Notícia de LifeSiteNews, 8 de julho, informa sobre a marcha de milhares de irlandeses em defesa da vida.

“Nenhum voto, nenhum ato do Parlamento pode tornar certo matar uma criança”

              LifeSiteNws: “Um ano depois que a Irlanda votou pela revogação da proteção constitucional do país para crianças pré-natais, milhares de pró-vida marcharam pelas ruas de Dublin neste fim de semana para afirmar a santidade da vida.

               “Organizado em 6 de julho pelos grupos pró-vida Life Institute, Precious Life e Youth Defense, o Rally for Life pretende enfatizar que “nenhum voto, nenhum ato do parlamento pode tornar certo matar uma criança” e elevar a “próxima geração a representar a vida e mudar a cultura”, segundo o Life Institute.

                “”Milhares” de participantes marcharam da Parnell Square de Dublin para a Custom House (que abriga a Suprema Corte do país), carregando cartazes declarando que “o aborto rouba esperança” e cantando oposição ao ministro da saúde pró-aborto Simon Harris, informa o Irish Times”.

                   Uma Lei que força a consciência dos médicos e enfermeiros

                 Ainda segundo LifeSiteNews, “Entre os grupos que aproveitam a oportunidade para falar, estão os médicos pró-vida cujos direitos de consciência foram ameaçados pelo novo regime pró-aborto. “Esta é uma forma de bullying que é absolutamente inaceitável porque a consciência de uma pessoa não está sujeita à regra da maioria”, diz o Dr. Trevor Hayes. “Temos uma enorme crise no serviço de saúde, e essa crise é especialmente aguda no quadro de pessoal, por isso é particularmente chocante que os profissionais de enfermagem e medicina sintam que serão forçados a sair da área médica porque o direito de não participar do aborto é não ser respeitado ”.

                                     *  *  *

                    Todo nosso apoio ao Rally for Life na Irlanda. Devemos mostrar nossa força conservadora e fazer retroceder as conquistas da esquerda em nossa Pátria, contrárias à familia tradicional, à propriedade, à tradição católica do povo brasileiro.

Deixe uma resposta