“Nos EUA, a suspeita em relação à China tem crescido. De acordo com a última pesquisa gallup realizada em fevereiro, apenas 33% dos americanos tinham uma opinião favorável da China, abaixo de 45% em 2004, 41% em 2003, e menor ainda do que após a repressão (sangrenta) da Praça Tiananmen” (em 1989).

Essa é a crua realidade fruto do encobrimento inicial do surto, da punição de médicos que deram o alarme, da negação de transmissão humano-a-humano que a China tornou patente em 2020.

Chernobyl, ocaso da “estrela” de Pequim, perda da confiança mundial — eis um fruto amargo que Xi Jinping colheu para a China seguindo a Cartilha do PCCh.

Uma página da História virou, e a vox populi mundial se levanta numa onda de desconfiança em relação à ditadura comunista chinesa.

Recordemos: Sem o cobre do Chile, sem o minério do Brasil, sem o agronegócio e pecuária nacionais — que alimentam centenas de milhões de chineses — o que permanece de pé do chamado “gigante” asiático?

Que Nossa Senhora Aparecida nos ajude a desempenhar o papel de liderança que cabe ao Brasil nesse século XXI, longe do petismo, do bolivarianismo, do comunismo.

Fonte: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3076276/will-chinas-support-nations-fighting-covid-19-improve-its

 

Deixe uma resposta