarina de Senna já teria nos dado a chave deste mistério: “Se forem o que devem ser incendiarão o mundo”.

    Não sejamos assim tão ingênuos achando que o hábito é somente para religiosos.. cada um de nós é diariamente sinal visível de Deus (estamos feitos à sua imagem e semelhança) e o que fazemos e como nos portamos demostra o quanto cremos em Deus e andamos com Ele.

    Portanto, se apenas saímos por aí ofendendo a quem quer que seja estamos ofendendo o próprio Cristo!
    Em plena “primavera da Igreja” como diria nosso Beato João Paulo II, o Espírito Santo segue vivificando carismas dos mais diversos para servirmos a Deus e a seu povo.
    Não acho justo que ainda sejamos assim tão quadrados a ponto de ficar vendo só as coisas ruins que já aconteceram, os exemplos ruins de católicos que de fato não andavam com Cristo, apesar de se dizerem cristãos.

    Abramos os olhos! A Igreja está viva: somos nós batizados e confirmados na fé!
    Se partes dela estão assim tão pouco uteis (para não dizer em estado de desgraça), façamos a nossa parte e a deixemos em graça de Deus!

    Olhos postos em Deus como faz a irmã Verônica!

  3. @leandro

    VTR!

    Caro Leandro, quando utilizas a expressão “só temos péssimos exemplos” está sendo bastante redundante e cansativo… Qualquer jornaleco de quinta diria o mesmo.
    Sugiro que vá conhecer a Igreja Católica Apostólica Romana que está viva no Brasil.

    Consideremos os fatos com números. Apresente-nos uma porcentagem oficial de sacerdotes cujo orientação é homossexual (não vou utilizar teu vocabulário, pois o considero inadequado) e de religiosas que vivem pelo dinheiro e aí poderemos seguir esta conversa.

    O fato de que talvez tu não conhecer religiosos que vivam sua missão, não significa que eles não existam!

    Sugiro que frequente assiduamente uma paróquia Católica Apostólica Romana e conheça o pároco e vá ver as necessidades materiais que a maioria deles tem.
    E que faça apostolado com as religiosas que para dar formação e atendimento às famílias deixam tudo e arriscam frequentemente suas vidas em escolas, hospitais, periferias e locais em que certamente tu nunca pousou os olhos e meditou sobre os seres humanos que lá estão sendo atendidos.

    Me refiro aos consagrados que usando seu hábito, honram a Cruz de Cristo e que a estatística sempre laicista/socialista (e qualquer outro “ista”) não quer contabilizar como reais e possíveis… As estatísticas os ignoram, porque assim é conveniente.
    Não sejamos hipócritas ignorando todos os religiosos (as) que diariamente fazem com que nós ainda estejamos perto de Cristo e que com seus hábitos (e seus costumes piedosos) nos dizem muito sobre como amar mais a Deus e ajudar ao próximo.

    Conheça apenas um pouco das tradições de nossa família Católica e depois me diga se vale
    a pena ou não continuar assim tão indiferente a tudo que se diz e se faz na Igreja.

    Deus te ajude a compreender a essência de nos doarmos a Cristo do jeito que o carisma de cada um foi inspirado (com ou sem hábito!).

  4. BOM DIA.

    PARABÉNS A IRMÃ PELA SUA POSTURA COERENTE, CORAJOSA, RETA, JUSTA E MERECEDORA DE TODOS OS ELOGIOS, POR DAR TESTEMUNHO DE SUA FÉ E CORAGEM. COMO ESTA ESCRITO NO TEXTO ACIMA SOBRE AS SETE EXCELENCIAS DA BATINA. QUE PODEM SER APLICADAS AO USO DO HABITO.

    7ª — Facilita a prática das virtudes e a compenetração de sua missão sagrada
    Como alguém que tem parte no Santo Sacerdócio de Cristo, o sacerdote deve ser exemplo da humildade, da obediência e da abnegação do Salvador. A batina o ajuda a praticar a pobreza, a humildade no vestiário, a obediência à disciplina da Igreja e o desprezo das coisas do mundo. Vestindo a batina, dificilmente se esquecerá o sacerdote de seu importante papel e sua missão sagrada, ou confundirá seu traje e sua vida com a do mundo.

    Mateus 23:23-39. DISSE JESUS.

    23. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.

    24. Condutores cegos! que coais um mosquito e engolis um camelo.

    25. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniqüidade.

    26. Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo.

    27. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.

    28. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.

    29. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos,

    30. E dizeis: Se existíssemos no tempo de nossos pais, nunca nos associaríamos com eles para derramar o sangue dos profetas.

    31. Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas.

    32. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais.

    33. Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno?

    34.Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade;

    35. Para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o santuário e o altar.

    36. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração.

    37. Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!

    38.Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta;

    39 .Porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor.

    Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros.

    Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.

    Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.

    Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.

    Mas tudo isto vos farão por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou.

    Se eu não viera, nem lhes houvera falado, não teriam pecado, mas agora não têm desculpa do seu pecado.

    Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai.

    Se eu entre eles não fizesse tais obras, quais nenhum outro tem feito, não teriam pecado; mas agora, viram-nas e me odiaram a mim e a meu Pai.

    Mas é para que se cumpra a palavra que está escrita na sua lei: Odiaram-me sem causa.

    Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.

    DEUS É SÓ AMOR. TUDO É DO PAI TODA HONRA E TODA GLORIA.

    QUE A SANTISSIMA TRINDADE E NOSSA MÃE MARIA SANTISSIMA ABENÇOE A TODOS.

    UNIDOS EM ORAÇÃO.

    LEO.

  5. “SEI EM QUEM PUS A MINHA CONFIANÇA” (2Tm 1,12) É a Ele, Nosso Senhor Jesus Cristo que devemos seguir, como leigos, clérigos e, ou religiosos. Diante de tão grande vazio espiritual e religioso só nos basta louvar a Deus pelo testemunho da Ir. Ana Verônica, que mostra que Deus não morreu, como o queriem os racionalistas, embebido por ideias ilumistas.

  6. Na França esta freira deu um bom exemplo, mas no Brasil da teologia da libertação os religiosos só dão mal exemplo – onde os fieis que não possuem virtude alguma se assustam com os atos dos padres e freiras e, o pior são aquelas falsas beatas que protegem estes monstros que ocupam o ministério sacerdotal.

  7. Estamos vivendo uma época em que não se pode manifestar que acredita em Deus, pois não se pode manifestar através de palvras ou atitudes, pois o anticristo está sempre de prontidão para processar juridicamente por homofobia(se discordar das atitudes gays), por discriminação de algum tipo. ( sempre acham algum motivo para isso). Onde iremos afinal??? O que se vê ultimamente é uma falta total de tolerância uns com os outros, perdeu-se o respeito com os mais velhos e também o Temor de Deus, que nós católicos chamamos de um dos Dons do Espírito Santo.

  8. Creio que as escrituras estão mesmo se cumprindo, e o final dos tempos cada vez mais próximo, pois saibam que isto é biblico. “havereis de ver muitos sinais.”.. e a perseguição contra Jesus Cristo se manifesta de tantas maneiras, através deste tipo de atitude pelos laicos, através de “leis” que, no Brasil, determinam a retirada de crucifixos de órgãos públicos e por aí a fora. Daqui há alguns dias os americanos vão retirar de sua moeda o “IN GOD WE TRUST. aí teremos certeza do final dos tempos.

  9. O que adianta usar hábito se não conseguem testemunhar o que Crsito pede?
    Aqui no Brasil só temos pessimos exemplos padres gays e freiras agarradas ao dinheiro.

  10. A coragem desta mulher foi admiravel, e ela provou que a sua fé em Cristo é verdadeira, agora fica uma pergunta, quantas pessoas que professam cristãs teem a mesma coragem?

