Os espíritos frívolos de nosso tempo, que procuram levar uma vida a margem dos grandes acontecimentos, a margem dos ensinamentos de Deus e de sua Igreja, procurando construir um estilo de vida por onde Deus e sua única, imutável e verdadeira Igreja estão sempre em segundo plano, encarnam em si a máxima do mundo revolucionário, “viva e deixe viver”.

Para estes o bem e o mal são realidades postas na sociedade e que não merecem sua atenção. Eles não se dão conta que, apesar de ignorarem a existência destas realidades, estão dentro de uma grande guerra travada entre os que são de Deus e os que são do demônio.

A história da humanidade não é senão, uma contínua luta entre o bem e o mal, entre a verdade e o erro, entre o belo e o feio. Quando os homens seguiam a Lei de Deus, grandes coisas se realizavam e civilizações nasciam e davam frutos jamais imagináveis pelo homem.

Assim foi a Civilização Cristã com suas catedrais góticas, seus castelos, seus palácios que ainda hoje atraem para si multidões sedentas do belo e do maravilhoso e o homem como que participava da criação de Deus, fazendo da Terra a antessala do céu.

Um mundo oposto a Deus

Hoje, pelo contrário, se constrói um mundo totalmente oposto a Deus e Seus ensinamentos. Não se contentando em virar suas costas para a Verdade, o homem moderno procura afrontar a Deus através de blasfêmias e sacrilégios contínuos e cada vez mais numerosos.

O ocultismo e o satanismo cada vez mais se espalham pelo mundo. Antes faziam suas profanações e sacrilégios procurando não aparecer durante o dia e escondidos no meio da noite. Nos dias de hoje, nos Estados Unidos e em outros países se lançam com mais ódio e procuram “reivindicar seus direitos” chegando a exigir a aceitação do público para suas práticas abomináveis, tentando distribuir livros sobre o demônio para crianças nas escolas (1), celebrar “missas negras” em universidades, por exemplo, na Universidade de Harvard em 2014 (2) e até inaugurar monumentos públicos em honra a Satanás. (3)

Em setembro de 2014, a primeira “missa negra” aberta ao público da história foi realizada em Oklahoma no centro cívico da cidade. Foi a primeira vez na história em que Satanás foi adorado à luz do dia e publicamente.

Uma “igreja” em honra a Satanás

Caro leitores, chegamos a uma época em que os homens, por seu estado de decadência e ódio à Ordem Criada por Deus, O negam e se põem a adorar a Satanás no lugar de Deus, criador do céu e da Terra. Não bastante ainda, agora querem construir “igrejas” para o seu culto e reivindicar o direito de fazê-lo.

No entanto, fortes reações surgiram contra esta onda satânica. Grupos conservadores, padres e leigos se opuseram a tais absurdos através de campanhas e atos de reparação com destaque especial à TFP americana, sempre a frente das reações, apoiando e promovendo atos de reparação nos locais que ocorriam os sacrilégios.

No último dia 30 de outubro no estado do Texas, não foi diferente!

Quando veio a público a notícia da abertura de “uma grande igreja de Lúcifer” no dia 30 de outubro, véspera do Dia de Todos os Santos, na cidade de Old Town Spring, Texas, uma grande indignação da população se levantou no horizonte.

Assim que tomaram conhecimento da abertura ao público deste templo satânico, os católicos locais solicitaram a assistência da TFP americana e da campanha da rede anti-blasfêmia da America Needs Fatima.

Respondendo seu pedido de ajuda, voluntários da Sociedade Americana de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) de várias partes do país, com terço na mão, banners e cartazes, se dirigiram para o local para promover um ato público de reparação.

No local foi recitado o terço e slogans proclamados em direção ao local onde se encontra a “igreja” satânica. Indignados, dois satanistas caminharam em torno dos voluntários da TFP dizendo palavrões e blasfêmias.

