Cachot, Lourdes 150º Aniversario das Aparicoes
Nos dias das aparições a família de Santa Bernadette tinha caído num tal miséria que toda ela morava numa cela abandonada da delegacia, em condições deploráveis: frio, fome, mal cheiro, etc. E o filho da vizinha desesperada… estava agonizando!!!

O 11 de fevereiro de 1858 foi um dia de problemas dolorosos para a família de Santa Bernadette, não se diferenciando muito dos outros.

O pai da Santa, Francisco Soubirous, saíra cedo à procura de um ‘bico’. Na casa não havia o que comer.

Após muito tentar, achou um que arrepiou sua honra de dono de engenho: carregar o lixo hospitalar do posto de saúde de Lourdes e queimá-lo fora da cidade, numa gruta onde, por vezes, se guardavam porcos.

O nome da gruta era Massabielle.

Francisco ganhou vinte “sous” (= tostões). Com eles, a engenhosa Louise preparou uma sopa para o almoço da família.

Enquanto Francisco estava fora, Louise, a mãe de Santa Bernadette, que ficara na casa, ouviu os gritos lancinantes da vizinha Croisine Bouhort. Ela a chamava desesperadamente.

Justin Bouhort 01
Justin Bouhort assistiu à canonização de Santa Bernadette em Roma, 75 anos depois do milagre!

Seu filinho Justin que nascera raquítico, agonizava mais uma vez.

A família, aliás, já costurava as roupas com que na região são enterradas as crianças.

Mas a paciência e o tato materno de Louise, em mais de uma oportunidade impedira o desenlace fatal do bebê.

E naquele dia de privações, Louise fez ainda o prodígio de manter em vida a criancinha doente.

Não muitos dias depois, Croisine Bouhort num outro momento de desespero, tocada pela graça, fugiu correndo com a criança que morria e a imergiu na fria fonte da gruta de Lourdes, enquanto todos tentavam dissuadi-la.

A intuição sobrenatural materna estava certa, e Justin foi um dos primeiros miraculados de Lourdes.

75 anos depois, em 8 de dezembro de 1933, Justin Bouhort, vigoroso horticultor de Pau com 77 anos de idade assistiu, na Praça de São Pedro em Roma, à canonização de Santa Bernadette pelo Santo Padre o Papa Pio XI.

– “Graças à fé de minha mãe”, repetia ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome