Destaques

1 – DITADURA DE MADURO SE ACERCA DOS MILITARES
2 – RECUSA À ESQUERDA É UNANIME
3 – ENCONTRO A PORTAS FECHADAS

Para alternar entre os tópicos, utilize os botões “Anterior” e “Próximo” abaixo:

1Ditadura de Maduro se acerca dos militares

Imagine o leitor se na presidência da Petrobras fosse colocado um general para dirigir a estatal. É certo que a esquerda ficaria inconformada e poderia até haver protestos. Não faz muito tempo, um general – filho de índios! – assumiu a direção da FUNAI e houve espasmos de inconformidade da parte de alguns índios – sabe-se lá até que ponto açulados.

Agora o ditador da Venezuela, Nicolas Maduro, põe na direção da PDVSA – a Petrobras venezuelana – um general. Também ampliou o número de militares em seu entorno no gabinete presidencial. Ele percebe perfeitamente que depende do apoio dos militares para manter-se no poder. Diante dessa evidência, não se vê nenhum protesto procedente de quem quer que seja. A Venezuela vai cada vez mais afundando no comunismo, na mais inteira sonolência – para dizer só isso – dos países da região e do mundo.

Cfr.: O Estado de S. Paulo, domingo, 3 de dezembro de 2017, “Maduro amplia poder militar na Venezuela”

2Recusa à esquerda é unanime

Recentemente, a Suprema Corte da Bolívia autorizou Evo Morales a concorrer ao seu quarto mandato presidencial, contrariando um plebiscito realizado em janeiro de 2016, no qual 51% dos eleitores rejeitaram a reeleição do presidente.

Agora, em eleições de magistrados – escolhidos pelo Parlamento controlado por aliados do presidente – para diversas instâncias judiciais daquele país, registraram-se mais de 65% de votos nulos ou brancos, ratificando assim o eleitor sua recusa a Evo Morales.

Fonte: O Estado de S. Paulo, terça-feira, 5 de dezembro de 2017, “Em busca de 4º mandato, Evo sofre derrota”

3Encontro a portas fechadas

Papa Francisco e presidente da Bolívia, Evo Morales, encontraram-se nesta sexta-feira (15) no Vaticano (Foto: Gregorio Borgia/ Reuters)

O presidente da Bolívia, Evo Morales, autorizado pela Suprema Corte da Bolívia a concorrer pela quarta vez à presidência de seu país – em claro desrespeito à opinião de 51% do eleitorado, que se opôs em plebiscito à sua reeleição –, foi recebido a portas fechadas no Vaticano pelo Papa Francisco. Não foi dado conhecimento do teor da conversa, mas é o que menos importa, pois o objetivo do encontro foi evidentemente obter dos católicos bolivianos a reeleição do presidente bolivariano.

O Papa Francisco age mais uma vez como cabo eleitoral de chefes de Estado esquerdistas, cujo insucesso, entretanto – como o de Cristina Kirchner na Argentina –, fala no desgaste que ele vem sofrendo entre os católicos.

Cfr.: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2017/12/15/papa-e-evo-morales-se-reunem-por-quase-meia-hora-no-vaticano.htm