Após o almoço, voluntários da TFP de Louisiana chegaram ao local, trazendo uma imagem de Nossa Senhora de Fátima trazida por membros vestidos com o hábito cerimonial e católicos de vários movimentos se juntaram a eles levando placas com dizeres: “Deus Sim – Satanás não” ou “Quem como Deus” entre outros e banners que diziam: “Nós somos uma nação sob Deus e o satanismo não é um valor americano.”

Seguindo o exemplo da TFP americana, a multidão começou a rezar o Santo Rosário, fazendo uma pausa depois de cada mistério para cantar e proclamar slogans.

O ato público de reparação terminou com uma consagração a Nosso Senhor Jesus Cristo e uma procissão com músicas em honra a Nossa Senhora de Fátima.

A coexistência impossível

“Entre Vós e o demônio, entre o bem e o mal, entre a verdade e o erro, há um ódio profundo, irreconciliável, eterno. As trevas odeiam a luz, os filhos das trevas odeiam os filhos da luz, a luta entre uns e outros durará até a consumação dos séculos, e jamais haverá paz entre a raça da Mulher e a raça da Serpente…” (4)

Este ato de reparação mostra que mesmo que o mundo inteiro passe a negar Nosso Senhor Jesus Cristo, um punhado de bravos, como um brilhante e altivo farol em meio às trevas, continuará fiel a Ele e a sua Santa Igreja.

Não sejamos homens que se omitem a tais acontecimentos, não sejamos homens alheios a isso. Levantemos, no meio do caos moderno, e proclamemos o nome da Bem-Aventurada, pois d’Ela será a vitória e de seus fiéis filhos que com Ela perseverarem e com Ela lutarem.

Qual será o corolário desta batalha? “Christianus alter Christus. Eu serei de modo exímio uma reprodução do próprio Cristo. A semelhança de Cristo se imprimirá viva e sagrada, em minha própria alma(5). Certos da promessa de Nossa Senhora em Fátima, juntos caminharemos rumo ao Reino de Maria!


Notas

1 – https://ipco.org.br/ipco/noticias/satanismo-para-criancas

2 – https://ipco.org.br/ipco/noticias/catolicos-americanos-reagem-contra-tentativa-de-realizar-uma-missa-negra-satanica-na-universidade-de-harvard

3 – https://ipco.org.br/ipco/destaque/templo-satanico-revela-significados-atualizados-de-seu-monumento-a-lucifer

4 – http://www.pliniocorreadeoliveira.info/1951_003_CAT_Via_Sacra_CAT.htm

5 – http://www.pliniocorreadeoliveira.info/1951_003_CAT_Via_Sacra_CAT.htm

12 COMENTÁRIOS

    • NSra disse em La Salette 1846 que haveriam igrejas para cultuar o demônio. Tudo que ela disse está se cumprindo. Veja : https://www.youtube.com/watch?v=03dpWtzAaPg – “Se meu povo não quiser se submeter fico obrigada a deixar o braço de Meu Filho golpear: Não posso mais segurá-lo.

      Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza.

      Sim. Os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças.

      Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo Meu Filho!

      Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança.

      E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão pelo povo.

      Deus vai golpear de modo inaudito. Ai dos habitantes da Terra.

      Deus vai esgotar sua cólera, e ninguém poderá fugir a tantos males acumulados.

      Os condutores do povo de Deus negligenciaram a oração e a penitência.

      E o demônio obscureceu suas inteligências. Transformaram-se nessas estrelas errantes, que o velho diabo arrastará com sua cauda para fazê-las perecer.

      Deus permitirá à velha serpente introduzir divisões entre os que reinam, em todas as sociedades e em todas as famílias. Sofrer-se-ão tormentos físicos e morais.

      A sociedade está na iminência dos flagelos mais terríveis e dos maiores acontecimentos. Deve-se esperar ser governado por uma chibata de ferro e beber o cálice da cólera de Deus.

      A Itália será punida pela ambição de querer sacudir o jugo do Senhor dos Senhores. Será também entregue à guerra, o sangue correrá por todo lado.