  11. É um exempplo a cada um de nós, pois nossos “habitos” são outros, o demonio não suporta a presença de Cristo em nós! Segue artigo a respeito da Batina. Vale a pena divulgar!!

    Sete excelências da batina
    Pe. Jaime Tovar Patrón

    1ª — Recordação constante do sacerdócio
    Certamente que, uma vez recebida a ordem sacerdotal, não se esquece facilmente. Porém um lembrete nunca faz mal: algo visível, um símbolo constante, um despertador sem ruído, um sinal ou bandeira. O que vai à paisana é um entre muitos, o que vai de batina, não. É um sacerdote e ele é o primeiro persuadido. Não pode permanecer neutro, o traje o denuncia. Ou se faz um mártir ou um traidor, se chega a tal ocasião. O que não pode é ficar no anonimato, como um qualquer. E logo quando tanto se fala de compromisso! Não há compromisso quando exteriormente nada diz do que se é. Quando se despreza o uniforme, se despreza a categoria ou classe que este representa.

    2ª — Desperta o sentido do sobrenatural e evita os devastadores efeitos da dessacralização
    Não resta dúvida de que os símbolos nos rodeiam por todas as partes: sinais, bandeiras, insígnias, uniformes… Um dos que mais influencia é o uniforme. Um policial, um guardião, é necessário que atue, detenha, dê multas, etc. Sua simples presença influi nos demais: conforta, dá segurança, irrita ou deixa nervoso, segundo sejam as intenções e conduta dos cidadãos.
    Uma batina sempre suscita algo nos que nos rodeiam. Desperta o sentido do sobrenatural. Não faz falta pregar, nem sequer abrir os lábios. Ao que está de bem com Deus dá ânimo, ao que tem a consciência pesada avisa, ao que vive longe de Deus produz arrependimento.
    As relações da alma com Deus não são exclusivas do templo. Muita, muitíssima gente não pisa na Igreja. Para estas pessoas, que melhor maneira de lhes levar a mensagem de Cristo do que deixar-lhes ver um sacerdote consagrado vestindo sua batina?
    Os fiéis tem lamentado a dessacralização e seus devastadores efeitos. Os modernistas clamam contra o suposto triunfalismo, tiram os hábitos, rechaça a coroa pontifícia, as tradições de sempre e depois se queixam de seminários vazios, de falta de vocações. Apagam o fogo e se queixam de frio. Não há dúvidas: o “desbatinamento” ou “desembatinação” leva à dessacralização.

    3ª — É de grande utilidade para os fiéis
    O sacerdote o é não só quando está no templo administrando os sacramentos, mas nas vinte e quatro horas do dia. O sacerdócio não é uma profissão, com um horário marcado; é uma vida, uma entrega total e sem reservas a Deus. O povo de Deus tem direito a que o auxilie o sacerdote. Isto se facilita se podem reconhecer o sacerdote entre as demais pessoas, se este leva um sinal externo. Aquele que deseja trabalhar como sacerdote de Cristo deve poder ser identificado como tal para o benefício dos fiéis e melhor desempenho de sua missão.
    4ª — Serve para preservar dos perigos do mundanismo
    A quantas coisas se atreveriam os clérigos e religiosos se não fosse pelo hábito! Esta advertência, que era somente teórica quando a escrevia o exemplar religioso Pe. Eduardo F. Regatillo, S.I., é hoje uma terrível realidade.
    Primeiro, foram coisas de pouca monta: entrar em bares, lugares de recreio, diversão, conviver com os seculares, porém pouco a pouco se tem ido cada vez a mais.
    Os modernistas querem nos fazer crer que a batina é um obstáculo para que a mensagem de Cristo entre no mundo. Porém, suprimindo-a, desapareceram as credenciais e a mesma mensagem. De tal modo, que já muitos pensam que o primeiro que se deve salvar é o mesmo sacerdote que se despojou da batina supostamente para salvar os outros.
    Deve-se reconhecer que a batina fortalece a vocação e diminui as ocasiões de pecar para aquele que a veste e para os que o rodeiam. Dos milhares que abandonaram o sacerdócio depois do Concílio Vaticano II, praticamente nenhum abandonou a batina no dia anterior ao de ir embora: tinham-no feito muito antes.
    5ª — É de grande utilidade o prestígio da veste religiosa
    O povo cristão vê no sacerdote o homem de Deus, que não busca o próprio bem particular senão o de seus paroquianos. O povo escancara as portas do coração para escutar o padre que é o mesmo para o pobre e para o poderoso. As portas das repartições, dos departamentos, dos escritórios, por mais altas que sejam, se abrem diante das batinas e dos hábitos religiosos. Quem nega a uma monja o pão que pede para seus pobres ou idosos? Tudo isto está tradicionalmente ligado a alguns hábitos. Este prestígio da batina se tem acumulado à base de tempo, de sacrifícios, de abnegação. E agora, se desprendem dela como se se tratasse de um estorvo?
    6ª — Impõe a modéstia no vestir
    A Igreja preservou sempre seus sacerdotes do vício de aparentar mais do que se é e da ostentação dando-lhes um hábito singelo em que não cabem os luxos. A batina é de uma peça (desde o pescoço até os pés), de uma cor (preta) e de uma forma (saco). Os arminhos e ornamentos ricos se deixam para o templo, pois essas distinções não adornam a pessoa senão o ministro de Deus para que dê realce às cerimônias sagradas da Igreja.
    Porém, vestindo-se à paisana, a vaidade persegue o sacerdote como a qualquer mortal: as marcas, qualidades do pano, dos tecidos, cores, etc. Já não está todo coberto e justificado pelo humilde hábito religioso, ao se colocar no nível do mundo, este o sacudirá, à mercê de seus gostos e caprichos. Haverá de ir com a moda e sua voz já não se deixará ouvir como a do que clamava no deserto coberto pela veste do profeta vestido com pêlos de camelo.
    7ª — Facilita a prática das virtudes e a compenetração de sua missão sagrada
    Como alguém que tem parte no Santo Sacerdócio de Cristo, o sacerdote deve ser exemplo da humildade, da obediência e da abnegação do Salvador. A batina o ajuda a praticar a pobreza, a humildade no vestiário, a obediência à disciplina da Igreja e o desprezo das coisas do mundo. Vestindo a batina, dificilmente se esquecerá o sacerdote de seu importante papel e sua missão sagrada, ou confundirá seu traje e sua vida com a do mundo.
    _________
    * O autor, Padre Jaime Tovar Patrón, coronel capelão, desenvolveu importantes atividades no Vicariato Castrense. Oriundo de Extremadura, Espanha, foi grande orador sacro. Autor do livro Los curas de la Cruzada, autêntica enciclopédia dos heróicos sacerdotes que desenvolveram seu trabalho pastoral entre os combatentes da gloriosa Cruzada de 1936. É, ademais, um historiador do sacerdócio castrense. Faleceu em janeiro de 2004.

  12. “Por meio dele (o hábito) nós relembramos, de modo silencioso mas eloqüente, que Deus existe” esta afirmação categórica os laicistas não podem tolerar. E foi em nome da tolerância que eles se afirmam (impõem o laicismo) laicos…

  13. Seguindo o pensamento da corajosa irmã Ana Verônica ela e os que professam a fé católica são perseguidos por causa de Jesus Cristo. E parece que os perseguidores são os mesmos, mas trasvestidos de laicistas.

  14. Muito louvável, a atitude da irmã Ana Verônica de assumir o hábito do instituto religioso para o qual foi consagrada. Apresentou-se como religiosa; vestindo-se de maneira adequada e aceitável. Formosa como todas as freiras. Que Deus a abençoe e lhe conceda as melhores graças. Que a PAZ reine entre nós.

  15. O hábito não faz o monge, mas o DISTINGUE, e que santa e bem-vinda distinção!
    DEUS fortaleça, abençoe e plenifique essa valorosa freira!
    Em JESUS e com Maria,
    Paz a todos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome