Mais uma Ministra nomeada por Dilma Rousseff que quer favorecer as políticas de aborto

A nova Ministra de Política para as Mulheres afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo (27/12/10) que deseja que o Estado favoreça e incremente a prática do aborto.

Iriny Lopes, deputada federal pelo PT-ES e recém-nomeada para o cargo, usa da velha tática de dizer que “ninguém é a favor do aborto”, mas que “não vejo como obrigar alguém a ter um filho que ela não se sente em condições de ter”. (Ou seja… se a mulher não quer ter o filho, que aborte!)

Segundo ela, é preciso “garantir o atendimento das mulheres que procurem a rede pública. Os demais debates acontecem na Câmara.” Isto é, independentemente do que disser o Congresso, a nova ministra insinua que a rede pública deve praticar o aborto. Pergunto: para que então os debates no Congresso Nacional? Se o executivo vai seguir políticas públicas passando por cima do “debate na Câmara”, estamos diante de mais um sintoma de futuro totalitarismo nessa matéria.

O que assusta é que já é o terceiro ministro escolhido que tem fortes propensões a tocar para frente o aborto e o PNDH-3, com o mesmo viés totalitário. Saiba mais nos links abaixo:

1 – A principal notícia da semana para quem é contra o aborto e o PNDH-3

2 – O termômetro do PNDH-3 subiu mais um grau

3 – Tremei, PNDH-3, aí vem a Caravana Terra de Santa Cruz!