      As igrejas serão fechadas ou profanadas. Os sacerdotes e os religiosos serão expulsos. Serão entregues à morte, e morte cruel. O número dos sacerdotes e religiosos que se afastarão da verdadeira Religião será grande. Entre esses encontrar-se-ão até bispos.

      Que o Papa esteja em alerta contra os fautores de milagres. Pois chegou o tempo em que os prodígios mais inesperados terão lugar sobre a Terra e nos ares.

      Lúcifer e um grande número de demônios serão soltos do inferno. Eles abolirão a fé pouco a pouco, até nas pessoas consagradas a Deus.

      Eles as cegarão de tal maneira que, salvo uma graça particular, adquirirão o espírito desses maus anjos. Várias casas religiosas perderão inteiramente a fé e perderão muitas almas.

      Os maus livros abundarão sobre a Terra, e os espíritos das trevas espalharão por toda parte um relaxamento universal em tudo o que ser refere ao serviço de Deus.

      Os espíritos das trevas terão grandíssimo poder sobre a natureza. Existirão igrejas para cultuar esses espíritos.

      Far-se-ão ressuscitar mortos que tomarão a figura de almas justas que viveram na Terra, para seduzir mais os homens. Esses supostos mortos ressuscitados, que não serão outra coisa senão o demônio encarnado nessas figuras, pregarão outro evangelho contrário ao do verdadeiro Jesus Cristo, negando a existência do Céu.

      Em todos os lugares haverá prodígios extraordinários, porque a verdadeira fé se apagou e uma falsa luz ilumina o mundo.

      Ai dos príncipes da Igreja que então estarão ocupados apenas em amontoar riquezas acima de riquezas, salvaguardar sua autoridade e dominar com orgulho!

      O vigário de meu Filho terá muito que sofrer, porque durante algum tempo a Igreja será entregue a grandes perseguições.

      Será o tempo das trevas, e a Igreja passará por uma crise pavorosa. Tendo sido esquecida a santa fé em Deus, cada indivíduo desejará guiar-se por si próprio e ser superior a seus semelhantes.

      Serão abolidos os poderes civis e eclesiásticos. Toda ordem e toda justiça serão calcados aos pés.

      Não se verá outra coisa senão homicídios, ódio, inveja, mentira e discórdia, sem amor pela pátria e sem amor pela família.

      Os governantes civis terão todos um mesmo objetivo, que consistirá em abolir e fazer desaparecer todo princípio religioso para dar lugar ao materialismo, ao ateísmo, aos espiritismo e a toda espécie de vícios.

      Nos conventos as flores da Igreja serão apodrecidas, e o demônio tornar-se-á como que o rei dos corações.

      O demônio usará toda sua malícia para introduzir nas ordens religiosas pessoas entregues ao pecado, pois o amor aos prazeres carnais estará espalhado por toda a Terra.

      O sangue correrá nas ruas, o francês combaterá contra o francês, o italiano contra o italiano. A seguir haverá uma guerra geral, que será horrorosa. Os maus estenderão toda sua malícia.

      Até nas casas as pessoas matar-se-ão e massacrar-se-ão mutuamente. Ao primeiro golpe de sua espada fulgurante (refere-se a Deus), as montanhas e a natureza inteira tremerão de espanto, porque as desordens e os crimes dos homens traspassarão a abóboda celeste.

      Crer-se-á que tudo está perdido. Só se verão homicídios, e se ouvirão apenas ruídos de armas e blasfêmias. Paris será queimada, e Marselha engolida. Várias grandes cidades serão abaladas e tragadas por tremores de terra.

      Os justos sofrerão muito. Suas orações, sua penitência e suas lágrimas subirão até o céu e todo o povo de Deus pedirá perdão e misericórdia.

      E pedirá minha ajuda e intercessão. Jesus Cristo, por um ato de sua justiça e de sua grande misericórdia em relação aos justos, ordenará a seus anjos que deem morte a todos os seus inimigos.

      De repente, os perseguidores da Igreja de Jesus Cristo e todos os homens entregues ao pecado perecerão, e a Terra tornar-se-á como um deserto. Então será feita a paz, a reconciliação de Deus com os homens.

      Jesus Cristo será servido, adorado e glorificado. A caridade florescerá por toda parte. Os novos reis serão o braço direito da Santa Igreja, a qual será forte, humilde, piedosa, pobre, zelosa e imitadora das virtudes de Jesus Cristo.

      O Evangelho será pregado por toda parte e os homens farão grandes progressos na fé, porque haverá unidade entre os operários de Jesus Cristo e os homens viverão no temor de Deus.

      Eu apelo aos Apóstolos do Últimos Tempos, aos fieis discípulos de Jesus Cristo que viveram no desprezo do mundo e de si próprios, na pobreza e na humildade, no desprezo e no silêncio, na oração e na mortificação, na castidade e na união com Deus, no sofrimento e desconhecidos do mundo. É chegado o tempo para que eles saiam e venham iluminar a Terra.

  1. Parabéns pela inciativa, vejo que até os arautos estavam presente na manifestação. A força cívica e religiosa juntos em luta contra o mal… isso é muito bonito. Parabéns!

    • Uma grande ação contra a igreja satânica promovida pela TFP americana da qual não participam arautos.
      O traje que portam os americanos foi uma idealização de Plinio Corrêa de Oliveira.
      Arautos do Evangelho são de outra linha, nada que ver.

  2. Olá!

    Qual é a opinião da instituição de vocês quanto à liberdade de culto para religiões não-cristãs como o judaísmo e o islam? Na opinião de vocês, o governo da nação cristã deveria permitir a convivência pacífica com pessoas não-cristãs?

    Aguardo resposta, e por elas agradeço desde já.

    • Syllabus foi um catálogo de 80 propostas errôneas, uma lista dos mais comuns erros condenadas pelo Santo Papa S. Pio IX.
      Nestas ficam claras a condenação de quem, sendo católico, propugna:
      15a “É livre a qualquer um abraçar o professar aquela religião que ele, guiado pela luz da razão, julgar verdadeira”.
      16a “No culto de qualquer religião podem os homens achar o caminho da salvação e alcançar a mesma eterna salvação”.
      A Igreja através dos Papas tem afirmado que fora da Igreja Católica não há salvação.
      Um católico não pode deixar de reconhecer que a Santa Igreja é a depositária infalível da Verdade e a mestra indefectível do Bem. Se a função do Estado é de construir uma civilização alicerçada sobre o conhecimento da Verdade e a prática do Bem, seu dever fundamental consiste em dar todas as facilidades à difusão da doutrina católica, em colocar nas mãos da Santa Igreja de Deus todos os meios para desenvolver seu Apostolado, em professar oficialmente a doutrina católica, e, finalmente, em não se prestar à propagação de doutrinas contrárias à da Igreja, principalmente nos estabelecimentos públicos do ensino.
      Passando, então, a responder diretamente ao seu questionamento a respeito da “liberdade de culto para religiões não-cristãs como o judaísmo e o islam? Na opinião de vocês, o governo da nação cristã deveria permitir a convivência pacífica com pessoas não-cristãs?”
      Destaco trecho de um artigo de Plinio Corrêa de Oliveira cujo título é “Tolerar o mal em vista de um bem superior e mais alto” no qual atesta que sim, se pode tolear a existência de prática individual de outras religiões mas sob condições, leia a seguir e mais extensamente no link indicado em seguida ao texto:
      Discurso do Santo Padre Pio XII aos participantes do V Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos (*).
      Nesse documento, o Soberano Pontífice formula o seguinte problema:
      “Conforme a confissão da grande maioria dos cidadãos, ou com base numa declaração explícita de seus Estatutos, os povos e os Estados-membros da Comunidade se dividirão em cristãos, não cristãos, religiosamente indiferentes ou conscientemente laicizados, ou ainda abertamente ateus. Os interesses religiosos e morais exigirão para toda a extensão da comunidade um regulamento bem definido, que valha para todo o território de cada um dos Estados soberanos membros de tal Comunidade das nações. Segundo as probabilidades e circunstâncias, é previsível que esta regulamentação de Direito positivo será enunciada assim: No interior de seu território e para os seus cidadãos cada Estado regulará os assuntos religiosos e morais com lei própria; sem embargo, em todo o território da Comunidade dos Estados será permitido aos cidadãos de cada Estado-membro o exercício das próprias crenças e praticas éticas e religiosas, sempre que estas não violem as leis penais do Estado em que eles residem. Para o jurista, o homem político e o Estado católico surge aqui a questão: podem eles dar consentimento a tal regulamentação, quando se trata de entrar na Comunidade dos povos e de permanecer nela?”
      Como vimos em artigo anterior, o Soberano Pontífice responde afirmativamente à questão.
      Assim pois, pode prever-se no futuro o estabelecimento no mundo de uma sociedade de nações soberanas, cristãs, pagãs, quiçá atéias, que inclua em seu estatuto a obrigação – livremente contraída pelos Estados-membros – de tolerar no território de cada uma a prática dos respectivos cultos aos súditos estrangeiros.
      UMA RESTRIÇÃO
      Esta tolerância terá um limite.
      Sempre que a prática de uma religião implique em atos considerados criminosos pela lei nacional, não será obrigatório tolerar esses atos.
      Bem entendido, esta restrição precisa ser interpretada com muito boa fé pelos Estados-membros. Qualquer chicana neste ponto destruiria pela raiz o delicado sistema. Assim, espera-se que só qualifiquem como criminosas ações que realmente o são segundo a ordem natural. Um Estado-membro poderá a este título proibir, por exemplo, e em qualquer caso, o culto imoral dos mórmons. Mas se, com fundamento na restrição indicada, os comunistas ou protestantes quiserem impedir a prática da Religião Católica mediante a alegação de que suas leis privadas consideram um crime a celebração da Santa Missa, estarão falseando o sistema e tornando-o inexeqüível para os católicos.
      Como se vê, uma certa noção de moral natural, e uma certa retidão de propósitos são a base de toda a estrutura prevista na alocução pontifícia.
      MERA TOLERÂNCIA
      Note-se que não se trata de aprovação, mas de mera tolerância. A este respeito, a alocução não deixa margem à menor dúvida. Pois nenhum Estado católico pode propriamente autorizar a prática do erro:”Antes de tudo, cumpre afirmar claramente que nenhuma autoridade humana, nenhum Estado, nenhuma Comunidade de Estados, seja qual for o seu caráter religioso, pode dar um mandato positivo ou uma autorização positiva para ensinar ou fazer o que seria contrário à verdade religiosa ou ao bem moral. Um mandato ou uma autorização desse gênero não teriam força obrigatória e permaneceriam ineficazes. Nenhuma autoridade poderia dá-los, pois é contra a natureza obrigar o espírito e a vontade do homem ao erro e ao mal ou a considerar um e outro como indiferentes. Nem Deus sequer poderia dar tal mandado positivo ou tal autorização positiva, porque estariam em contradição com sua absoluta veracidade e santidade”. E mais adiante acrescenta: “Com isto se esclarecem os dois princípios dos quais se deve deduzir nos casos concretos a resposta para a gravíssima questão referente à atitude do jurista, do homem político e do Estado soberano católico ante uma fórmula de tolerância religiosa e moral do conteúdo supra indicado, fórmula esta a tomar-se em consideração para a Comunidade dos Estados. Primeiro: o que não corresponde à verdade e à norma moral não tem objetivamente direito algum, nem à existência, nem à propaganda, nem à ação. Segundo: o não impedí-lo por meio de leis estatais e disposições coercitivas pode, não obstante, ser justificado no interesse de um bem superior e mais vasto”.

      TOLERAR O MAL EM VISTA DE UM BEM SUPERIOR E MAIS ALTO
      http://www.pliniocorreadeoliveira.info/1954_044_CAT_Tolerar_o_mal.htm

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome